MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Comando da Força Terrestre: com uma "gauchada", para começar...

Comando da Força Terrestre

 Em Terça-feira, 27 de Janeiro de 2015 16:06, Péricles da Cunha  escreveu:
 
O jornal Zero Hora publicou (24/1/2015, pág.8) matéria apresentando os “quatro comandantes da área da Defesa”, dos quais três são gaúchos e como não poderia deixar de ser, colorados: os generais De Nardi e Villas Bôas e o brigadeiro Rossato.
Fixei-me na entrevista do general Villas Bôas pelo interesse em saber o que pensa aquele que vai comandar o nosso Exército nos próximos anos, porque estou convicto que das suas decisões sairão os rumos que nos levarão ao exército dos nossos sonhos ou a um pesadelo de indesejáveis consequências.
Nesta entrevista o repórter perguntou ao general Villas Bôas se realmente era um conciliador e a sua resposta: “Meu perfil não difere do militar moderno. A inteligência emocional é o mais importante, foge do estereótipo do militar carrancudo e autoritário. Os relacionamentos são importantes. Hoje, não se consegue comandar só com base na hierarquia e na disciplina. Tem que haver liderança”.
Depois desta resposta e do que já li sobre o general, ficou-me a impressão de que uma das suas preocupações é estabelecer um corte no Exército entre o antes e o depois da sua entrada na cena, entre o “militar carrancudo e autoritário” que comandava “com base na hierarquia e na disciplina” e o “militar moderno” que não consegue comandar somente com base na hierarquia e na disciplina.
Diz a general que a “inteligência emocional é o mais importante, foge do estereótipo do militar carrancudo e autoritário” e a impressão que passa é que “inteligência emocional” é algo novo, como os drones, por exemplo, que os militares de antanho não dispunham no seu arsenal de recursos para comandar. Ora, as competências de inteligência emocional sempre existiram, não foram criadas, mas mapeadas e deram origem a uma enxurrada de livros de auto-ajuda e contam, inclusive, com outras palavras nos princípios gerais do nosso RDE, como obrigação do militar para aprimorar suas relações sociais: civilidade, respeito, deferência, bondade, camaradagem, cortesia e consideração.
​ 
O que o general não pode é se contaminar com aquela cultura do deslumbramento que predomina no Partido dos Trabalhadores e que leva a achar que tudo que agrada aconteceu depois que eles chegaram ao poder e, o resto, é a herança maldita dos séculos que ficaram para trás, desde que Cabral aqui aportou.
Quanto aos relacionamentos: segundo o general os “relacionamentos são importantes”, mas não era o forte dos militares carrancudos e autoritários. Discordo! Criado em vilas militares posso assegurar que esta pecha que o general quer colocar nos militares mais antigos é injusta. Nossos pais comandaram não só respeitando os superiores hierárquicos, mas tratando com afeição os irmãos de armas e com bondade os subordinados. Dou como exemplo meu pai que enfrentou a Legalidade e a Revolução de 64 comandando um regimento da Cavalaria, no interior do RS, “com a tropa na mão”, sem problemas e contando sempre com o respeito e a amizade de todos. E o meu pai não era a exceção. As exceções eram os poucos “militares carrancudos e autoritários” que sempre existirão.
Quanto ao relacionamento externo, acho que ninguém discorda que o sucesso em qualquer atividade depende, em muito, da network que se consegue montar. Agora pergunto: mas que tipo de relacionamento? Aquele com políticos que fornecem uma visão distorcida do Brasil real e que só serve para fortalecer lobbies ou o relacionamento que existia (e que não existe mais) entre lideranças civis e os militares carrancudos e autoritários, nos clubes da sociedade civil, nos clubes de serviços, nos sindicatos e associações patronais e que permitiam que os comandos das FFAA tivessem uma visão do Brasil real e que se criasse uma empatia nacional que resultou, em 1964, no sucesso da intervenção militar?
Esta visão de “militar moderno” de um lado e de “militar carrancudo e autoritário” do outro, somente serve para aqueles que querem romper com a unidade do Exército. A força do nosso Exército vem da unidade que sempre existiu entre a Ativa e a Reserva. Sempre achei que a Reserva prestigiada e trabalhando em sintonia com a Ativa pode fazer aquela revolução que as armas já não fazem, a revolução silenciosa, dentro da lei. Hoje quem está com as armas adequadas não é mais a Ativa, mas a Reserva que está espalhada pelo território nacional e sintonizada nos mesmos princípios que foram inoculados em todos nós, militares, modernos ou carrancudos e autoritários.
Agora, isso somente seria possível se conduzido por alguém que venha para ser o nosso comandante e não o comissário de um partido que nos vê como óbice ao seu projeto de se perenizar no poder.
Peço a Deus que o general Villas Bôas reflita sobre isso e que tenha todo o sucesso, pois dele dependerá o futuro do nosso Exército.
​ 
Péricles

