MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

POLITICAMENTE CORRETO E SERVIDÃO MENTAL

POLITICAMENTE CORRETO E SERVIDÃO MENTAL

por Percival Puggina. Artigo publicado em 18.08.2017

Lembro-me da primeira vez em que fui advertido de estar sendo politicamente incorreto. "Isso significa que não posso usar a palavra promiscuidade?", perguntei receoso. "Claro que não pode!", foi a resposta que ouvi. Desde então, ser contra essa arenga virou preceito para mim. Tornou-se evidente, ali, que o controle do vocabulário é sutil forma de dominação cultural e política. Impõe servidão mental.
O politicamente correto declara encerrados certos debates e dá por consensuais, por irrecorríveis, conceitos boa parte das vezes insustentáveis numa interlocução esclarecida e bem intencionada. Estamos vendo isso acontecer todos os dias e o fato que trago à reflexão dos leitores dá testemunho.  Encontrei-o por acaso, na internet.
Em maio passado, um delegado de polícia, que é também jornalista, comentou em grupo do whatsapp um estupro de menor (menina de 11 anos que vivia com a mãe). Referindo-se ao caso, observou que "crianças estão pagando muito caro por esse rodízio de padrastos em casa”. O delegado ocupava função de direção na área de comunicação social de sua instituição. A frase foi qualificada como machista e ele, de imediato, exonerado. Fora, politicamente incorreto! Constatara uma obviedade: as sucessivas trocas de parceiros por parte de mulheres independentes expunha as crianças a contatos de risco.
Indagado pelo Jornal Metrópole sobre se estava arrependido o delegado respondeu que não.
“Precisamos discutir responsabilidades e freios morais. As crianças não podem pagar pelas atitudes desmedidas dos adultos, sejam eles homens ou mulheres. Quem leva uma prostituta para casa está arriscando a segurança de seus filhos. Da mesma forma como alguém que levar um psicopata, um ladrão, um homicida para dentro de casa estará colocando a vida dos filhos em risco”. E mais adiante: "Precisamos ter responsabilidade para enfrentar esse tema".
Criado o monstro é preciso alimentá-lo. E ele é nutrido por casos como esse em que o referido delegado ousou expor ideias que não devem ser expressas. Uma coisa é a dignidade da pessoa humana e o respeito a ela devido. Outra é assumir que, em vista dessa dignidade, resultem abolidos os valores que lhe são inerentes. Ou que esses valores sequer possam ser explicitados em público. E ai de quem faça alguma afirmação na qual se possa intuir fundamento religioso ou da moral correspondente! 
A afirmação do policial foi irretocável, mas envolvia uma advertência sobre o exercício irresponsável dos direitos sexuais. E há, sim, uma correspondência entre direitos e deveres que, na situação genérica descrita, são os da mãe, do pai, ou do cuidador responsável por menores no âmbito do lar. Ora bolas!

Pai escreve carta ao filho sobre novela da Globo


Pai escreve carta ao filho sobre novela da Globo

Ontem, por ocasião da apresentação da novela das oito, você perguntou sobre o motivo da minha indignação, quando eu vi a ‘idolatria midiática’ aos bailes funks, onde criminosos ostentavam fuzis cantando e pulando, estando rodeados por belas jovens no ritmo das melhores músicas e bebidas fartas.

Você, com seus quatorze anos de idade, achou estranho eu não gostar daquelas cenas e tentarei explicar o porquê:

1) só quem pode usar fuzil são as forças de segurança do governo, que fazem algumas concessões às forças auxiliares. Fuzil é armamento de guerra; e não armamento do tráfico e da opressão; 

2) O funk verdadeiro não pode ser associado à rodas de bandidos armados, pois é um estilo de música rico e com sua importância cultural; e não de apologia ao crime;

3) aquelas lindas jovens exuberantes que ostentam joias e roupas da moda em corpos esculturais serão escravas dos traficantes que as presenteiam e, geralmente, não passam dos vinte anos de vida ou são mortas ou presas antes disso;

4) aqueles jovens imponentes e cheios de si empunhando fuzis não chegarão aos vinte anos de vida, na maioria, serão mortos por gangues rivais ou serão presos antes disso;

5) aquelas bebidas e músicas ‘maneiras’ são financiadas pela ‘morte de inúmeros usuários de drogas ou vítimas da violência urbana que busca dinheiro para patrocinar aquele baile "feliz" que a novela mostrou;

6) a bela atriz principal no papel de esposa de bandido começou a ficar deslumbrada pelo ‘poder paralelo’ que ostenta luxo e caras felizes. Contudo, quem associa-se ao tráfico não tem passe livre na sociedade, só no submundo; tem que viver escondidos nos morros;

7) milhares de pessoas morrem sem assistência médica porque o dinheiro que deveria ser alocado para a melhoria da saúde tem que ser redirecionado às forças policiais para combater aqueles bandidos "felizes" que a  novela mostrou…

Por fim, eu poderia listar muitos outros motivos para que eu não tenha ficado contente com a ‘apologia ao crime apresentada na TV, mas disfarçada de crítica social’, porém já me basta apenas dizer-lhe no auge dos seus quatorze anos que ‘jamais a ilicitude trará benesses e que o caminho dos homens honrados dar-se-á sempre pela via dos estudos, da compaixão em comunidade e da Fé em Deus.

