MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Vamos sentir saudades!

Vamos sentir saudades!

Julio Daio Borges


Não da Dilma. Nem do PT. Nem do Lula.

Mas do momento que estamos vivendo.

Não da crise econômica. Nem da política.

Mas do momento cívico.

Eu acompanho a internet desde 1995 e acho que poucas vezes ela foi tão útil ao Brasil.

Quando a gente vê as pessoas se manifestando contra a CPMF, eu penso que isso nunca houve.

Não podemos perder isso, portanto.

Não falo só da indignação, dos palavrões, que até fazem parte (sem ofensas, por favor - e sem calúnia ou difamação)...

Mas falo da crítica. Da criatividade. Da capacidade, que só a internet tem, de contrapor o discurso oficial.

Seja resgatando declarações antigas do governo. Seja apontando contradições. Seja expondo os governantes ao ridículo.

A internet é a verdadeira oposição. E eu espero que a internet não perca isso. Esse protagonismo.

Nos anos 60, o pessoal do Pasquim dizia que "imprensa é oposição" e que "o resto é armazém de secos & molhados".

Mas imprensa não é mais isso. O mesmo Pasquim, quando Lula se elegeu, perdeu a razão de ser. (O próprio Ziraldo confessou isso numa Flip.)

A internet é, hoje, o quarto poder. E, não mais, a imprensa.

Ou não só a imprensa. Eu sei que a imprensa alimenta esse caldeirão que é a internet.

Apesar de todo o governismo de alguns órgãos de imprensa, eu reconheço o protagonismo de certos jornalistas e de certos veículos.

Só que a internet *potencializa*. A tal da "inteligência coletiva" realiza proezas que nenhum órgão de imprensa, sozinho, seria capaz de fazer.

O Mino Carta, que hoje está do lado negro da força, tinha como mandamentos (na sua conduta como jornalista):

Fidelidade canina aos fatos. Espírito crítico. E fiscalização do poder.

São belos princípios - que ele, hoje, não aplica... Mas que a internet aplica!

Não é sonho, nem utopia, porque disso o Brasil está cheio - mas eu espero, sinceramente, que a internet continue:

Sendo fiel aos fatos. Cultivando o espírito crítico. E, sobretudo, fiscalizando o poder.

Qualquer poder.

Para ir além
Compartilhar