Doutrinação Marxista nas escolas do Brasil

Siga Félix Maier no Twitter:
https://twitter.com/fmaier50


Doutrinação Marxista nas escolas do Brasil

E o pior é que tem muita gente CÍNICA ou burra, que nega esses fatos, e dizem que isso não existe mais... e adoram acusar quem denuncia isso de teórico da conspiração.
Ora ora...

 
Vejam isso:

E AGORA ?
O QUE OS BOÇAIS DA EDUCAÇÃO IRÃO DIZER?


VEJA MAIS AQUI:

 
Vejam mais coisas e se estarreçam:
 
Quem disse que a esquerda não domina a política?

Defesa tem nova Secretária-Geral

Defesa tem nova Secretária-Geral

(fonte: http://montedo.blogspot.com.br/)

 

Eva Chiavon é a nova secretária-geral da Defesa (Imagem: Jorge Cardoso-AsCom/MD)

Jaques Wagner empossou nesta segunda-feira a nova secretária-geral do Ministério da Defesa. Eva Maria Cella Dal Chiavon assumiu o cargo em substituição a Ari Matos Cardoso.

Em sua fala, Wagner afirmou que "o Doutor Ari vai carregar consigo a honrosa designação de ter sido o primeiro secretário-geral do Ministério. E a doutora Eva também carregará, quando terminada a sua missão, de ser a primeira mulher secretária-geral da Defesa".

Eva Chiavon foi secretária-executiva em quatro ministérios. Antes de vir para a Defesa, exerceu a função nos Ministérios do Trabalho; Secretaria de Relações Institucionais; Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social; e Planejamento, Orçamento e Gestão. Entre janeiro de 2007 e outubro de 2011, ocupou o cargo de secretária da Casa Civil do Governo da Bahia.

Natural de Chapecó (SC), a secretária geral é graduada em Planejamento Estratégico Público Participativo e Enfermagem e Obstetrícia, com especialidade em Saúde Pública.


Conhecida na Bahia como "madrinha da TWB", Eva Chiavon lembrou que "o campo de atuação e a ação articuladora da Secretaria-Geral permeiam ações governamentais, como por exemplo, as áreas de orçamento, pessoal, ensino, saúde, indústria de defesa e de desenvolvimento e proteção da Amazônia". Salientou a necessidade de continuar a parceria com os outros ministérios na "busca de soluções viáveis que garantam ao Ministério da Defesa as condições objetivas, tanto organizacionais, quanto orçamentárias que a estatura política-estratégica do Brasil necessita".

“Cabe ressaltar que a Defesa, por sua importância, dimensão e impacto na sociedade é um dos setores estruturantes do país, em especial, nas áreas espacial, cibernética e nuclear", finalizou a catarinense.

Saiba mais sobre a TWB, empresa que explorou o  sistema de ferry boat que opera na orla de Salvador.

Com informações do Ministério da Defesa

Postado por blog montedo.com às 07:10 http://img1.blogblog.com/img/icon18_email.gifhttp://img2.blogblog.com/img/icon18_edit_allbkg.gif 

Efetivamente, não foi para essas aberrações que o Ministério da Defesa foi criado; era só uma jogada política do FHC para agradar os EUA e retirar os militares de suas reuniões ministeriais.  Mas os diferentes “comandantes” das Forças foram aceitando, aceitando mais, ...  e, agora, é esse festival de barbaridades ( caríssimas e desmoralizadoras!) e desatinos !  Este novo “Ministro”, é mais um sob acusações de corrupção – coisa incompreensível nos ambientes de Chefia militar.

Envergonhados abraços,

César Souza

Obs.: Não deixe de ler os comentários postados no blog do Montedo.

