MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

JANOT E TOFFOLI DEMONSTRAM QUE DILMA PODE SER MESMO CASSADA

JANOT E TOFFOLI DEMONSTRAM QUE DILMA PODE SER MESMO CASSADA
Carlos Newton
Se ainda estivesse em cena, Shakespeare diria que há algo de novo no reino de Brasília. O clima atual da cidade parece fazer com certas pessoas mudem radicalmente seu comportamento.
Primeiro, foi o procurador-geral Rodrigo Janot, que inventou duas teses jurídicas monstruosas. Uma delas foi a blindagem completa da presidente Dilma Rousseff, que não poderia sequer ser investigada por crimes cometidos no mandato anterior. A estranha tese, fruto de uma interpretação tendenciosa de um artigo constitucional aprovado antes da existência da reeleição, chegou a ganhar entusiasmados adeptos, até que o ministro Teori Zavascki colocasse as coisas em ordem, dizendo que qualquer cidadão, até mesmo no exercício da presidência da República, pode e deve ser investigado por suspeita de irregularidade. 
Há duas semanas, também para blindar Dilma, Janot inventou a coisa julgada em processo administrativo, e a nova tese também ganhou incondicionais apoiadores, até que ficasse patente o ridículo da teoria, criada para tentar arquivar a investigação de irregularidades na campanha eleitoral de Dilma.
DE REPENTE
Como diria Vinicius de Moraes, não mais que de repente o procurador Janot assumiu nova postura, destruindo totalmente a blindagem do governo, ao enviar ao Supremo pedido de abertura de inquérito para que o Ministério Público Federal investigue irregularidades na campanha de Lula para reeleição, em 2006, e nas duas campanhas de Dilma, em 2010 e 2014.
Ainda não satisfeito, o procurador-geral pediu também abertura de inquérito para investigar o chefe da campanha de Dilma em 2014, atual ministro Edinho Silva, da Comunicaçãos, além do ministro-chefe da Casa Civil Aloizio Mercandante, por sua campanha ao governo de São Paulo em 2010, e do senador tucano Aloysio Nunes Ferreira, também pela campanha de 2010 que o levou ao Congresso.
UM NOVO TOFFOLI
Além da mudança de postura de Janot,  também causou forte impacto o aparecimento de uma nova versão do ministro Dias Toffoli, atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral, que vai decidir em breve quem ficará no poder. As opções do TSE são Dilma Rousseff, Michel Temer, Aécio Neves ou um novo presidente a ser eleito diretamente, se Dilma e Temer caírem juntos antes de completar dois anos de mandato, ou escolhido indiretamente pelo Congresso, se Dilma e Temer forem cassados já no terceiro ou quarto ano do mandato.
Na última sessão do TSE, a grande surpresa foi ver Toffoli defender ardorosamente a investigação das campanhas de Dilma, ao assinalar que a decisão de realizar esta apuração não é uma determinação isolada do ministro Gilmar Mendes. "Isto consta do acórdão do TSE e é uma determinação da Corte", disse Toffoli, encerrando as discussões.
TRADUÇÃO SIMULTÂNEA
É claro que essas novidades na política necessitam de tradução simultânea. Janot e Toffoli mudaram drasticamente de opinião, porque sabem que o governo Dilma já acabou e vai levar de roldão Lula e o PT. Portanto, não adianta mais tentar defender a honra de quem já está publicamente desonrado. Ao mudar de postura, Janot tenta reconstruir sua biografia, que estava indo para a lata do lixo da História, enquanto Toffoli começa agora a escrever a biografia que ele nunca teve..