MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

ARGENTINA, NOVA DIREÇÃO

FOLHA DE S. PAULO

EDITORIAL - 2/1/2016
ARGENTINA, NOVA DIREÇÃO
Passado pouco mais de um mês de sua eleição, o novo presidente da Argentina, Mauricio Macri, já delineia com clareza a política econômica de seu governo.
Macri optou por verdadeira terapia de choque no início de seu mandato, com vistas a desmontar o intervencionismo que marcou o período do casal Kirchner no poder.
Ao mesmo tempo, o presidente busca promover um entendimento com sindicatos e empresários, no intuito de minorar os impactos sobre a população e, assim, manter apoio para reformas de fôlego.
Entre as principais medidas está a eliminação do imposto sobre a exportação de produtos agrícolas e industriais, com exceção da soja. A mudança deve incentivar a venda de estoques, reforçando as reservas internacionais.
Outra ação importante é a redução dos controles sobre a compra de dólares, como a necessidade de licença prévia das autoridades. Espera-se destravar o comércio e regularizar pagamentos em atraso, inclusive com empresas brasileiras.
A liberalização do mercado de câmbio provocou desvalorização imediata de 30% do peso, mas a derrocada da moeda foi menor do que se temia, sinal de incipiente confiança dos investidores.
O desafio principal, porém, está no campo do Orçamento, no que o desastre argentino difere pouco do que se passa no Brasil. O deficit público beira os 7% do PIB, em grande parte por causa de subsídios, sobretudo no setor de energia.
No curto prazo, tais medidas devem gerar mais inflação, que já caminha a 25% ao ano. Evitar uma espiral inflacionária será a prova de fogo da nova política econômica.
Para o Brasil, a chegada de Macri representa uma lufada de ar fresco. Superar o desgaste dos últimos anos e dinamizar o comércio será importante para a indústria. A Argentina, afinal, ainda é o segundo maior comprador de manufaturados brasileiros (17% do total).
Em visita ao Brasil em dezembro, o presidente argentino anunciou a intenção de destravar as amarras ideológicas que paralisam o Mercosul e expressou o desejo de concluir as negociações que já duram 15 anos com a União Europeia.
Eis uma janela para o Brasil adotar a mesma agenda de abertura. A arquitetura dos acordos comerciais mudou, com a perda de influência do multilateralismo da OMC (Organização Mundial do Comércio) e a proliferação de pactos regionais.
Quanto ao Mercosul, é preciso que o bloco proporcione efetiva ampliação do comércio da região com o restante do mundo, deixando de ser mero espaço protecionista.
Ao mesmo tempo, sem abrir mão do bloco, o Brasil deve ter suficiente autonomia para conduzir sua abertura no ritmo e na profundidade adequada. Nesse sentido, o status atual do Mercosul –uma união aduaneira, que implica adoção de tarifa comum nas transações com países de fora do grupo– deve ser revisto.