Filho, não se deixe enganar por essa máquina de alienação de massa, pois, no fundo, ela também financia "aqueles bailes maneiros e regados a gente bonita e a fuzis".

Autor: seu pai

Isso sim, vale a pena a gente repassar e tirar 1 minuto do nosso tempo para fazer a leitura.


POR ESSA, O GOVERNO NÃO ESPERAVA!

POR ESSA, O GOVERNO NÃO ESPERAVA!

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO DE INICIATIVA POPULAR ENTREGUE ONTEM AO CONGRESSO NACIONAL  COM O NÚMERO RECORDE DE 2. 500. 000. 000 (DOIS MILHÕES E QUINHENTAS MIL ASSINATURAS!!  MAIOR DO QUE O DA "FICHA LIMPA"! ) ORGULHOSAMENTE REPASSO. 

LUCIANA UCELLI

A cobra vai fumar
Em três dias, a maioria das pessoas no Brasil terá esta mensagem. Esta é uma idéia que realmente deve ser considerada e repassada para o Povo.

Lei de Reforma do Congresso de 2013 (emenda à Constituição) PEC de iniciativa popular: Lei de Reforma do Congresso (proposta de emenda à Constituição Federal)

🇧🇷1. Fica abolida qualquer sessão secreta e não-pública para qualquer deliberação efetiva de qualquer uma das duas Casas do Congresso Nacional. Todas as suas sessões passam a ser abertas ao público e à imprensa escrita, radiofônica e televisiva.

🇧🇷2. O congressista será assalariado somente durante o mandato. Não haverá ‘aposentadoria por tempo de parlamentar’, mas contará o prazo de mandato exercido para agregar ao seu tempo de serviço junto ao INSS referente à sua profissão civil.

🇧🇷3. O Congresso (congressistas e funcionários) contribui para o INSS. Toda a contribuição (passada, presente e futura) para o fundo atual de aposentadoria do Congresso passará para o regime do INSS imediatamente. Os senhores Congressistas participarão dos benefícios dentro do regime do INSS exatamente como todos outros brasileiros. O fundo de aposentadoria não pode ser usado para qualquer outra finalidade.

🇧🇷4. Os senhores congressistas e assessores devem pagar por seus planos de aposentadoria, assim como todos os brasileiros.

🇧🇷5. Aos Congressistas fica vetado aumentar seus próprios salários e gratificações fora dos padrões do crescimento de salários da população em geral, no mesmo período.

🇧🇷6. O Congresso e seus agregados perdem seus atuais seguros de saúde pagos pelos contribuintes e passam a participar do mesmo sistema de saúde do povo brasileiro.

🇧🇷7. O Congresso deve igualmente cumprir todas as leis que impõe ao povo brasileiro, sem qualquer imunidade que não aquela referente à total liberdade de expressão quando na tribuna do Congresso.

🇧🇷8. Exercer um mandato no Congresso é uma honra, um privilégio e uma responsabilidade, não uma carreira. Parlamentares não devem servir em mais de duas legislaturas consecutivas.

“A petição com os dois milhões e meio de assinaturas chegou ontem no congresso nacional.Se cada pessoa repassar esta mensagem para um mínimo de vinte pessoas, em três dias a maioria das pessoas no Brasil receberá esta mensagem. A hora para esta PEC - Proposta de Emenda Constitucional - é AGORA! 

É ASSIM QUE VOCÊ PODE CONSERTAR O CONGRESSO 🇧🇷🌈

Se você concorda com o exposto, REPASSE.  Caso contrário, basta apagar e dormir sossegado.

🌈Por favor, mantenha esta mensagem CIRCULANDO para que possamos ajudar a reformar o Brasil.🌈

Não se acomode!
Não adianta apenas reclamar!!!
Não custa repassar!!!
Apoiado!👊🇧🇷🇷🌈

Sobre a esquerda caviar do Leblon e adjacências


Por Claudia Wild, no face 

A  badalada  atriz global Fernanda Torres, renomada esquerda caviar do Leblon e adjacências, resolveu com seu amiguinho Marcelo  Freixo - deputado do PSOL, partido antissemita, especialista em queimar bandeiras de Israel -   visitar um presídio carioca para depois tecer suas considerações humanistas na Folha de São Paulo.

Lá, a bondosa visitante encontrou aquilo que já sabemos existir,  mas "perplexa" com tanta indignidade nas instalações resolveu de forma infeliz comparar o recinto com campos de concentração como Treblinka e Auschwitz. 

Alguém poderia esclarecer para esta  "iluminada“ que os citados campos e suas vítimas não podem JAMAIS ser comparados com presídios, já que lá estavam INOCENTES crianças, velhos, mulheres e homens indefesos; pessoas que cometeram o "crime hediondo“ de ter o sangue judeu. Esta comparação  esdrúxula é abjeta, pois por pior que  seja  um presídio  ( local para criminosos - se ela ainda não sabe), ele não encontra equivalência alguma com locais de extermínio dos judeus mantidos pelos desprezíveis nazistas. 

