MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Que se preocupem com os terroristas

ARTIGO NA PÁGINA DE OPINIÃO EM O GLOBO - 02-12-20

Que se preocupem com os terroristas

Europeus ainda não mostraram pleno entendimento em assuntos emergenciais no quintal de casa e já enfiam um dedo torto numa região tão complexa como o Oriente Médio


Osias Wurman

Alguns dias antes do mais recente massacre terrorista em Paris, em 13 de novembro, a União Europeia (UE) aprovou a discriminação dos produtos israelenses originários da Cisjordânia, onde 15 mil palestinos ganham o pão de cada dia como operários das empresas israelenses ali estabelecidas. Em uma mesma medida, a UE conseguiu agredir um Estado membro da ONU e afagar os movimentos de boicote que cultuam o ódio e o terror.
Até agora, nada foi dito pelos europeus, de forma crítica e contundente, sobre os apunhalamentos, atropelamentos e fuzilamentos de que são vítimas os cidadãos israelenses nos últimos dois meses. Vale lembrar que o DNA dos atentados em Paris e no Oriente Médio é o mesmo: matar civis a sangue frio, de forma inesperada e violenta, com o objetivo de implantar o medo e o terror entre indefesos.
Em 29 de novembro, completaram-se 68 anos da “Partilha da Palestina”, resolução das Nações Unidas que decidiu, em 1947, a divisão da região em um Estado árabe e outro judeu. Passadas quase sete décadas, ainda não surgiu um só líder palestino que tivesse aceitado admitir publicamente, em alto e bom som, o caráter judaico do Estado de Israel.
Sem esta explícita aceitação, não haverá a tão desejada paz entre israelenses e palestinos. Por esta teimosia, pagam os que vivem as agruras em Gaza e na Cisjordânia, bem como os milhares de refugiados palestinos que habitam os países árabes vizinhos, sem ver no horizonte o momento de poderem imigrar para um desejável futuro Estado nacional palestino, conforme preconizado pela resolução da ONU, em 1947.
Não podemos também esquecer que mais de 23 mil israelenses tombaram, em 67 anos de independência, defendendo o direito à existência do Estado judaico.
O poder politico da União Europeia é enorme e poderia ser usado a favor de um breve restabelecimento nas negociações diretas entre palestinos e israelenses. No entanto, os 28 países do Velho Continente optaram pelo caminho demagógico de contemplar a multidão, em vez da razão, estimulando as investidas dos movimentos de deslegitimização de Israel, chegando ao cúmulo de pretender rotular e segregar bens de consumo popular em nome da paz.
Os europeus ainda não mostraram pleno entendimento em assuntos emergenciais no quintal da própria Europa e já enfiam um dedo torto numa região tão complexa como o Oriente Médio. Na verdade, deveriam tratar da onda imigratória que invade a Europa, assunto prioritário para seus cidadãos, e que já divide nações como a hospitaleira Alemanha e a refratária Hungria.
Antes de tentar imiscuir-se nos assuntos do enigmático Oriente Médio, rotulando e discriminando produtos israelenses, os europeus deveriam carimbar os terroristas que circulam livremente em seus países, provocando mortes, pânico e repúdio mundial.

Osias Wurman é cônsul honorário de Israel no Rio de Janeiro