MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Fórum de Davos faz dois alertas aos emergentes

Valor Econômico - 21/01/2016 05:00

Fórum de Davos faz dois alertas aos emergentes

Por
 
O Fórum Econômico Mundial, encontro anual que reúne nesta semana executivos, acadêmicos, investidores e autoridades econômicas e políticas na cidade de Davos, na Suíça, traz dois recados para os emergentes. Um é conjuntural. O outro, estrutural. E ambos preocupam.
Em primeiro lugar é preciso destacar o pessimismo com relação à economia global, evidenciado na pesquisa com 1.409 CEOs realizada pela PwC e divulgada no Fórum. Segundo o levantamento, a confiança dos principais executivos mundiais está no menor nível em três anos.
Esse pessimismo se acentua em relação aos emergentes, que enfrentam vários choques simultâneos: desaceleração da demanda chinesa, queda nos preços das principais commodities, desvalorização das moedas, a alta dos juros nos EUA, aperto no crédito, fuga de capitais. Além disso, há o risco, ainda difícil de avaliar, de uma desaceleração simultânea nos EUA e na Europa neste ano.
A demanda chinesa não deverá aumentar, e os juros americanos continuarão a subir, de modo que a pressão sobre os emergentes se manterá por um bom tempo ainda.
Esse é o primeiro recado de Davos aos emergentes: a crise  possivelmente será mais longa do que muitos hoje estão
prevendo.
Essas dificuldades fizeram o FMI reduzir nesta semana as suas estimativas de crescimento da economia mundial para 2016, puxadas para baixo principalmente por conta da freada dos emergentes.
No caso do Brasil, o Fundo se alinhou à faixa mais pessimista das estimativas de mercado, ao prever queda de 3,5% do PIB neste ano e crescimento zero no ano que vem.
Mas o Fórum de Davos propõe também uma análise de mais longo prazo: uma mudança estrutural está em andamento na economia mundial, que seria o início da já chamada Quarta Revolução Industrial.
É complexo definir essa revolução, mas ela aprofundaria elementos da Terceira Revolução, a da informática e TI, e faria uma "fusão de tecnologias, borrando as linhas divisórias entre as esferas físicas, digitais e biológicas", como escreveu Klaus Schwab, o fundador e presidente executivo do Fórum.
Esses avanços, segundo ele, vão da robótica à nano e biotecnologia, da inteligência artificial à computação quântica, do Big Data aos veículos autônomos e novos materiais.
Schwab acredita que essa nova revolução afetará todos os setores da economia e todas as regiões do mundo. Mas não do mesmo modo. Haverá ganhadores e perdedores.
O segundo alerta do Fórum Econômico é que muitos dos emergentes, incluindo o Brasil, poderão estar no rol dos perdedores.
Essa Quarta Revolução Industrial deverá favorecer os países mais desenvolvidos, que detêm a tecnologia, a capacidade de inovação, a mão de obra qualificada, a cultura de integração, a infraestrutura e o capital necessário para os pesados investimentos.
Favorecerá assim, diz o Fórum, aqueles países que hoje são mais intensos em capital, em detrimento dos que hoje são mais intensos em mão de obra barata, que será aos poucos substituída por sistemas e robôs.
O país mais à frente nesse processo talvez seja a Alemanha, onde governo e empresas já estudam e se preparam para essa transição há anos. Isso pode ser uma das razões que explica a resiliência da economia alemã durante todos esses anos de crise. EUA e China também liderariam esse movimento.
Alguns emergentes mais integrados ou estrategicamente bem posicionados, como México, Turquia e Índia podem também se beneficiar de tais mudanças, diz o Fórum.
Na outra ponta estão outros emergentes de nível tecnológico médio, como Brasil, África do Sul e países do Sudeste Asiático, que tendem a sair perdendo. Correm ainda esse risco alguns países ricos menos preparados, como a Itália.
O Fórum calcula que mais de 7 milhões de empregos podem ser eliminados por conta de inovações tecnológicas até 2020. Basta pensar em táxis, ônibus e veículos de transporte de carga sem motoristas.
Por outro lado, cerca de 2 milhões de novos empregos seriam criados nos setores que se beneficiarão das mudanças tecnológicas, mas principalmente nos países mais avançados.
Crescimento baixo no curto prazo e uma mudança de paradigma econômico global de médio e longo prazos constituem um duplo desafio, difícil de administrar para o mundo emergente. Se isso não ocorrer, alguns emergentes vão se distanciar mais dos países ricos. Parte desse mundo pode submergir.