Da próxima vez, a zelosa humanista de araque poderia visitar, por exemplo, as famílias dos policiais executados no Rio de Janeiro, e que nenhum de seus pares saiu para averiguar se precisam de um pão, ou um  simples remédio. Ou quem sabe, poderia visitar  os funcionários públicos cariocas que estão  há meses sem receber seus salários, vivendo na penúria, pois os políticos que a caridosa senhora defende arruinaram o estado do Rio de Janeiro e o Brasil. 

Mas, como a hipocrisia impera em sua casta, se preferir pode  visitar um presídio mesmo, visita o ex-governador Sérgio Cabral e cobra dele o que ele roubou, para depois levar aos seus protegidos, mas não faça comparações estapafúrdias que só mostram seus valores deturpados, sua ignorância e seu antissemitismo.

Carta do general Torres de Melo ao ministro Henrique Meireles

EXMO. SR. MINISTRO HENRIQUE MEIRELES

Longe de querer ensinar Pai Nosso a Vigário. Vivo olhando V. Ex. falando na TV, querendo convencer que a coisa melhora. Tudo que V. Ex. falou ou vai falar já ouvi de outra dezena de  Ministros da Fazenda. Todos os argumentos foram ditos como responsáveis pela inflação, pela deflação, pelo aumento da dívida líquida, de diminuição de despesas com aumento das mesmas. Chuchu, cambio elevado ou baixo, confisco de dinheiro, comércio exterior, etc. já foram culpados pela nossa economia. Nunca vi falar no crédito para bandidos. Bancos oficiais não quebram porque a máquina roda e tudo para salvar os grandes ladrões brasileiros.

Até acredito em V. Ex. Vejo um homem de boa vontade, mas como colocar nos trilhos se gastamos mais do que arrecadamos. Vamos aumentar, esse ano de 129 bilhões para 159 milhões A DÍVIDA. Isto custa mais gasto com juros. Qual a despesa com juros e dividendos em 2017? Uma resposta por favor.

Para arrumar a casa dos outros primeiros arruma-se a nossa. A palavra SANTA PARA VOSSAS EXCELÊNCIAS é: Vamos economizar. Vossa Ex. já andou pelo seu ministério? Sabe por acaso quando carros rodam e o gasto com combustível? Já contou quantos cadeiras, mesas, computadores sobram por aí afora no seu Ministério? Já viu quando relatórios inúteis são realizados? Tenho a impressão que teremos economia de um ou mais bilhões. Agora multiplique pelos nº de ministérios. V. Ex. poderá ter um enfarto.

Quer ter um susto: mande passar o dedo em cima dos quadros que enfeitam os gabinetes que todos sairão sujos. Em  lugar de ir direto para o gabinete vá a uma sala do seu prédio ou de outra  repartição de V. Ex e encontrará milhões de processos. Sabe o que significa INEFICIÊNCIA. 

AJUDE FAZER ESTE DOC. CHEGAR AO MINISTRO. Aprendi com um engenheiro: faça coisas simples todos os dias e os grandes PROBLEMAS serão resolvidos.
Solução para nossos problemas foi dada pelo Barão de Turgot ao rei LUIS XVI, que não aceitando foi para a guilhotina. 

Veja a aula: “1. Evitar inadimplência; 2. Evitar aumento de Impostos; 3.Evitar empréstimos. Para conseguir esses três objetivos só há um meio. É REDUZIR OS GASTOS AQUÉM DA RECEITA”.

DESCULPE MESTRE. ESTAMOS TENTANDO AJUDAR. MAIS AÇÃO E MENOS PALAVRAS.
NÃO TENHA MEDO. SÓ VAI NA RAÇA.
GRUPO GUARARAPES
COORDENADOR
GENERAL REFORMADO TORRES DE MELO

FORTALEZA-CE, 18/08/2017

AJUDE. REPASSE PARA CHEGAR AO MINISTRO

MEC deve explicar tudo sobre a Universidade Federal da Integração Latino-Americana, por Prof. Marco Antonio Villa

MEC deve explicar tudo sobre a Universidade Federal da Integração Latino-Americana


Prof. Marco Antonio Villa

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

“Igreja da Eutanásia”: no fundo inconfessável do ambientalismo radical

Domingo, 27 de agosto de 2017



Exibicionista, inumana, blasfema a 'Igreja da Eutanásia' não vai obter o que quer.  Mas agita uma bandeira para a qual tendem os "moderados" do ambientalismo
Exibicionista, inumana, blasfema a 'Igreja da Eutanásia' não vai obter o que quer.
Mas agita uma bandeira para a qual tendem os "moderados" do ambientalismo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Andando pelas ruas, é frequente bater os olhos em novas igrejas das mais inesperadas denominações, em sua maioria de inspiração evangélica ou de cultos e práticas orientais,

Mas nos arraiais ambientalistas radicais surge de vez em quando alguma seita ainda mais inesperada. É o caso da Igreja da Eutanásia, fundada no ano de 1992 em Boston, EUA, por Chris Korda.

Antinatalista, transgênero e vegana, Chris, nascida em 1962, é sobrinha-neta do magnata húngaro Sir Alexander Korda, muito conhecido na indústria cinematográfica britânica, e filha única do renomado escritor e romancista Michael Korda, antigo editor-chefe da rede de livrarias Simon & Schuster.

