MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Obama passou informações secretas para Cuba

  1. Comunismo

Obama passou informações secretas para Cuba

18 de maio de 2017 - 17:17:47

EUA: Obama ordenou que Inteligência compartilhasse informações confidenciais com Cuba

Foto: ABC NEWS
Há apenas um mês da eleição de 2016, Barack Obama assinou uma diretriz política ordenando que a comunidade de inteligência dos EUA compartilhasse informações confidenciais dos EUA com o governo comunista cubano, mesmo após um dos principais oficiais de inteligência dos EUA classificar Cuba como uma das maiores ameaças de espionagem contra os Estados Unidos.
A diretriz, emitida como parte dos esforços do governo Obama para normalizar as relações dos EUA com o regime de Castro, exigiu que o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional “trocasse informações sobre ameaças comuns com homólogos cubanos”.
“O Escritório do Diretor de Inteligência Nacional (DNI) apoiará esforços mais amplos do Governo dos Estados Unidos para normalizar as relações com Cuba, com elementos da Comunidade de Inteligência trabalhando para encontrar oportunidades de engajamento em áreas de interesse comum através das quais poderíamos trocar informações sobre ameaças mútuas com contrapartes cubanas “, afirmava a diretriz de Obama.
A administração Obama colocou alguma carne sobre os ossos da directiva de outubro de 2016, assinando um acordo com Cuba, em janeiro de 2017, para compartilhamento de inteligência sensível.
“O memorando assinado na segunda-feira comprometem EUA e Cuba a compartilhar informações, empreendendo investigações conjuntas e possivelmente estacionando funcionários policiais em cada um dos outros países”, informou a Associated Press (AP) poucos dias antes de Obama deixou o cargo. O relatório da AP caracterizou o acordo como uma “promessa de compartilhamento de informações com a segurança do Estado cubano”.
O jornal USA Today notou que Ben Rhodes, assessor de segurança nacional de Obama, estava fisicamente presente na cerimônia de assinatura do acordo de compartilhamento de inteligência entre os EUA e Cuba em 16 de janeiro de 2017.
Se, por um lado, o plano da administração Obama de compartilhar informações dos EUA com espiões cubanos teve imediata oposição de um punhado de membros republicanos do Congresso, por outro, recebeu pouca atenção da maioria das fontes de mídia dos EUA.
O New York Times, por exemplo, nem sequer mencionou o acordo controverso da partilha da inteligência com o governo de Castro em seu relatório de políticas de administração do governo Obama. Esse relatório foi publicado na primeira página do jornal na manhã seguinte à publicação da diretriz de Obama aos oficiais de inteligência.
Vários legisladores notaram, naquele momento, que o acordo poderia resultar no envio, da parte do governo comunista, de informações sobre os EUA ao Irã.
James Clapper, ex-diretor de inteligência nacional, testemunhou o Congresso apenas alguns meses antes de Obama fechar seu acordo com Cuba, que o regime de Castro representavam uma das principais ameaças de espionagem global contra os EUA.
“A seleção e coleta de informações políticas, militares, econômicas e técnicas dos EUA pelos serviços de inteligência estrangeiros continuam inabaláveis”, disse Clapper em declarações perante o Comitê de Serviços Armados do Senado, em fevereiro de 2016. “Rússia e China representam a maior ameaça, Irã e Cuba em menor escala “.
O deputado republicano Mario Diaz-Balart, membro cubano-americano do Congresso, caracterizou o acordo da administração Obama com Cuba como “imprudente, perigoso e contrário aos interesses de segurança nacional dos EUA”.

Sean Davis é o co-fundador do The Federalist, veículo no qual o presente artigo foi publicado originalmente.