MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

DELEGADOS DIZEM QUE HÁ ‘DESMONTE DA PF’

DELEGADOS DIZEM QUE HÁ ‘DESMONTE DA PF’
Manifesto critica cortes no orçamento; ministro nega sucateamento e promete
relatório com gastos

SÃO PAULO E BRASÍLIA
Delegados da Polícia Federal voltaram a reclamar do governo federal e dos cortes no
orçamento do órgão. Em manifesto divulgado ontem, eles se dizem indignados com o
tratamento recebido, em especial do Ministério do Planejamento, e afirmam que está
em curso a chamada “operação desmonte da Polícia Federal”. Os delegados dizem
que a redução de investimentos ocorre há anos e que faltam recursos para atividades
rotineiras, como aluguel e conta de energia.
“Diante desse cenário, os delegados de Polícia Federal se veem obrigados a levar à
sociedade o sentimento de que pode estar em curso o que já se denomina ‘operação
desmonte da Polícia Federal’, para que todos os brasileiros permaneçam atentos e se
engajem na defesa da instituição mais bem avaliada do país”, diz trecho do manifesto.

ASSEMBLEIAS EM TODO O PAÍS
Anteontem, os delegados fizeram assembleias pelo país para tratar de reajuste
salarial e autonomia da instituição. O manifesto ainda não teve a chancela da
Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), mas alguns
delegados já estão divulgando o texto. “Somente com a garantia de autonomia
orçamentária, financeira e funcional a Polícia Federal estará imune às situações
nesse manifesto descritas”, diz trecho do documento.
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a quem a PF é subordinada, nega que
haja um sucateamento da PF.
— Estamos preparando aqui um relatório do Ministério da Justiça, e a direção da
Polícia Federal está preparando outro, mostrando que não há sucateamento da
Polícia Federal. Ele vai ficar pronto Isso será divulgado amanhã (hoje). Vou mandar
uma carta à APDF mostrando que não há sucateamento, mostrando a elevação do
orçamento que houve no último período. A demonstração da comparação em relação
a outros órgãos do Ministério da Justiça. A Polícia Federal foi favorecida. Tudo isso
será demonstrados à Associação dos Delegados — disse Cardozo.
O manifesto dos delegados foi mais um capítulo da guerra de versões sobre a
liberação de verba do Ministério da Justiça para a Polícia Federal. Após o ministro da
Justiça, José Eduardo Cardozo, ter garantido na última terça-feira que a
Superintendência da PF no Paraná devolveu ano passado R$ 3 milhões (a assessoria
de imprensa da PF informou ontem que o valor correto é R$ 1,4 milhão), a polícia
paranaense garantiu que não fez essa devolução.
Em novembro do ano passado, os policiais paranaenses pediram ao juiz Sérgio Moro a liberação de R$ 172 mil, recuperados pela Justiça, para pagar contas de luz e consertos de carros. Moro concordou, alegando que a falta de verba ameaçava a continuidade da Operação Lava-Jato.
No despacho em que liberou os recursos para a PF do Paraná, Moro disse que as investigações não poderiam ser “interrompidas por falta de dinheiro para despesas básicas”. O ministro da Justiça, no entanto, disse que pode ter havido um “contingenciamento normal”, mas negou que tenha havido falta de verba:
— Não faltou verba nenhuma. Tanto que a Superintendência do Paraná devolveu R$ 3 milhões no final do ano passado — afirmou Cardozo em entrevista ao GLOBO na terça-feira,
“Contrariamente ao que foi divulgado pelo ministro da Justiça, não ocorreu a devolução de tal montante e a aceitação dos valores repassados pela Justiça Federal deu-se em face da real necessidade por parte da Polícia Federal no Paraná, vez que o não pagamento das despesas vencidas poderia acarretar prejuízos irreparáveis”, diz a nota assinada pelo presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Federal no Paraná, Algacir Mikalovski, e por Jorge Luiz Fayd Nazário, diretor da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal no Paraná.
Na guerra de versões, a direção nacional da Polícia Federal acabou por responsabilizar o Congresso e o deputado Ricardo Barros (PP-PR), relator-geral do Orçamento de 2016, pelos cortes de verba do órgão, isentando de culpa o Ministério da Justiça.

RELATOR DO ORÇAMENTO REAGE
Em nota, a PF informou que o diretor-geral da corporação, Leandro Daiello, se reuniu com o secretário executivo do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira. Segundo a PF, Marivaldo pediu ao Ministério do Planejamento a recomposição do orçamento “para que não ocorra nenhum prejuízo às operações e projetos de melhoria e desenvolvimento da PF”.
O relator do Orçamento reagiu ontem: “Este relator nunca foi procurado por interlocutores do MJ (Ministério da Justiça), da PF ou da ADPF para tratar do assunto. Durante a tramitação da LOA (Lei Orçamentária), diversos chefes de poder, ministros governadores, representantes de associações/sindicatos e assessores o procuraram para discutir o orçamento, sendo todos recebidos e por meio de negociações políticas ajustes foram promovidos”, disse em nota.