O dogma fundamental de sua igreja é único, muito simples e de acordo com as crenças verdes radicais: “Salva o planeta, suicida-te”!

Essa igreja verde se autodefine como “associação sem fins lucrativos cujos esforços se encaminham para restabelecer o equilíbrio entre os seres humanos e as demais espécies da Terra”, noticiou o jornal “El Mundo”, de Madri.

Dito equilíbrio planetário só seria possível com uma redução voluntária e massiva da população humana.

Parece uma singularidade de alguns exaltados, mas temos recolhido neste blog abundantes testemunhos de arautos do antinatalismo verde que ocupam altas posições no establishment político-midiático, possuem fortunas enormes e são recebidos com sorrisos nos ambientes vaticanos impregnados pela encíclica Laudato Si’.

A nova religião – não é tão nova assim – tem quatro pilares. O Islã tem cinco, mas nenhum é tão extremista quanto os desta:

Ei-los: 1) suicídio; 2) aborto; 3) canibalismo e, por fim, 4) a sodomia, entendida como qualquer ato sexual não reprodutivo.

Essas normas estão resumidas num só mandamento, exibido no alto de sua página web: “Não procriarás”. Não incluímos o link em virtude do conteúdo altamente pornográfico de algumas de suas páginas.

A homepage do site da “Church of Euthanasia” inclui um demagógico contador do crescimento da humanidade: seus dígitos progridem a quase quatro novas unidades por segundo.

Adeptos fazem passeata. Nenhum deles pensa em suicidar, mas se acham bem sucedidos convencendo que os homens estão 'matando o planeta'
Adeptos fazem passeata. Nenhum deles quer se suicidar,
mas se acham bem sucedidos convencendo que os homens estão 'matando o planeta'
A demagogia é fácil e, comenta “El Mundo”, poderiam ser acrescentados contadores das espécies que desaparecem, das árvores que caem, do desmatamento no Brasil, do aquecimento global, do aumento do nível dos mares, etc., etc.

O culpado por todos esses males apavorantes é um só: o ser humano e seu desejo de ter filhos!

“Estamos presenciando a extinção massiva das espécies. A cada hora desaparece uma. Se formos falar das florestas tropicais úmidas, o ritmo de desaparecimento se multiplica por quatro”, sentencia a “pastora verde” Korda.

Nessa base, a Igreja da Eutanásia prega uma cruzada de cruz invertida em nível global contra todas as formas de crescimento além do humano: o econômico e o tecnológico, por exemplo.

Não só os humanos precisam ser dizimados em proporções que nem Hitler, Stalin ou Mao sonharam, mas os que ficarem devem adotar um nível de vida análogo ao pré-histórico.

A verborragia anti-humana tem muito eco no jet-set planetário, especialmente quando se volta contra a fonte desses “males”: o Deus da Bíblia e os ensinamentos cristãos.

Esses põem o homem no centro da Criação e o definem como feito à imagem e semelhança de Deus, medida, por isso mesmo, de todas as coisas e que governa todo o criado.

A “pastora verde”, ou vermelha, pelo sangue derramado, reconhece que de imediato sua guerra está perdida. Com tais absurdos não poderia ser diferente.

Mas ela tem um segundo objetivo por baixo de suas espalhafatosas e inverossímeis pregações. Korda explica:

“Não podemos impedir que os humanos matem a Terra, mas podemos fazer que se sintam culpados por isso. E podemos convidá-los a se inculparem não tendo filhos, consumindo o mínimo possível e, finalmente, se suicidando”. 

Desanimar ter filhos é o objetivo imediato. Cientistas "verdes" e clérigos progressistas vêm atrás mas com ares moderados. A meta é idêntica, mas a Igreja da Eutanásia está mais na frente.
Desanimar ter filhos é o objetivo imediato. Cientistas "verdes"
e clérigos progressistas vêm atrás mas com ares moderados.
A meta é idêntica, mas a Igreja da Eutanásia está mais na frente.
Leis que aprovam a eutanásia até quando solicitada por crianças já vigoram em países como a Holanda, onde é uma causa de morte em contínua ascensão.

Os membros dessa congregação se sentem bem interpretados quando são qualificados de a primeira religião “anti-humana”, como já o fizeram pertinentemente vários polemistas cristãos ou simplesmente humanistas.

A reverenda Korda esclarece que sua congregação não exige de seus membros o suicídio, mas sim que acalentem pensamentos suicidas.

E se o membro vier a praticar esse crime e pecado “que brada ao Céu e clama a Deus por vingança”, converte-se automaticamente em santo.

Após os atentados de 11 de setembro de 2001 contra as Torres Gémeas, essa igreja espalhou um vídeo combinando imagens pornográficas com outras em que mostrava impactos assassinos de massa com fundo de música eletrônica composta pela pastora.

Até 2003, o site distribuía um manual de instruções especificando passo a passo como se suicidar asfixiando-se com o gás hélio. Ele foi tirado do ar após um homem de 52 anos fazer uso da fórmula e o grupo verde religioso sofrer uma tempestade legal.

A pergunta mais óbvia faz rir a reverenda: por que ela não se suicidou?

Ela acredita que tem uma missão evangelizadora que é mais importante: difundir a palavra de sua religião e conscientizar os homens.