Hoje Jean Wyllys impede curso para pastores, amanhã mandará fechar igrejas

Hoje Jean Wyllys impede curso para pastores, amanhã mandará fechar igrejas

Joel Engel
A tentativa do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) de impedir um curso para pastores ministrado pelo ex-homossexual Claudemiro Ferreira é uma mostra absurda da ditadura ideológica que o parlamentar está disposto a impor caso mantenha sua influência sob o Governo.
O curso previsto para acontecer entre os dias 19 e 23 do presente mês foi interrompido pela Justiça após o parlamentar – homossexual assumido e principal opositor da cultura judaico-cristã no país – ter denunciado ao Ministério Público do Distrito Federal (MP-DF) que o curso tratava a homossexualidade como “doença”.
Os palestrantes Airton Williams e Claudemiro Soares foram intimados pelo Ministério Público a comparecer no Núcleo de Enfrentamento a Discriminação durante o evento em Brasília. Contra eles, foi feita por Wyllys uma acusação sobre “charlatanismo”. Uma denúncia absurda, já que o tema do evento não tem qualquer perspectiva de ter discurso de intolerância ou homofobia.
Wyllys está agora disposto a tudo para impedir e influenciar nos trabalhos das igrejas cristãs. Talvez seja por isso que o parlamentar seja favorável ao ensino do islamismo nas escolas públicas do Brasil. Se as lideranças não reagirem agora ninguém poderá impedi-los de interromper outras reuniões para intimar pastores a depor.
O fato é que há movimentos querendo impedir que a verdade seja pregada no Brasil. O cartaz do evento dizia somente: “Homossexualismo: ajudando, biblicamente, a prevenir e tratar aqueles que desejam voltar ao padrão de Deus para sua sexualidade”. Agora é crime no Brasil ensinar que a homossexualidade é pecado? É justamente o que o deputado deseja, que a opinião contra a prática seja criminalizada, instaurando uma ditadura moral.
Wyllys, por exemplo, sente-se no direito de defender a prostituição como prática exemplar para a sociedade, inclusive apresentou um projeto para que as prostitutas tenham os mesmos direitos de trabalhadores comuns. Mas os cristãos não tem o direito de se posicionar contra a homossexualidade? Isso é revoltante. Mordaça, ditadura ideológica, autoritarismo e imposição é coisa de nazistas.
Não aceito ditadura ideológica, mordaça ou gueto, nem para mim nem para ninguém, nem para o crente nem para o ateu, nem para o heterossexual nem para o homossexual. Se qualquer pessoa tem o direito de defender o aborto, o uso de drogas, práticas criminosas, tem gente até favorável a pedofilia, e o Ministério Público não interfere, nós cristãos temos o direito de oferecer ajuda para homossexuais que queiram deixar essa prática.
O deputado gosta de acusar os cristãos de preconceituosos e fundamentalistas. Lenin quem disse: “Xingue-os do que você é, acuse-os do que você faz.” Wyllys é um oportunista que tenta  manter seu nome em alta as custas de perseguir e intimidar cristãos Brasil a fora.
Se nos calarmos agora, se os cristãos aceitarem essa imposição ideológica, devem estar preparados para verem pastores e padres sendo presos acusados de homofobia por pregar contra o pecado da prática homossexual em suas igrejas. Temos que dar uma resposta à altura a esse episódio.
O Ministério Público recuou na denúncia, decidiu arquivar o caso por não haver indício de discriminação após o depoimento de um dos palestrantes, que levou o promotor a conclusão óbvia: o curso é voltado para lideranças evangélicas interessadas em acolher homossexuais.
Nós cristãos precisamos aprender a enfrentar a apostasia e lutar contra a influência do mal na sociedade moderna. Precisamos nos posicionar em defesa do evangelho. Em Salmos 2:8 diz: “Pede-me, e te darei as nações como herança e os confins da terra como tua propriedade”. Deus está disposto a nos entregar essa nação, para que o mundo testemunhe da sua glória, mas precisamos estar dispostos a nos posicionar contra a apostasia, o pecado, a depravação moral, o anti-cristo.
O que se insinua é que as pessoas podem escolher agir por qualquer motivo, menos pela fé. Isso é puro preconceito, intolerância religiosa, perseguição, cristofobia, violação dos direitos humanos, dos direitos constitucionais que nos garantem a livre manifestação de culto. O cristão deve ser sal e luz para o mundo e deve apontar o temor do Senhor e seus mandamentos como dever de todo o homem (Eclesiastes 12:13).
Ateus tem o direito de se manifestar contra a fé, mas não de tentar impedir a manifestação de culto. Se aceitarmos essa imposição ideológica, em breve nossas escolas de obreiros e escolas bíblicas dominicais serão fiscalizadas por órgãos públicos para ter seu conteúdo aprovado.
Fonte: GospelPrime
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

Vitória de Pirro - A luta apenas começou

Vitória de Pirro - A luta apenas começou
 
Rodrigo Constantino

 Após a batalha de Ásculo, o rei Pirro, ao felicitar seus generais depois de verificar as enormes baixas sofridas por seu exército, teria dito que com mais uma vitória daquelas estaria acabado.

