MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Reinaldo Azevedo ataca Bolsonaro e defende MBL: completa inversão da realidade

A coluna de Reinaldo Azevedo não só representa uma inversão total da realidade, mas joga lama na água dos acontecimentos, criando rótulos e misturando conceitos.

Esta postagem é um desabafo, mas também uma análise sobre o estado de coisas a que chegamos no Brasil. Como a maioria deve saber, em sua coluna de ontem (11), o jornalista Reinaldo Azevedo fez um duro ataque aos que criticam os movimentos pró-impeachment, colocando-os todos no mesmo saco de gatos, a que ele chama de ‘golpistas’ e ‘bolsonarianos’ [http://tinyurl.com/hscakrj].

A análise feita pelo jornalista, além de maliciosa, é completamente estapafúrdia. Julgamos que só pode ser fruto de uma profunda confusão mental, talvez um efeito colateral do seu trotskismo de juventude, o qual, segundo o próprio Reinaldo Azevedo, ainda lhe deixa marcas.
Vamos aos pontos:

1. Nem todos os que criticam o Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua (VPR) são 'bolsonarianos'. Entre os críticos do MBL e VPR há liberais clássicos, libertários, adeptos do conservadorismo britânico, "olavetes", católicos conservadores e, obviamente, intervencionistas, para ficarmos apenas no pessoal normalmente identificado como ‘direita’, mesmo que muitos deles odeiem esse rótulo.