Alguns os qualificam de seita suicida, outros de meros provocadores que querem chamar a atenção.

Mas, o certo, diz “El Mundo”, é que eles funcionam como um “ministério da propaganda” de um movimento que vai muito além de suas estreitas paredes e está bem instalado nas cúpulas da “cultura da morte”.

A “solução final” está passando gradual e dissimuladamente em leis nacionais, recomendações da ONU ou do Parlamento Europeu, bem como em declarações internacionais tipo Acordo de Paris sobre o clima.

A máxima autoridade da Igreja da Eutanásia resume sua tarefa:

“Minha meta é passar ideias profundamente subversivas e antissociais. Isso só se faz usando os recursos da sociedade de massas.

“Em certa maneira, minha tarefa é convencer-te de que a causa é boa. E convencer-te até o ponto de fazer meu jogo e passar estas ideias para uma porcentagem crescente de público.

“Se eu conseguir te persuadir, terei êxito. Mas, pelo contrário, se achares que isto é uma charada ou uma brincadeira, eu terei fracassado na minha causa”.

Quantos que seguem as ideias da moda, com formulações vagas ou sentimentais, estão caindo no jogo, quiçá sem sabê-lo, dos apóstolos do suicídio de massa?


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

25 DE AGOSTO: DIA DO SOLDADO


25 DE AGOSTO: DIA DO SOLDADO
Aileda de Mattos Oliveira (23/8/2017)
Esta data levou-me a fazer um confronto entre os valores morais e cívicos de Caxias, que sempre pôs a sua espada a serviço das causas brasileiras, e a degeneração do comportamento político nos dias atuais, o descaso total com a Nação, típico padrão ético do socialismo moreno e que, surdamente, vai minando os espíritos dos que não pertencem ao círculo, mas foram escolhidos a compartilhar do mesmo espaço.
Este confronto de conduta resultou numa radical opinião de que somente aqueles que respeitam a História Político-Militar Antiga e Recente da Corporação, fiéis seguidores da doutrina militar brasileira e que sempre se mantiveram firmes nas suas convicções, são os que estão credenciados a reverenciar a figura ímpar do Patrono da Força Terrestre. É uma questão de coerência.
Como se sentiria Caxias ao ver o nome de um facínora substituir o de um presidente militar na fachada de uma escola pública baiana? Que pensaria o Pacificador dessa afronta a toda Instituição Militar, por omissão, por recolhimento atencioso, no limite da subalternidade àqueles que, traiçoeiramente, transferiram nossas reservas para o Caribe vermelho e para os vizinhos de fronteiras perigosamente subordinados à maldita Ilha?
Nessa nossa República sem ideais republicanos, separamos ‘os tradicionalistas’ dos ‘situacionistas’. Na Ordem do Dia, referente ao Dia do Soldado, que não seja omitido o nome de Caxias, nem os seus feitos em favor da unidade territorial através de sua ação pacificadora, como tem ocorrido com o histórico 31 de Março, por imposição de presidentes submetidos ideologicamente a interesses alienígenas, imposição vexatoriamente acatada pelos ‘situacionistas’.
Dia do Soldado Brasileiro deveria ser o da libertação da Força Terrestre da presença de ministros da Defesa indesejáveis e comprometidos com ideologia oposta a de Caxias. Ministros que coreografam passos diante das câmeras num protagonismo risível, porque ridículo, incompatível com a seriedade militar. Ministros que tentam ser a voz da Corporação em assuntos de estratégia de defesa que ignoram, sobre um Rio de Janeiro em guerra. Durante as suas falas sem peso nem medidas, esquecem que há observadores críticos entre o povo demasiado crédulo, tanto que se satisfaz com o malabarismo verbal das “excelências”.
Pondo em risco a credibilidade da tropa, empurram-na para combater a bandidagem no abandonado Rio de Janeiro, sem que essa tropa possa agir independentemente, pondo em prática toda a sua tática de guerra, para estancar, de vez, a sangria produzida pelas alianças entre todos os fora da lei: eleitos ou de outras facções criminosas, além das abomináveis organizações de direitos dos bandidos que deveriam ser postas na linha de frente. A tropa não pode ficar à mercê de ministros apaziguadores que têm em mira outros interesses que não o da Corporação.
Os inoperantes, os larápios do dinheiro público, que deixaram a cidade entregue à vadiagem, os governantes de mais baixo coturno, todos são os verdadeiros responsáveis pela eliminação quase diária de policiais e civis. Mas para se manterem no foco da luz e da câmera, mas sem meios para a ação, entregam a tarefa ao factótum ideal: as Forças Armadas.
Só um País com políticos traidores, só um país com leis penais de acordo com as caras dos magistrados, só um país com autoridades desmoralizadas pela ambição única de enriquecimento, pode servir-se, continuamente, para ilusionismo popular, das Forças Armadas.
Dia do Soldado Brasileiro deveria ser comemorado com a posse para Ministro da Defesa de um militar reformado, técnico, conhecedor do Brasil, dos seus mais distantes rincões, estrategista, e que combatesse, de imediato, a infecção vermelha que parece ter atacado o sangue de alguns de seus companheiros, deixando-os anêmicos em relação às suas antigas crenças e alheios à luta em favor da própria Força e do País. Este seria o melhor presente de aniversário em comemoração ao nascimento de Caxias, não só aos Soldados, mas também aos patriotas civis que acompanham desolados o mutismo dos acomodados atrás dos merlões [1] da fortaleza.
Dia do Soldado Brasileiro é o dia do vitorioso Pacificador, que deu a alma pelo Brasil, que manteve sempre elevado o moral da tropa, que lutou pelo apaziguamento dos ânimos de brasileiros mais exaltados na luta pela própria terra.
São aos Soldados Brasileiros que se mantêm fiéis aos ideais de seu Patrono que me dirijo na sua Data Magna, desejando que continuem no seu trabalho de elo de integração através da transmissão e manutenção da língua em longes pontos do País, fato importantíssimo que, parece, continua despercebido pela própria Força.
Que o Altíssimo ilumine estes Soldados, demagogicamente lembrados para remover os escombros em que deixaram o País os apátridas que infestam todos os setores políticos, todas as estatais, onde o cheiro do dinheiro público lhes leva ao clímax do prazer.
[1] Partes salientes da murada (fortificação) que se alternam com as ameias.
(Dr.ª em Língua Portuguesa. Acadêmica Fundadora da ABD. Membro do CEBRES)