 Desde então, a expressão "vitória de Pirro" é usada para expressar uma conquista cujo esforço tenha sido penoso demais. Uma vitória com ares de derrota. Eis a sensação dessa vitória apertada de Dilma na reeleição.
O Brasil está claramente dividido. A máquina estatal foi colocada a serviço do projeto de poder do partido.

Houve denúncias de crime eleitoral, claro terrorismo com os dependentes dos programas assistencialistas, ameaça aos funcionários públicos. As baixarias usadas pela campanha da presidente, antes contra Marina e depois contra Aécio Neves, entrarão para a história como as mais sórdidas da nossa democracia.Bem que Dilma tinha avisado que faria “o diabo” para vencer. Fez mesmo.

E metade do país — a metade mais esclarecida e honesta — ficou estarrecida com o que viu. Nunca antes na história deste país se apelou tanto. O Brasil foi segregado. O “nós contra eles” virou o mantra daqueles que tentam monopolizar o discurso em defesa dos pobres, mas atendem, na verdade, aos interesses de uma elite corrupta e carcomida.

Os velhos caciques nordestinos celebraram, assim como Maluf e os mensaleiros presos na Papuda.

O tirano Fidel Castro também deu pulos de alegria, assim como Nicolás Maduro.

Kirchner, que vem destruindo a Argentina de forma acelerada, talvez com inveja da capacidade destrutiva do camarada venezuelano, foi outra que vibrou com a reeleição.

As urnas deram um resultado legal, apesar de denúncias de fraude que deveriam ser averiguadas. Mas qual a legitimidade de uma vitória tão apertada conquistada somente com base nas táticas mais pérfidas e imorais que existem?

É uma vitória que colocou boa parte da classe trabalhadora de luto. Aqueles que pagam as contas do populismo petista. Aqueles que não suportam mais tantos impostos, tanta demagogia, tanta roubalheira.

A presidente Dilma falou em união em seu discurso de vitória, mas soa muito falso, não convence. Como ignorar todo o racha fomentado durante sua campanha indecente? Fingir que nada ocorreu é impossível. O país chega completamente partido ao meio por obra do próprio PT, que sempre precisou de inimigos e jamais colocou os interesses nacionais acima do seu projeto de poder. Além disso, Dilma terá a verdadeira “herança maldita” agora pela frente.

 Não dará mais para culpar o governo de FHC ou a “crise internacional”, que faz os nossos pares emergentes crescerem o dobro da gente com a metade da taxa de inflação. O que vem por aí — e não será nada bonito de se ver — será colocado totalmente na conta da “presidenta”. Não haverá mais bodes expiatórios.

A economia, hoje estagnada, vai piorar ainda mais. A inflação, hoje muito elevada, vai subir ainda mais. O desemprego vai subir. A Petrobras, hoje pilhada, será finalmente destruída. E a roubalheira vai seguir seu curso, com a metade dos eleitores cúmplice, conivente. As conquistas sociais estarão em risco, e talvez a esquerda finalmente aprenda que não há dicotomia entre pobres e ricos, entre social e economia. Nossas frágeis instituições serão testadas ao limite. Dilma herda um escândalo jamais visto, com evidências de desvios bilionários na maior estatal do país, e com o doleiro do próprio partido afirmando que ela e Lula sabiam de tudo. Se a denúncia for confirmada, um processo de impeachment não está descartado. Collor, hoje aliado do PT, caiu por muito menos.

Metade do Brasil finalmente acordou. Os anos de lulopetismo serviram ao menos para isso: despertar a indignação daqueles que são obrigados a pagar a fatura da irresponsabilidade, da incompetência e da corrupção do PT. Estamos cansados. Estamos de luto. E estamos, acima de tudo, vigilantes, atentos, de olho nos próximos passos do governo, que flerta abertamente com regimes opressores que censuram a imprensa independente.

A reação odienta e raivosa de muitos petistas, mesmo vencedores, demonstra como estão inseguros, tensos. Afinal, o Brasil ainda não é uma Venezuela.

Temem ainda a punição legal por tantos anos de falcatruas, por terem permitido que uma quadrilha se instalasse dentro de nossas empresas e instituições.

A oposição acordou. Está mais organizada e tem líder. E não vai assistir passivamente à pilhagem do nosso Estado.

A luta apenas começou. E a vitória deles foi com gosto de derrota, pois sabem que vem chumbo grosso por aí. Quem pariu Mateus que o embale...

