MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Puxadinho do PT

Puxadinho do PT

Publicado por Ernesto Caruso
5
Puxadinho do PT
Quando da apreciação sobre a prisão do senador Delcídio Amaral, o presidente do Senado, Renan Calheiros, usou a prerrogativa do Regimento Interno, defendendo o voto secreto. No entanto, fez questão de submeter à vontade do plenário, que por votação, optou pelo voto identificado. Ato seguinte, a maioria decidiu manter o senador Delcídio na condição de preso.
Na oportunidade a situação petista defendeu o voto secreto e a obediência ao Regimento Interno, combatida por outro lado, alegando-se incompatibilidade com aConstituição Federal, que segundo essa ótica impõe transparência e voto às claras.
No caso da eleição para a composição da comissão especial que vai analisar o pedido de impeachment, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, enfatiza que o voto secreto é habitual na casa.
Voto secreto ou aberto, o PCdoB da base governamental petista vai mais longe ao questionar a validade da Lei 1.079/50, que regulamentou o processo e julgamento do impeachment, pasme-se, fundamento incontestável para condenação e cassação dos direitos políticos do então presidente Collor de Melo, sob a égide da mesma Constituição/1988, e em sessão conduzida pelo presidente do STF, ministro Sydney Sanches. Hoje aposentado, declarou que o rito do impeachment foi adequado à Constituição vigente.
A recordar a rapidez do processo, símbolo o Fiat Elba, mais reforma na casa da Dinda, PC Farias, nortes da corrupção. Em 1992, a 29 de setembro, a Câmara autorizou a abertura do processo. No dia 30, o Senado criou a comissão especial que aceitou as denúncias. No dia 1º de outubro, o processo foi instaurado e Collor intimado a se afastar da Presidência; 29 de dezembro, começa o julgamento no Senado; nesse dia, Collor renuncia; 30 de dezembro, Collor é condenado à perda do mandato.
O ministro aposentado Ayres Brito, petista de carteirinha por muito tempo, é dos que têm se manifestado contra a corrupção instalada e afiança que não cabe ao Senado arquivar o processo depois de apreciado na Câmara e sim, julgá-lo.
Quanto a Regimento Interno vale lembrar o do STF também presente no julgamento da Ação Penal 470, o dito mensalão do PT. Vale revolver tempo tão recente.
No primeiro julgamento de formação de quadrilha, quatro votos favoráveis ao bando, dentre os onze ministros do STF/2013, que este entendera haver o crime de quadrilha. Como a sociedade percebera diante da impossibilidade de que desvio de recursos de tal envergadura a beneficiar o governo petista, não impusesse elevado grau de coordenação na estrutura da organização criminosa, dividida nos núcleos político, publicitário e financeiro.
No STF/2014, por 6 votos a 5, simplesmente, não houve quadrilha. Votaram pela absolvição dos réus, os ministros Luís Barroso, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Teori Zavascki e Rosa Weber. Por acatarem a formação de quadrilha votaram os ministros Luiz Fux, Gilmar Mendes, Marco Aurélio, Celso de Mello e Joaquim Barbosa. Quatro votos contra sete tiveram mais força do que os cinco contra seis. Recurso possível graças ao voto do ministro Celso de Mello no célebre desempate (estava 5 x 5) em favor da aceitação dos embargos infringentes; a considerar o que determina a lei e o regimento interno da Corte. A Constituição de 1988 e a Lei 8.038/1990 foram os argumentos dos ministros que votaram contra os embargos infringentes.
ministro Joaquim Barbosa advertiu e fez menção a uma maioria de circunstância para alterar as condenações.
"Temos uma maioria formada sob-medida para lançar por terra o trabalho primoroso desta Corte no segundo semestre de 2012. Isso que acabamos de assistir. Inventou-se um recurso regimental totalmente à margem da lei com o objetivo específico de anular a reduzir a nada um trabalho que fora feito. Sinto-me autorizado a alertar a nação brasileira de que esse é apenas o primeiro passo. É uma maioria de circunstância que tem todo o tempo a seu favor para continuar sua sanha reformadora.".
Juiz pode tudo? O Supremo Tribunal Federal não é puxadinho do PT. Supremo e não Soberbo Tribunal Federal.
Junção do notável saber jurídico e ilibada (sem mácula) reputação; o que foi, o que é e o que será, a serviço da sociedade.
Ernesto Caruso

Amplie seu estudo

Corrupção

Supremo Tribunal Federal

Constituição Federal de 1988

Impugnação de Mandato Eletivo (Impeachment)

PT

Lei nº 8.038 de 28 de Maio de 1990

Lei nº 1.079 de 10 de Abril de 1950

Direito Constitucional