MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

MINISTRO DAS COMUNICAÇÕES REITERA CRONOGRAMA DE LANÇAMENTO DE SATÉLITE BRASILEIRO


tele.síntese
7 de janeiro de 2016

MINISTRO DAS COMUNICAÇÕES REITERA CRONOGRAMA DE LANÇAMENTO DE SATÉLITE BRASILEIRO

Lançamento deve acontecer entre setembro deste ano e fevereiro de 2017, afirma o Minicom
Da Redação
O Ministro das Comunicações, André Figueiredo, afirmou hoje, 07, que o cronograma para lançamento do satélite geoestacionário de defesa e comunicações estratégicas (SGDC) será seguido. “Vamos seguir os cronogramas de instalação e investimentos para lançar, até 2017, esse equipamento”, disse, durante visita ao 6º Comando Aéreo Regional (COMAR), em Brasília (DF). Ali ficarão o campo de antenas e a estrutura provisória do centro de comando e controle do satélite.

Construído pela Thales Alenia Space (TAS), empresa franco-italiana, e supervisionado pela Visiona, parceria entre a Embraer e Telebras, o equipamento, orçado em R$ 1,7 bilhão e previsto para ser lançado entre setembro de 2016 e fevereiro de 2017, atenderá as demandas do Plano Nacional de Banda Larga e de comunicação do Ministério da Defesa.

O SGDC terá capacidade de transmitir 54 gigabits por segundo. Além de servir como canal para as comunicações sensíveis do governo, a banda Ka do satélite – que corresponde a 75% da sua capacidade – será usada também para ampliar a oferta de internet. Todo o território brasileiro estará coberto pelo sinal do equipamento. Segundo a Telebras, será possível levar internet de alta performance a municípios brasileiros onde existe limitação física de acesso, incluindo a região da Amazônia Legal e o arquipélago de Fernando de Noronha. O satélite permitirá ainda a extensão da oferta de internet a mais de mil cidades onde a rede terrestre da estatal – rádio e fibra óptica – não é suficiente para atender toda a população.