MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

AMAVA TANTO LULA QUE FICOU SEM DEDOS

AMAVA TANTO LULA QUE FICOU SEM DEDOS

Saiba quem é e como está o ativista do PT que perdeu a mão ao atacar a PM de Brasília.


CUT, Fetraf, Andes, UNE e demais organizações aliadas, satélites  aparelhadas, sobretudo do PT, O PCdoB e Psol, arrebanharam gente em dezenas de cidades brasileiras. O editor conferiu uma das cidades gaúchas, São Lourenço do Sul, e constatou que dali saíram dois ônibus, um da Furg e outro da Fetraf-CUT. Neste caso de SC, 40 ônibus saíram para Brasília.

Vitor Rodrigues Fregulia, de 21 anos, estudante do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) de Araranguá, que perdeu parte da mão depois que estourou uma bomba de fabricação caseira que ia jogar na PM, já foi operado e sorri leve e solto no Hospital de Base de Brasília (foto ao lado). Ele é natural de Praia Grande, Araranguá, SC.


Fregulia é estudante de física e um dos integrantes do grupo de manifestantes que deixou Araranguá na manhã dessa terça-feira, dia 23, em direção à capital federal. 

De acordo com o jornal Correio Braziliense, um segurança da Câmara dos Deputados relatou que o jovem teria pego um artefato e tentado lançá-lo contra os Polícias Militares, que atuavam na região da Esplanada dos Ministérios. No entanto, segundo a assessoria da CUT, o jovem teria se ferido após pegar um rojão lançado pela PM, momento em que a explosão teria ocorrido. De acordo com a Polícia Militar, esta versão é "fantasiosa" e “praticamente impossível”. A corporação afirma que apenas um dos dois tipos de bombas utilizadas durante a manifestação pode causar lesões. O ferimento, no entanto, seria improvável porque os artefatos explodem muito rápido, com 1,5 segundo ou 3 segundos após serem lançadas, diz a PMDF. Ainda segundo a corporação, o outro tipo de bomba usada não poderia causar dano porque não explode.