Rodrigo Constantino é economista

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Fraudes nas urnas - Depoimento de Auditora


Fatos sobre a invasão que sofremos

Fatos sobre a invasão que sofremos

Quando um GRUPO INIMIGO INVADE um país, SEMPRE executa certas ações, tais como:

1) Desarma a população

2) Desacredita as Forças Armadas em tribunais revanchistas ao estilo Nuremberg, levando à sua completa desmoralização, deixando-as de mãos atadas e sem chance de reagir

3) Saqueia recursos do povo invadido, que são levados para outros países

4) Cria impostos, taxas, aumentas as existentes, em uma AÇÃO DE CONFISCO, para CUSTEAR a operação de ocupação 

5) Acaba com a soberania nacional, abrindo as fronteiras a seus comparsas, além de promover a total impunidade dos agentes do GRUPO INIMIGO, blindando-os contra possíveis represálias por seus atos criminosos.

6) Menospreza, descumpre e se preciso for, altera a seu bel-prazer toda a legislação em vigor, mesmo a Constitucional, sempre que ela obstaculizar as ações do GRUPO INIMIGO.

Este roteiro básico é como que um PADRÃO que TODA FORÇA INVASORA SEGUE, AO OCUPAR UM PAÍS, AO DOMINAR UM ESTADO.

Amigos: lamento dizer que o BRASIL hoje passa por tal processo. E o GRUPO INIMIGO só não nos invadiu com tropas, aviões de bombardeio.....apenas teve como estratégia usar uma fachada "democrática", mas que comporta-se EXATAMENTE COMO um GRUPO INVASOR e INIMIGO do país e do povo, ISSO É FATO.
Reflitam, por favor, sobre a gravidade do quadro institucional que nos enlaça.

Abraços a todos
Roberto S G Macedo

Devemos ter armas?

Siga Félix Maier no Twitter:
https://twitter.com/fmaier50

Devemos ter armas? 
 
Os bandidos dizem que não. Com apoio de muitos parlamentares - especialmente do PT.

Bill Whittle destrói a lógica esquerdista do controle de armas:

Desafios aos novos comandantes, por general Luiz Eduardo Rocha Paiva

Siga Félix Maier no Twitter:
https://twitter.com/fmaier50

Mais uma vez estranhamos que artigo desta profundidade e importância seja omitido na Resenha do CComSEx !...  Tampando o sol com uma peneira ???
Fraternal abraço,
César Souza

Desafios aos novos comandantes

por general Luiz Eduardo Rocha Paiva


 

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

OS INGLESES E A SUA ESTRANHA JUSTIÇA

OS INGLESES E A SUA ESTRANHA JUSTIÇA

    Em 2003, um deputado inglês chamado Chris Huhne foi pego por um radar dirigindo em alta velocidade. Pra não perder a carteira, pois na Inglaterra é feio uma autoridade infringir a Lei, a mulher dele, Vicky Price, assumiu a culpa.
    O tempo passa, o deputado vira Ministro da Energia, o casamento acaba, a Vicky decide se vingar e conta a história pra imprensa.
    Como é na Inglaterra, o tal do Chris Huhne é obrigado a se demitir primeiro do ministério e depois do Parlamento.
    - ACABOU A HISTORIA?
    - NÃO.
    Na Inglaterra é crime mentir para a Justiça  sendo assim, o casal  envolvido na fraude do radar foi sentenciado em 8 meses de cadeia pra cada um. E vão ter de pagar multa de 120 mil libras, uns 350 mil reais.
    Segredo de Justiça? Nem pensar, julgamento aberto ao público e à imprensa.
    Segurança nacional? Nem pensar, infrator é infrator.
    Privilégio porque é político? Nadica de nada!
    E o que disse o Primeiro Ministro David Cameron quando soube da condenação do seu ex-ministro: 'É uma conspiração da mídia conservadora para denegrir a imagem do meu governo.'
    - Certo?
    - Errado.
    O que disse o Primeiro Ministro David Cameron acerca do seu ex-ministro foi o seguinte:
    - 'É pra todo mundo ficar sabendo que ninguém, por mais alto e poderoso que seja, está fora do braço da Lei.'
    Estes ingleses são um bando de botocudos.
    Só mesmo nesses paisinhos capitalistas europeus um ministro perde o cargo por mentir para um guarda de trânsito.
    Porque aqui sim, neste maravilhoso paraíso chamado Brasil, a primeira lei que um guarda de trânsito aprendia é "saber com quem está falando". Parece que a coisa está mudando não?
 