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Expedição Centenária Roosevelt-Rondon


Expedição Centenária Roosevelt-Rondon

Hiram Reis e Silva - coronel do Exército e historiador

 3ª Fase da Expedição Centenária Roosevelt Rondon - 1ª Parte
Foz do Apa - Forte Coimbra (Rio Paraguai)
https://youtu.be/_fCg7y98JIU

 3ª Fase da Expedição Centenária Roosevelt Rondon - 2ª Parte
Forte Coimbra - Porto Jofre (Rios Paraguai e Cuiabá)
https://youtu.be/GPT99KsJjD8


 3ª Fase da Expedição Centenária Roosevelt Rondon - 3ª Parte
Porto Jofre - Boca do Caracará (Rios Cuiabá e Paraguai)
https://youtu.be/X7KBt31iWfg


 3ª Fase da Expedição Centenária Roosevelt Rondon - 4ª Parte
Boca do Caracará - Cáceres (Rio Paraguai)
https://youtu.be/zlPfAYWRGpA

-- 
Tríplice e Fraternal Abraço do Hiram Reis, um Canoeiro eternamente em busca da Terceira Margem.


A guerra racial do Google contra os brancos?

A guerra racial do Google contra os brancos?

Julio Severo
Link deste artigo: http://bit.ly/2wtYLSh
Se a cor da pele não é importante, por que o Google está dando preeminência para o afrocentrismo e o supremacismo negro, que valorizam sua própria cor “cultural” como superior a todas as outras cores “culturais”?
Bispo James E. Dukes do Centro Cristão de Libertação de Chicago quer a remoção da estátuta de George Washington do Parque Washington em Chicago por considerar o primeiro presidente dos EUA “racista”
Se você defende o “europeocentrismo,” isso é rotulado automaticamente de “racista.” Mas se você defende o afrocentrismo (que é sinônimo de “negrocentrismo,” significando que tudo o que tem a cor “cultural” afro ou negra deve ficar no centro de tudo) é simplesmente jóia para a Esquerda e para o Google. Para eles, europeu no centro é “racismo,” só porque europeu é sinônimo de branco. Mas afro no centro não é racismo, só porque afro é sinônimo de negro.
De acordo com o Dicionário Merriam-Webster, racismo é “uma convicção de que algumas raças são superiores às outras; também, discriminação com base em tal convicção.”
O Google vem fazendo isso. Não contra negros. Contra brancos.
O Google coloca o afrocentrismo como superior a outros.
O Google comete discriminação com base em tal convicção.
O Google só não é rigorosamente castigado, condenado, isolado e moral e legalmente linchado pela poderosa grande mídia porque na mentalidade midiática esquerdista predominante qualquer coisa feita contra negros é crime e qualquer coisa feita contra brancos é “algo muito necessário.” A Esquerda acredita que os brancos merecem perseguição.
O Google e a Esquerda desprezam a essência espiritual dos EUA.
Os Estados Unidos têm produzido tantas invenções que EUA e invenções são quase sinônimos.
Já que os EUA são majoritariamente brancos devido às suas raízes europeias, a maioria dos inventores americanos é branca.
Um estudo noticiado no jornal britânico DailyMail deu a razão para o espírito inventivo nos EUA: o protestantismo. O DailyMail disse que os protestantes brancos americanos são incrivelmente criativos. Mais criativos do que os católicos e os judeus.
É só por acaso que a maior nação protestante do mundo — os Estados Unidos — seja também a nação mais criativa do mundo?
O abundante espírito criativo e inventivo histórico dos Estados Unidos é resultado de sua cultura branca predominantemente protestante.
Mas o Google quer que você veja de modo diferente. Quando você usa o Google para pesquisar “white inventors” (“inventores brancos,” em inglês), muitos resultados da primeira página são negativamente exóticos. Muitos nos resultados não são brancos, e muitas reportagens sobre brancos nos resultados não são positivas. (Veja os resultados do Google em inglês registrados aqui: http://archive.is/guslk)
As fotos, que deveriam mostrar só pessoas brancas, em grande parte retratam pessoas negras. Os artigos mais proeminentes refletem brancos de um modo inferior e depreciativo.
Parece que os brancos, no universo do Google, deveriam ser retirados de vista. Talvez eles não devessem existir. O racismo está desenfreado no Google — contra os brancos.
Em contraste, quando você usa o Google para pesquisar “black inventors” (“inventores negros,” em inglês), os resultados são extraordinariamente positivos. Os resultados, na primeira página, mostram reportagens agradáveis sobre negros. (Veja os resultados do Google em inglês registrados aqui: http://archive.is/wq6z5)
As fotos, que deveriam mostrar apenas pessoas negras, de fato retratam apenas pessoas negras!
Mesmo quando você usa o Google em português no Brasil, os resultados para “inventores negros” (veja: http://archive.is/WOmVM) são vastamente melhores do que os resultados para inventores brancos (veja: http://archive.is/xa2wq).
