MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Jair Bolsonaro e o pânico do “mecanismo”

Jair Bolsonaro e o pânico do “mecanismo”
Caros amigos
O projeto de poder do Foro de São Paulo pode ser resumido em cinco ações fundamentais, sintetizadas em cinco verbos: conquistar, comprar, permanecer, aparelhar e cooptar.
No Brasil, pela exacerbação da desonestidade do “Intelectual coletivo”, também chamado de “Moderno Príncipe” ou de “Partido dos Trabalhadores”, o caos e a corrupção vieram a furo antes da completa realização das ações fundamentais e, por via de consequência, os instrumentos da lei passaram a agir e a trazer à luz toda a sujeira escondida nos bastidores da trama.
O Congresso Nacional, posto a nu,  defende-se como pode. Voltado para si mesmo, busca desesperadamente e à sua maneira hipócrita e desonesta uma forma de livrar-se dos holofotes da Polícia Federal, do Ministério Público e da Justiça de Primeiro Grau.
O Supremo Tribunal Federal, carente de juízes, mas farto de advogados comprometidos com a “clientela”, procura manter a aparência de isento e, utilizando-se da sua reconhecida capacidade de retardar processos e de acobertar e favorecer bandidos poderosos, faz o que pode para encontrar uma solução que agrade ao seu eleitorado.
Na confusão do caos e do desespero, sobressai a figura do Deputado Jair Messias Bolsonaro, cada vez mais prestigiado pela sociedade por não se enquadrar no perfil da maioria dos congressistas brasileiros, isto é, não é demagogo, é honesto, é franco, diz o que pensa, não esconde o que faz e, principalmente, não é corrupto!
Trata-se de uma “mariposa em festa de sapo”, todos querem engoli-lo porque, enquanto ele existir e puder ser comparado à imundice de seus pares, mais admiração, fama e respeito acumulará junto ao eleitorado carente de representantes como ele.
Não é por outra razão que a desacreditada Suprema Corte, por intermédio do Ministro-Sapo Luiz Fux, ainda o mantém grudado em sua língua pegajosa como réu em duas absurdas ações – calúnia e apologia ao estupro -, movidas pela patética Deputada Maria do Rosário!
Todas as provas da sua inocência estão gravadas em vídeo, o que agrava  o absurdo, expõe a motivação política dos processos, desqualifica os interessados e revela o pânico que homens e mulheres como Bolsonaro  provocam nas “autoridades” comprometidas  com o mecanismo de exploração da sociedade brasileira (*)
Gen Bda Paulo Chagas