Ministério da Cultura aprova patrocínio de filme que conta a vida de ZéDirceu

Ministério da Cultura aprova patrocínio de filme que conta a vida de ZéDirceu


 


O Diário Oficial da União de hoje publicou portaria do Ministério da Cultura na qual aprova a destinação de 134 milhões de reais para o filme “O guerreiro do povo brasileiro”, que conta a vida do presidiário José Dirceu.

Dirigido por João Padilha, o filme falará desde a infância do ex-ministro, “e contará até mesmo sua atuação no serviço secreto de Cuba, no qual é membro até hoje”, revela o diretor. “Será um marco do cinema nacional”, afirma.

Embora as filmagens ainda não tenham se iniciado, a presidente Dilma Rousseff já declarou que “exige” que o filme ganhe ao menos o Oscar de melhor filme estrangeiro no ano que vem.

Dirceu será interpretado pelo ator Gregório Duvivier.

Já Dilma Rousseff, que seria interpretada pelo ator Rodrigo Mendes,  exigiu ser interpretada pela atriz Paola Oliveira.

Dupla de embusteiros: Dilma & Levyathan

Dupla de embusteiros: Dilma & Levyathan

Félix Maier

Em vez de exigir que Dilma faça corte no aparelhamento petista estatal, diminuindo p. ex. o número de ministérios, de 39 para uns 20, o ministro da Fazenda Joaquim Levy - que eu passarei a chamar de Levyathan - simplesmente aumenta impostos, sangrando ainda mais o orçamento dos cidadãos, de modo que o rombo feito pelos petralhas continue aumentando. 

Assim, era melhor a gerentona repolhuda ter mantido Guido Mantega na Fazenda. 

Mas tem uma explicação maquiavélica para o embuste Dilma & Levyathan: é melhor que um representante da elite branca, de olhos azuis ou quase, do setor bancário, jogue o saco de maldades sobre a população, do que transferir tal ônus para um esquerdista, como Mantega ou algum outro assemelhado, como Mercadante. 

Se o saco de maldades der bom resultado, tudo bem. Em pouco tempo a população esquece o escalpelamento sofrido. Se não der, não foi um esquerdista que sangrou a população, em vão. Foi um puro sangue do capitalismo selvagem. Maquiavel puro...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O PERFIL DE UM ESQUERDOPATA