A conduta do Google está em perfeita harmonia com o AFROCENTRISMO. “Afro,” que tem relação com África ou negros. “Centrismo,” que tem relação com o centro. De acordo com o Dicionário Oxford de Inglês, o adjetivo “Afrocêntrico” significa “que tem relação com a cultura africana ou negra como preeminente.”
Retratar a cultura europeia ou branca como preeminente, até mesmo quando é historicamente preeminente nos EUA e na Europa, é “racismo.” Mas retratar a cultura africana ou negra como preeminente, até mesmo quando não é historicamente preeminente numa cultura predominantemente europeia ou branca, não é racismo. Racismo protegido? Desonestidade protegida?
Por que o Google está impondo a tendência afrocêntrica, que tem um rastro destrutivo?
Na semana passada, o jornal Washington Times noticiou que o Bispo James E. Dukes do Centro Cristão de Libertação de Chicago virou manchete ao pedir que o prefeito de Chicago dê outro nome para o Parque Washington e remova uma estátua do primeiro presidente dos EUA por causa das ligações dele com a escravidão. O Bispo Dukes, que é um negro pentecostal, disse à sua congregação, através do Facebook: ‘Chegou a hora.’”
E ontem o Washington Times noticiou que “Um monumento de Cristóvão Colombo que estava há mais de 200 anos [na cidade de Baltimore] foi esmagado com uma marreta na segunda-feira para combater uma ‘cultura de supremacia branca.’”
Colombo era um explorador e navegador italiano (de origem judaica) que descobriu a América em 1492. Seu “crime” numa América obcecada pelo afrocentrismo? Ele era branco.
Se até mesmo um bispo pentecostal negro quer uma estátua do branco George Washington removida, o que esperar do Google?
Então não é de admirar que os brancos tenham sido colocados na lista negra moral e cultural do Google não só em inglês, mas também internacionalmente, inclusive no Brasil. Uma pesquisa no Google sobre inventores brancos apresenta resultados desonestos nos EUA e internacionalmente.
Por que o Google está dando preferência ao afrocentrismo?
Por que o Google está rebaixando a rica cultura protestante branca americana?
Por que o Google está se conduzindo de modo discriminatório?
Quer o Google reconheça ou não, os EUA foram fundados por brancos, que eram 98 por cento protestantes.
Os negros americanos, que têm tanto orgulho de suas realizações, conseguiram prosperar só numa cultura protestante branca. Se eles nunca tivessem sido levados para os EUA como escravos e ainda vivessem na África, eles conseguiriam ter prosperado do mesmo jeito que prosperaram nos EUA?
No século XIII, quando a Europa branca tinha castelos e cidades com catedrais e edifícios impressionantes, a África negra não tinha… quase nada. Um continente vasto, maior que a Europa, sem castelos e cidades com catedrais e edifícios impressionantes.
Ainda que os afrocentristas e supremacistas negros apontem para o Egito antigo e suas pirâmides colossais como exemplo de que a África era superior aos antigos castelos e cidades com catedrais europeias, estudos modernos despedaçam a esperança egípcia dos afrocentristas. De acordo com uma reportagem do WND, “No primeiro sequenciamento total do genoma dos antigos egípcios, abrangendo um período de 1.300 anos datando até 1.400 a.C., os cientistas concluíram que as pessoas do período faraônico tinham mais parentesco com os europeus modernos.”
Os americanos protestantes brancos têm um legado enorme de construções e invenções. Exterminar esse legado da história (e do Google) é racismo que leva, obviamente, ao genocídio cultural.
Se os afrocentristas e supremacistas negros (inclusive o Google, que colocou os inventores negros no centro das invenções e acima dos inventores brancos) querem ser honestos consigo mesmos, eles deveriam se mudar para a África e viver apenas com o que os africanos criaram ali.
Se quiserem ser honestos com a realidade, eles deveriam reconhecer que a cultura protestante branca nos EUA era e é o melhor ambiente para eles prosperarem.
Sim, há problemas na cultura branca americana, inclusive racismo. Toda cultura é imperfeita. Mas as igrejas protestantes brancas têm reconhecido, condenado e combatido o racismo séculos antes do Google. E o racismo não é uma questão americana exclusiva. Até na África, existe racismo de tribos negras contra tribos negras.
A abolição da escravidão não veio da África ou dos negros ou do Google ou dos afrocentristas ou dos supremacistas negros. Veio dos brancos protestantes. Mesmo hoje, existe escravidão na África — negros escravizando negros —, enquanto na América branca eles são livres.
Brancos proeminentes no movimento anti-escravidão, que era branco, foram os protestantes William Wilberforce, Charles Finney, Abraham Lincoln, etc.
Wilberforce criou a primeira lei, com impacto internacional, proibindo a escravidão mais de 200 anos atrás.