2. O que Reinaldo Azevedo chama de 'bolsonarianos' nada mais são do que intervencionistas, e esses são ainda mais criticados pela mesma direita que se opõe a muitas ideias do MBL e do VPR.
3. Aliás, usar o termo 'bolsonariano' é pura estratégia de desinformação, que o jornalista da Veja, como ‘ex’-trotskista, certamente tem conhecimento para aplicar. Ora, é meio lógico que quem quer a volta do regime militar não pode considerar como legítimos qualquer representante do sistema vigente, o que inclui, obviamente, o deputado Jair Bolsonaro e seu filho, Flávio Bolsonaro, os quais, lembremos, foram eleitos democraticamente pela vontade soberana do povo.
E antes que venham as pedras de funda, ressaltamos que, ao contrário da dona Dilma, os deputados jamais enganaram a ninguém quanto à sua plataforma política, nem acobertam a sua trajetória de vida.
4. Mas por que atacar Bolsonaro? Que grande mal o deputado fez para o Reinaldo Azevedo ou para a Veja?
Não é novidade alguma que Jair Messias Bolsonaro atualmente é o único político que transita em qualquer Estado da Federação sendo ovacionado pelo povo. Vídeos comprovando isso existem às dezenas na Internet.
No entanto, o mesmo prestígio de Bolsonaro não tem um famoso senador social-democrata, que muitos dizem ser viciado em entorpecentes [http://tinyurl.com/oja7fey], e que simplesmente sumiu do cenário político ante o público brasileiro, mas ainda se presta a algumas agendas sociais, como comparecer em lançamento de livros de uma pessoa acusada de ter ligação com o narcotráfico [http://tinyurl.com/hxgqdm7], autor esse que já foi alvo de um pedido de CPI [http://tinyurl.com/gsqf5oj] por ser amigo de Elias Maluco e outros grandes bandidos [http://tinyurl.com/jlvybjv].
Seria mesmo uma lástima para a imprensa tucana que o neto de um político tradicional, que já representou a juventude esquerdista em congressos na União Soviética [http://tinyurl.com/zh774b5], de cujo partido lamentou não participar da Internacional Socialista [http://tinyurl.com/gsh4tdq], e que volta e meia ofende o PT chamando-o de ‘direitista’, perdesse as eleições para um 'fascistinha' (sic): Jair Bolsonaro, que, se chegasse à presidência, acabaria com as verbas destinadas a ONGs [http://tinyurl.com/gv9t466] promotoras da agenda leftlib (feminismo, abortismo, gayzismo, ecolatrismo, desarmamentismo, ideologia de gêneros etc.), que o pessoal da revista Veja ama.
Por décadas, o PSDB ganhou o voto dos direitistas. Mas as próximas eleições podem marcar uma diferença radical no eleitorado cativo dos tucanos. Pela primeira vez, desponta um candidato que realmente defende propostas alinhadas com os conservadores e liberais, os quais, sabemos, defendem bandeiras cuja maioria da população brasileira está de acordo.
O ataque ao deputado Bolsonaro é premeditado. Tem o objetivo de inviabilizar sua campanha à Presidência da República, e afastá-lo dos eleitores. A revista Veja, todos sabem, apoiará o candidato tucano ao pleito, seja ele Aécio Neves, de quem falamos acima, seja Geraldo Alckmin, aquele que recentemente fechou acordo com o MST [http://tinyurl.com/zva8xt5]
5. O MBL e, muito mais, o VPR, possuem ligações com ONGs e institutos globais, os quais, com franca tendência socialista-fabiana, promovem a agenda esquerdista no mundo inteiro [http://tinyurl.com/jnsadmz]. Ora, como direitistas vão dar apoio incondicional a quem trabalha para os maiores promotores da agenda progressista no mundo, como a Atlas Foundation, a Open Society Foudation e Cato Institute [http://tinyurl.com/hhpvpku]?
6. Aliás, falando em ONGs, corporações e agendas, por que a Veja e o senhor Reinaldo Azevedo não investigam Diálogo Interamericano, do qual participa o senhor FHC [http://tinyurl.com/zydl6km], a ex-ministra do STF indicada por FHC, Ellen Gracie Northfleet [http://tinyurl.com/hmj5csu], Marina Silva [http://tinyurl.com/gvc2kb9], Jorge Viana [http://tinyurl.com/gm9b74x], entre outros?
A organização, em 1993, firmou o famoso Pacto de Princeton, uma série de acordos para consolidar o poder do Foro de São Paulo na América Latina [http://tinyurl.com/nzu82ww]. Não sabe o senhor Reinaldo Azevedo que o Foro de São Paulo reúne entre suas fileiras ditadores e narcoterroristas? [http://tinyurl.com/jax4xlf]
Perguntamos: quem ameaça a democracia brasileira? Jair Bolsonaro, que quer se lançar a Presidente da República, ou um grupo de líderes de manifestações de massa, os quais são aconselhados por Hélio Bicudo (fundador do PT) e FHC, que compõe o Diálogo Interamericano, aliado histórico do Foro de São Paulo?
7. Que fique claro que, no tocante à defesa do capitalismo como sistema econômico mais viável que regimes comunistas e socialistas, não temos divergência do MBL e outros movimentos assemelhados. Porém, não podemos admitir as ideias manifestas pelo MBL e VPR no que consta à agenda cultural, que é a mesma da esquerda.
Além dos pontos de vistas divergentes na esfera cultural, estão as diferenças estratégicas do uso e fins das manifestações de ruas. Na ótica de grande parte da direita, os movimentos pós-15 de março, sobretudo a "Marcha para Brasília", foram um fiasco e um desserviço ao programa político 'mudancista'.
A busca de aliança com comunistas históricos resultou em nada, e se converterá em pizza, pois, desde o início, as lideranças a que o MBL e VPR buscaram conselho já manifestavam sua total falta de disposição em acabar com o status quo [http://tinyurl.com/h4mj6dk][http://tinyurl.com/gwn4ypw].
E por que não querem mudar com o status quo atual? Simples. O PSDB não quer o fortalecimento da direita, nem mesmo uma agenda liberalizante. Os tucanos buscam apenas usar os movimentos de rua para tomar o vácuo de poder deixado pelo PT e figurarem como a esquerda salvadora do país. Quem diz isso é o próprio Boris Fausto, superintendente executivo do Instituto Fernando Hernique Cardoso [http://tinyurl.com/nodabhf].
8. Todos esses fatos só servem para tornar claro e cristalino o analfabetismo tático dos líderes dos movimentos de rua oposicionistas, comprovando a tese de que só procuram se promover, utilizando o povo indignado com os problemas reais que lhes afligem.
Não existe uma ‘direita golpista’ e uma ‘direita democrática’. Há apenas pessoas que conhecem a situação e sabem o que está acontecendo com o Brasil, e vários movimentos ideológicos que servem de massa de manobra para a esquerda antidemocrática, a única existente no Brasil.
Foi nesse sentido que o filósofo Olavo de Carvalho corrigiu Reinaldo Azevedo quando disse que o valor de um movimento não se julga pelo que ele diz representar, mas pelo que ele de fato representa [http://tinyurl.com/gsbdmoj]. Ou seja, não importa o que você diz que faz e o que diz que quer, mas sim a quem você, efetivamente, está servindo.
Concordamos com o professor Olavo de Carvalho em sua análise, não porque sejamos seguidores fanáticos membros de uma seita, como costumam acusar seus alunos, mas porque o que ele diz está em consonância com os fatos. E, como se sabe, contra fatos não há argumentos.
Não se trata, portanto, de uma diferença de opinião, nem, muito menos, uma tentativa de dividir forças. A verdade não se divide. Ou a mantemos, ou migramos para a mentira.
Por tudo isso, concluímos afirmando que a coluna de Reinaldo Azevedo não só representa uma inversão total da realidade, mas joga lama na água dos acontecimentos, criando rótulos e misturando conceitos.
O jornalista está totalmente equivocado quanto ao assunto que tentou tratar e, por isso, apelou para a acusação histérica e irracional. Partindo de um ex-trotskista, de forma alguma estamos impressionados com essa atitude.

Publicado no Canal da Direita.