O PERFIL DE UM ESQUERDOPATA

Por Edson F. Nascimento - Psiquiatra e Psicoterapeuta

Depois de 55 anos de vida, enquanto psiquiatra, parei para refletir sobre o perfil psicológico da imensa maioria dos esquerdopatas.
Foram péssimos estudantes, a maioria com várias repetições de ano. Mas são de família de classe média, onde sempre sofreram
pressão pra "ser alguém na vida". Como são preguiçosos, sem disciplina e folgados, precisam arrumar um jeitinho para se dar bem
e se fazerem passar por coisas que não são, pensam ser! Fingir que é culto, "engajado", e "crítico", o que rende pontos. Assim, prestam
vestibular sem concorrência, de preferência em um curso de Geografia, Ciências Sociais e História.
Então, começam sua carreira de charlatanismo. Alguns pouquíssimos estão em cursos como Direito, Medicina, Engenharia, Administração,
Economia mas, como não são chegados a estudar, terminam por trancar a matrícula ou mudam de curso. E, muito dificilmente, se
enturmam quando tentam esses cursos acima e assemelhados.
Ali, na universidade, encontram todas as ferramentas: professores barbudinhos, livros de esquerda, palestras com "doutores" no assunto;
e até o assédio de políticos "guerreiros" do PT, do PC do B et caterva.
É claro que não estudam nada! Vivem o tempo todo no DCE, ligam-se à UNE, deitados no chão, passeando no campus com aquelas
mochilas velhas, calças cargo, sandálias de couro e cabelos ensebados.
Alguns começam a se infiltrar nos sindicatos e nas reuniões dos Sem-terra. Já começam a se achar revolucionários e reserva intelectual
das massas proletárias exploradas; e também das causas revolucionárias.
Assim, se passam por intelectuais, cultos, moderninhos e diferentes.
Sentem-se mais seguros para atacar as mulheres, achando que elas são doidas por esse tipo de gente. Começam a ver os amigos que estão
trabalhando ou cursando Engenharia, Direito, Medicina, Administração ou Economia como pobres coitados que não tiveram a chance da
"iluminação". Como não trabalham e vivem apenas da mesada, estão sempre sem grana. Aí começa a brotar a inveja, o ódio de quem se
veste um pouco melhor ou tem um carrinho popular. Estes, são os chamados "porcos capitalistas" ou "burgueses reacionários"!
Começam uma fase ainda mais aloprada da vida quando passam a ouvir Chico Buarque e músicas andinas. Nessa fase, já começam a
pensar em se tornar terroristas, lutar ao lado dos norte-coreanos, admiram Cuba e, muitos deles, apoiam o Irã e não acreditam no holocausto judeu!
Fingem esquecer do episódio do muro de Berlim e da queda do comunismo na antiga União Soviética. Não usam mais desodorante e a
cada 5 minutos aparece nas suas mentes a imagem de um McDonald's totalmente destruído.
Mas é claro que o que querem não é a revolução, isso é apenas uma desculpa. Como são incompetentes pra quase tudo, até mesmo
para bater um prego na parede, e como sentem vergonha de fazer trabalhos mais simples, por serem arrogantes o suficiente para não
começar por baixo, querem saltar etapas.
Querem, no fundo, a coisa que todo esquerdista (esquerdopata!) mais deseja, mesmo que de forma sublimada: um emprego público!
Mas, aí surge um outro problema: é a coisa mais difícil passar em um concurso! É preciso estudar (argh!).
Por isso, sonham com a "revolução" proletária, com a tomada do poder por uma elite da esquerda, nas quais eles estão incluídos,
obviamente, afinal são da mesma tribo!
Consequentemente, ocuparão, por indicação, um cargo comissionado em alguma repartição qualquer, onde ganharão um bom salário
para poder aplicar seus "vastos e necessários conhecimentos" adquiridos durante anos na luta pela derrubada do sistema capitalista imundo.
Nessa fase, mudam e se contradizem: cortarão o cabelo, usarão terno, passarão a apreciar bons vinhos e restaurantes. E, dependendo
do cargo que ocuparão, até motorista particular terão! E, sem dó, enfiarão a mão – e com muito tesão – no dinheiro dos cofres da nação!!!
Claro, que pela nobre causa socialista e para o bem dos trabalhadores, postura sem noção!
Tenho certeza que, após esta leitura, você lembrou de vários vizinhos, conhecidos, colegas, políticos etc...

Rombo de um trilhão no BNDES (R$1.000.000.000.000,00)

Rombo de um trilhão no BNDES (R$1.000.000.000.000,00)

Ossami Sakamori

 Fala-se muito em rombo do BNDES. Alguns falam em até R$ 1 trilhão a ladroagem do maior banco de fomento do País. Tem ladroagem, sim. Isto não tenho nenhuma dúvida. O MPF investiga a relação incestuosa do presidente do Banco com a instituição BNDES. Também, é de conhecimento público a ascendência do Lula sobre o Luciano Coutinho.

Com relação à relação promíscua entre o Luciano Coutinho e o BNDES, se refere à empresa de consultoria que elabora os projetos de financiamento junto ao Banco. A ex-empresa de consultoria é contratada para ter sucesso no financiamento. A empresa tinha como sócio o próprio Luciano Coutinho até assunção dele como presidente do Banco. Nada há de ilegal, uma vez que o Luciano Coutinho não é mais sócio daquela empresa de consultoria. Mas tudo parece que os atuais sócios são "laranjas" do próprio.

O projeto do Lula tentar criar os maiores "players" brasileiros atuando no mundo com o PSI - Programa de Sustentação de Investimentos, criado por ele no auge da crise financeira mundial em 2009, nada haveria de anormal, se não não funcionasse como Bolsa Empresário. Para criar "players" brasileiros, o BNDES emprestou e empresta a alguns poucos privilegiados a juros de 3,5% ao ano, enquanto o Tesouro paga Selic, hoje em 11,75% ao ano, para captar os mesmos recursos.
O Tesouro injetou no BNDES, segundo balanço semestral de 2014, exatos R$ 431,4 bilhões, nominal. Isto é o valor que foi injetado, sem considerar a equalização de juros. No apagar das luzes de 2014, Dilma autorizou injeção de mais R$ 30 bilhões no mesmo esquema do PSI, somando hoje R$ 461,4 bilhões.

Nada haveria de anormal se a injeção do dinheiro fosse na forma de investimento da parte da União. A crítica de analistas econômicos, na qual eu me incluo, é que a injeção de recursos da União está sendo feito em forma de "empréstimos" do Tesouro para o BNDES. O Tesouro capta o recurso no mercado pagando juros Selic e empresta ao BNDES. O empréstimo feito pelo Tesouro no mercado para este fim não entra no cômputo da dívida pública líquida.