O pior tipo de racismo branco na história mundial foi o nazismo, que não foi derrotado pela África ou pelos negros ou pelo Google ou pelos afrocentristas ou pelos supremacistas negros. Foi derrotado pelos Estados Unidos e pela União Soviética, nações majoritariamente brancas, que estavam em aliança militar contra o racismo branco esotérico da Alemanha nazista.
Os principais líderes mundiais contra o nazismo — o protestante Franklin Delano Roosevelt e o ateu Josef Stalin — eram totalmente brancos. Havia uma diferença entre eles — capitalismo e marxismo —, e essa diferença, odiada e amada por negros, nasceu na Europa. Os sistemas democráticos e republicanos também foram criados na Europa.
Até mesmo na África do Sul, o racismo foi derrotado somente depois de uma pressão forte da América branca, da Europa branca e da União Soviética branca.
Então os brancos estão numa posição excelente para falar contra o racismo, pois eles têm combatido o racismo entre si mesmos como nenhuma outra raça já combateu.
Os americanos protestantes brancos e os europeus protestantes ingleses baniram a escravidão em suas nações brancas e também em muitas nações negras da África — sem nenhuma ajuda do Google e dos afrocentristas.
Os americanos protestantes brancos e os europeus protestantes ingleses libertaram escravos brancos e negros — sem nenhuma ajuda do Google e dos afrocentristas.
Os brancos são preeminentes, como nenhuma outra raça, na luta contra o racismo e a escravidão. Até mesmo quando líderes negros estão envolvidos na luta contra o racismo, sua luta foi inspirada e ajudada por brancos. O pastor protestante Martin Luther King Jr., que foi inspirado pelo teólogo batista socialista branco americano Walter Rauschenbusch, nunca teria tido sucesso sem apoio dos brancos. Nelson Mandela, que foi inspirado pelo branco Karl Marx, nunca teria tido sucesso sem o apoio branco da Europa, EUA e União Soviética.
Se, como acusam os afrocentristas, os brancos têm uma dívida eterna com os negros por causa da escravidão negra, e o Google está rebaixando os inventores brancos como medida indenizatória, por que eles não exigem indenizações das nações muçulmanas que foram os principais traficantes de escravos por séculos, inclusive vendendo escravos negros para europeus e americanos? Por que o Google também não rebaixa os muçulmanos? Os muçulmanos também venderam incontáveis milhares de escravos brancos para a África.
Por que os afrocentristas não exigem indenizações de nações africanas que vendiam escravos negros para europeus e americanos? Por que o Google também não rebaixa tais nações em seu mecanismo de busca?
A escravidão negra teria sido impossível sem tribos negras conquistadoras vendendo negros de tribos conquistadas para europeus e americanos. A África tem indenizações imensas para fazer aos negros americanos.
E nos séculos passados quando tribos negras conquistadoras não tinham nenhum americano e europeu para vender seus escravos negros de tribos conquistadas, eles os vendiam entre si. Negro vendendo negro. Negro comprando negro. A escravidão era normal demais na África.
Considerando que a escravidão é antiga e tradicional na África, os negros conseguiriam ter se libertado sozinhos sem os americanos protestantes e os europeus protestantes ingleses? Se eles tivessem tal força, a África não teria escravidão hoje.
Os negros teriam conseguido prosperar sem a cultura protestante branca predominante nos EUA?
A Ku Klux Klan (KKK) é repugnante e deveria ser proibida e condenada. A maioria dos brancos protestantes a condena. Mas o Google e a maioria dos negros condenam o afrocentrismo e o supremacismo negro?
Então os afrocentristas e o Google não têm nenhuma desculpa para usar a KKK para esconder, rebaixar e depreciar verdades factuais sobre brancos e sua óbvia hegemonia positiva nas invenções americanas. O Google não tem nenhum direito de usar seu mecanismo de pesquisa como máquina de propaganda para promover uma ideologia afrocêntrica contra os brancos nos EUA, Brasil e no mundo inteiro.
A desonestidade do Google contra os inventores brancos é tão repugnante quanto a desonestidade da KKK contra os negros.
Se o Google fizesse com os inventores negros o que está fazendo com os inventores brancos, seria considerado pura propaganda racista. Seria conduta criminosa.
O Google faliria se tratasse inventores negros do jeito que vem tratando inventores brancos.
A guerra do Google não é só contra os inventores brancos. É contra a realidade e honestidade.
O racismo está desenfreado nas buscas no Google sobre inventores brancos, privilegiando uma ideologia afrocêntrica e rebaixando a forte cultura criativa americana formada por protestantes brancos.
Versão em inglês deste artigo: Google’s Racial War Against Whites?
Leitura recomendada: