MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Corredor Triplo A


CORREDOR TRIPLO ‘A’
 Adriano Pires Ribas
23 Mai 2018

Minha esperança está em Bolsonaro para mantermos ínte gro nosso Brasilzão maravilhoso!


É costume internacional, na divisa entre países, se fazer corredores com largura de até 1km, a que chamam de corredor ambiental, imobilizando o espaço assim limitado, sem que a nação a que o território pertence possa ali interferir. Faz alguns anos, em um certo ‘Dia Mundial do Meio Ambiente’, nosso Brasil se viu diante de proposta de Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia, para que se criasse um descomunal “corredor ecológico” a que chamou de Corredor Triplo A, pois vem dos Andes ao Atlântico, Andes,  Amazônia, Atlântico e claro, tudo em  território brasileiro carregando imenso pedaço da nossa Amazônia, a mais rica região do Brasil.

 Quem primeiro nos alertou foi o professor Rogério Maestri, mostrando-nos que as supostas preocupações ambientais de tal projeto escondiam antigos e perversos interesses estrangei ros sobre nossa região norte. Palavras dele:
“Esse tal corredor ecológico é verdadeira ocupa ção. É isso, o germe da antiga e desejada ocupação de nossa Amazônia...”
Disse o especialista, em entrevista à Sputnik.
Mas, curioso, a largura (veja a imagem) do tal ‘corre dor’ - o Triplo A - varia de 50km a 500km! Seria o maior corredor do mundo, e nada ecológico, com nada menos que  136 milhões de hectares.
Segundo as palavras do presidente colombiano, a pro posta serviria para “preservar a área e também como contribuição para a discussão sobre como deter as mudanças climáticas”.
No entanto, acredita Maestri, é muito provável que o discurso de Santos esconda intenções nada louváveis.
Professor visitante de Engenharia Hidráulica na Univer sidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Maestri se preo cupa não apenas com os aspectos técnicos da questão ambien tal, também com os fatores geopolíticos que provavelmente  estão alojadas em disfarçadas ideias, como essa do chefe de Esta do colombiano, Manuel Santos, que anunciou publicamente, proporia ao Brasil e à Venezuela esse “ambicioso” corredor nada ecológico.
É mais uma sondagem, mais um passo na continuada inves tida contra nossa Amazônia.
Não sei se tal proposta aconteceu.