MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

UMAP - UNIDADES MILITARES DE AYUDA A LA PRODUCCIÓN


UMAP - UNIDADES MILITARES DE AYUDA A LA PRODUCCIÓN

Félix Maier

UMAP - Unidades Militares de Ayuda a la Producción (Cuba): inicialmente, seria chamado de El Plan Fidel e funcionou entre 1964 e 1967. 

As UMAP eram campos de trabalhos forçados, a exemplo dos gulags soviéticos, para onde foram enviados órfãos (filhos dos executados pela Revolução), filhos de presos políticos, filhos de residentes no exterior, filhos de comerciantes que tiveram seus bens confiscados pela Revolução, jovens com convicção religiosa, jovens artistas de pensamento liberal, jovens sem-teto, religiosos e homossexuais, totalizando em torno de 30.000 pessoas.

“Operacionais em novembro de 1965, os campos da UMAP eram verdadeiros campos de concentração, para onde eram desordenadamente atirados religiosos (católicos, entre os quais o atual arcebispo de Havana, Mons. Jaime Ortega, protestantes, testemunhas de Jeová), proxenetas, homossexuais e quaisquer indivíduos considerados ‘potencialmente perigosos para a sociedade’. Os prisioneiros tinham de construir eles mesmos os seus abarracamentos, principalmente na região de Camaguey. As ‘pessoas socialmente desviantes’ eram submetidas a uma disciplina militar, que se transformou num regime de maus-tratos, de subalimentação e de isolamento. Uma das funções da UMAP foi a ‘reeducação’ de homossexuais. Antes da sua criação, alguns deles tinham perdido os empregos, principalmente na área cultural; a Universidade de Havana foi alvo de depuração anti-homossexuais, e era comum ‘julgá-los’ em público, no próprio local de trabalho” (COURTOIS, 2000: 779). 

“O campo para homossexuais ostentava os dizeres ‘O Trabalho os Transformará em Homens’ sobre o portão principal – o que, de certa forma, ecoava o famoso ‘O Trabalho os Libertará’ de Auschwitz” (FONTOVA, 2009: 167). 

“Esse sistema cumpre dois objetivos: 1) Facilitar a mão de obra gratuita do Estado. b) Castigar os jovens  que se negam a participar das organizações comunistas” (Relatório da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, de 1967 - Cfr. NARLOCH, 2011:  44). 

Após a extinção das UMAP, todos os documentos foram destruídos. 

Acesse, também, www.cubanet.org e www.cubdest.org.

Notas:

COURTOIS, Stéphane; WERTH, Nicolas; PANNÉE, Jean-Louis; PACZKOWSKI, Andrzej; BARTOSEK, Karel; e MARGOLIN, Jean-Louis. O livro negro do comunismo - Crimes, terror e repressão. Bibliex e Bertrand Brasil, Rio, 2000. Com a colaboração de Rémi Kauffer, Pierre Rigoulot, Pascal Fontaine, Yves Santamaria e Sylvain Boulouque (Tradução de Caio Meira).


FONTOVA, Humberto. O verdadeiro Che Guevara - E os idiotas úteis que o idolatram. É Realizações, São Paulo, 2009.


NARLOCH, Leandro; TEIXEIRA, Duda. Guia politicamente incorreto da América Latina. Leya, São Paulo, 2011.



Leia, também:

CAMPOS PARA REEDUCAÇÃO DE HOMOSSEXUAIS E CONSTRUÇÃO DO SOCIALISMO EM CUBA. Ou: Revolução é coisa para macho.