Desta forma o dinheiro repassado pelo Tesouro para o BNDES sob forma do PSI, não entra também como despesa da União. Resumindo, os R$ 461,4 bilhões estão na contabilidade do Tesouro e do BNDES como uma espécie de "volume morto". O volume de dinheiro é de responsabilidade, portanto, do contribuinte.

Os principais recursos do BNDES para empréstimos vem do Tesouro em forma de PSI, do FAT, do Fundos PIS/PASEP e do Fundo de Marinha Mercante e de outros fundos constitucionais. No total, considerando o empréstimo do Tesouro, o passivo do BNDES é de cerca de R$ 544 bilhões. Em tese, este é o montante que está no risco do BNDES e em consequência do contribuinte. No entanto, o BNDES, pelo menos em  cima do papel está enquadrado nas regras do BIS, banco central dos bancos centrais.

Na coluna de ativos constam como realizável a Curto e Longo Prazo, cerca de R$ 300 bilhões em empréstimos diretos do BNDES e cerca de R$ 217 bilhões em empréstimos com aval dos agentes financeiros. Somado os ativos referentes aos empréstimos alcança R$ 517 bilhões. Ainda na coluna de ativos consta a aplicação, no dia 31 de julho de 2014, em ações das empresas com financiamento no Banco, no montante de R$ 66,9 bilhões e R$ 10,4 bilhões em debêntures.

O problema de tudo isto é que o Patrimônio Líquido do sistema BNDES, incluindo BNDESpar, é de R$ 74,1 bilhões em 31 de julho de 2014. Outro problema grave é com referência à qualidade do crédito de responsabilidade direta do BNDES no montante de R$ 300 bilhões.  O crédito referente ao repasse às instituições financeiras no montante de R$ 217 bilhões não tem tanta preocupação.  Não se sabe qual é o percentual de "empréstimos podres" dentre os R$ 300 bilhões.

No mercado financeiro, até o engraxate da BMFBovespa sabe, de duas verdades. A primeira verdade é de que o presidente Lula teria intermediado a negociação de empréstimos do PSI no montante de R$ 300 bilhões, da parte do empréstimo direto do BNDES. Se realmente houve, qualquer 3% daria R$ 9 bilhões de comissionamento para o Lula.  Isto merece investigações por parte do TCU e MPF, mas negadas pelo BNDES. Para ser negado acesso às informações para os órgãos de controle da União, é de supor que o "boato" do engraxate deve ser verdadeiro.

A segunda preocupação do mercado é quanto à natureza das garantias oferecidas pelos tomadores preferenciais dos empréstimos do sistema BNDES. Muitos dos empréstimos destinados aos amigos do Lula e do Palácio do Planalto, as garantias são as próprias ações das companhias. São empréstimos no montante de R$ 300 bilhões com alto risco de não receber de volta o empréstimo. Comenta-se que cerca de R$ 100 bilhões é quase como crédito podre. O montante é superior ao Patrimônio Líquido do sistema BNDES. 

O rombo só vai aparecer no decorrer dos próximos anos, pois que o financiamento concedido pelo Banco é de longo prazo.  Alguns antes, como foi o caso dos empréstimos de R$ 10,6 bilhões concedidos ao grupo OGX.  Outra empresa que tem um passivo próximo de R$ 30 bilhões com o sistema BNDES é o grupo JBS/Friboi, a juros subsidiados de 3,5% ao ano. A empresa com dificuldade econômica conhecida no mercado que tem passivo alto junto ao sistema BNDES é a empresa de telefonia Oi.  A Construtora Odebrecht, em dificuldade por conta da Operação Lava Jato, tem também tem passivo muito alto junto ao BNDES.

Curiosamente, essas empresas falidas ou em dificuldade financeira conta com o apoio explícito do Lula.  Não, Lula não é sócio dessas empresas como comentam, mas apenas intermediário nas operações de financiamentos e refinanciamentos. Digamos, que o Lula deve ter amealhado, no mínimo, R$ 5 bilhões em intermediações no BNDES. Claro, os depósitos estão nas contas contas nos paraísos fiscais, por orientação do Henrique Meirelles, principal executivo do JBS/Friboi.
Ufa, consegui fazer o resumo do assunto complexo como este. Será que consegui fazê-los entender? Preocupa, não, se não entender o assunto na primeira leitura.  O assunto é para quem tem vivência no mercado financeiro.

Ossami Sakamori, Engenheiro Civil, Foi professor da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Paraná. Atua no ramo de construção e mercado financeiro. Originalmente publicado no blog do autor.