MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Revista Óia adere ao desarmamentismo




Após editorial da revista, não restou opção senão cancelar nossa assinatura e enviar nossos protestos ao e-mail da revista (veja@abril.com.br). Convidamos nossos leitores que façam o mesmo!


Após a aprovação do PL 3722 pela Comissão Especial (veja matéria) por 19 votos favoráveis e apenas 8 contrários (veja como votou cada deputado), grande parte da imprensa iniciou uma enorme ofensiva para difamar o projeto na tentativa de jogar a opinião pública contra o mesmo. Gente como o Pastor Silas Malafaia, os senadores Aloysio Nunes e Magno Malta, além do ex-presidente FHC entraram nessa, tecendo comentários para lá de estapafúrdios. Nada disso foi grande surpresa por aqui até que o Movimento Viva Brasil recebeu o seu exemplar da última edição da revista Veja.

Em sua “Carta ao Leitor”(clique aqui para ler), que é uma espécie de editorial da revista, ela tenta de todas as formas justificar sua guinada ao desarmamentismo mesmo após, em 2005, ser a única a apoiar o “NÃO” no referendo que ocorreu naquele ano onde a tese da proibição da venda de armas foi esmagada. 

A tal reportagem “especial” consiste em míseras duas páginas, uma preenchida pela enorme foto de uma pistola (aqui) e na seguinte, os quatro parágrafos (aqui) escritos pelo jornalista Kalleo Coura, um garoto formado em 2013, que entre outras coisas também luta contra a redução da idade penal, onde o mesmo sai em desesperada defesa do “Estatuto do Desarmamento”.


Em seu conteúdo as mesmas mentiras de sempre: “A experiência brasileira e internacional mostra que, em regra, quanto menos armas em circulação, menos mortes provocadas por elas ocorrem” e de que “para cada aumento de 1% no número de armas de fogo na praça, cresceu em dois 2% o total de vítimas que elas fizeram" e que o desarmamento "poupou 160 mil vidas".  As fontes do jornalista? Sou da Paz, IPEA e o desarmamentista José Vicente.

Ao ser confrontado, pelo Twitter, pelo Prof. Bene Barbosa, respondeu: "@benebarbosa_mvb @VEJA fazemos jornalismo, não lobby sem dados. Se quiser reclamar da matéria, o canal correto é: veja@abril.com.br . Abs". Resposta padrão, lugar comum dos que não tendem ao debate por simplesmente não poder sustentar seus argumento. A resposta foi certeira e segue na imagem abaixo. Para quem quiser acessar a postagem dele, clique aqui.


Bom, ele quer dados?Ai vão!

Das três insustentáveis teses acima, sem dúvidas, a pior e mais gritantemente falsa, é a que mais armas significam mais crimes. Essa tese, já foi amplamente refutada no livro Mais Armas, Menos Crimes de John Lott, no livro Mentiram Para Mim Sobre o Desarmamento de Flavio Quintela e Bene Barbosa, no livro Violência e Armas da historiadora Joyce Malcolm e até mesmo pela ONU  em seu estudo Global Study on Homicide de 2011. Também não podemos deixar de citar um estudo da insuspeita  Universidade de Harvard publicado noHarvard Journal of Law & Public Policy onde conclui-se que países que têm mais armas tendem a ter menos crimes. 

E por falar em Harvard, em 2013, em sua sanha desarmamentista, Obama resolveu encomendar do Centers for Disease Control um estudo que lhe desse subsídios para sua tentativa de restringir o direito constitucional americano. O problema é que, muito diferente daqui, nos EUA os órgãos governamentais possuem enorme independência e o tiro saiu pela culatra pois tal estudo indicava,mais uma vez, que as milhões de armas de fogo nas mãos do civil traziam muita mais benefícios que problemas.  

Ainda no tema, o Jornal Estado de São Paulo republicou um excelente infográfico, criado pelo The Guardian, mostrando que ao contrário do que afirma o jornalista Kalleo Coura, a regra é que países mais armados tenha menos homicídios. Vejam aqui!

Vamos então à segunda tese: as tais vidas poupadas. Em seu artigo 120 mil vidas poupadas no país-do-faz de conta, o prof. Bene Barbosa, simplesmente acaba com essa obra de ficção e mostra toda a farsa envolvida na afirmação. O artigo pode (e deve) ser lido aqui.

A última e não menos grave afirmação é a tão pesquisa feita pelo IPEA (órgão governamental que sobre grande ingerência política, portanto muito pouco isento) de que “para cada aumento de 1% no número de armas de fogo na praça, cresceu em dois 2% o total de vítimas que elas fizeram". Oras, se isso você minimamente verdadeiro, teríamos no Brasil um quadro exatamente contrário do que temos hoje onde regiões com menos armas e campeãs de participação nas campanhas de desarmamento são exatamente as mais violentas e com maior número de homicídios com armas de fogo! Tal fato foi publicado até mesmo pelo desarmamentista jornal O Globo já em 2011 e pode ser lido aqui.


A guinada às teses da esquerda pela revista Veja nos faz lembrar da fábula "A Gralha e o Pavão" de Esopo onde uma gralha cola algumas penas de pavão em sua cauda e acaba sendo escorraçada de ambos os grupos. No caso da Veja o que acontecerá, se continuar neste caminho, é que continuará não tendo nenhum crédito com a esquerda e acabará odiada pela direita. Morte horrível para o que já foi a melhor revista semanal do Brasil e uma voz dissonante Contra a Maré Vermelha que afoga o Brasil.

: