MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

O CONCEITO SOCIALISTA DE LIBERDADE


O CONCEITO SOCIALISTA DE LIBERDADE 
                                    

                     Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
                                  Por Carlos I. S. Azambuja
 

     O texto abaixo foi escrito por Claude Frédéric Bastiat (Baiona30 de junho de 1801 — Roma24 de dezembro de 1850), economista jornalista francês. A maior parte de sua obra foi escrita durante os anos que antecederam e que imediatamente sucederam a Revolução de 1848. Nessa época, eram grandes as discussões em torno do socialismo, para o qual a França pendia fortemente. Como deputado, teve a oportunidade de se opor vivamente às idéias socialistas, fazendo-o através de seus escritos, em estilo cheio de humor e sátira.


Entre os economistas franceses, Frédéric Bastiat ocupa um lugar de destaque. Sua obra completa se compõe de sete volumes. Um princípio domina sua obra: A lei deve proteger o indivíduo, a liberdade e a propriedade privada. É desta forma que Bastiat analisa o funcionamento do Estado, esta "grande ficção através da qual todos se esforçam para viver às custas dos demais". Para ele, protecionismo, intervencionismo e socialismo são as três forças de perversão da lei.
                Carlos I. S. Azambuja
_______________________________
     
     Não se deve dar ao povo um pouco de liberdade?
     Segundo Victor Prosper Considerant (1808-1893), socialista utópico francês, a liberdade conduz fatalmente ao monopólio.
     Liberdade significa concorrência, mas, de acordo com Louis Blanc, a concorrência é, para o povo, um sistema de extermínio e, para a burguesia, uma causa de ruína. É por essa razão que os povos estão tanto mais exterminados e arruinados quanto mais livres, como, por exemplo, o povo da Suíça, da Holanda, da Inglaterra e dos EUA.  
     Não sabem que, sempre, segundo Louis Blanc, concorrência leva ao monopólio e que, pela mesma razão os preços baixos conduzem aos preços altos, que a concorrência tende a secar as fontes do poder de consumo; que a concorrência força o aumento da produção e, ao mesmo tempo, a diminuição do consumo? Que disso se segue que os povos livres produzem para não consumir; que a liberdade significa opressão e loucura entre os povos e que é absolutamente necessário que Louis Blanc seja parte delas?
     Idéias semelhantes às de Louis Blanc permeiam a história brasileira com resultados invariavelmente desastrosos. Uma delas é a de que é preciso combater as importações para que a invasão de produtos estrangeiros não resulte na falência das indústrias nacionais e no desemprego, isto é, em extermínio do povo e ruína da burguesia. A chamada Lei de Informática, por exemplo, promulgada em 29 de outubro de 1984, proibia a importação de computadores para, alegava-se, proteger a indústria nacional, garantindo-lhe uma reserva de mercado. Não apenas a indústria de informática nacional não se desenvolveu, como o Brasil, devido a essa Lei, foi um dos últimos países do mundo a conhecer os microcomputadores. Idéias e leis semelhantes ainda abundam. Ao comentar um grande aumento nos impostos sobre os importados, em janeiro de 2012, a revista Época afirmou: “Dilma está limitando de forma crescente a abertura implementada pelo ex-presidente Fernando Collor, no início dos anos 90, e mantida quase intacta por FHC e pelo próprio Lula, durante 16 anos. Em seu lugar, Dilma está ressuscitando a velha (e ineficiente) política de reserva de mercado, dos cartórios empresariais e da proteção indiscriminada à indústria nacional, praticada até então”. No entanto, o resultado de tanta proteção foi que a produção da indústria brasileira teve queda de 8,3% no ano de 2015. Foi o pior desempenho da atual série histórica da pesquisa do IBGE, iniciada em 2003.