MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

domingo, 20 de setembro de 2015

PAPA FRANCISCO, EM CUBA, DIRÁ: NO ESTÁ BIEN ESO?

 PAPA FRANCISCO, EM CUBA, DIRÁ: NO ESTÁ BIEN ESO?
 Por Percival Puggina - 18.09.2015
Há poucos dias, em seu roteiro por países bolivarianos, o Papa Francisco recebeu das mãos do cocaleiro Evo Morales aquele horroroso crucifixo de madeira que se compunha com uma foice de modo a formar, no conjunto, o símbolo do comunismo. Foi uma sucessão de indelicadezas do mandatário boliviano, de quem não se pode esperar algo melhor. Só para recordar, poucos dias depois, deu-se o direito de ameaçar o Brasil com suas poderosas forças armadas caso Dilma e o Partido dos Trabalhadores fossem afastados do poder. Como não há o mais tênue movimento nos quartéis (se acenderem uma vela a chama não se mexerá), o recado foi dirigido ao Congresso Nacional e ao Poder Judiciário do Brasil. A turma do Foro de São Paulo se tem em altíssima conta...
Voltando ao encontro do mal-educado presidente boliviano e o Papa Francisco. Evo começou aquela cerimônia pendurando correntes e mais correntes no pescoço de Sua Santidade. Dir-se-ia que ele estava chegando a uma festa de Mardis Gras em New Orleans ou descendo no aeroporto de Oahu. E para arrematar a recepção, uma foice e martelo, metida a crucifixo, de muito mau gosto, que parecia ter sido feita assim mesmo, com uma foice e um martelo. Diante do objeto, Francisco sussurrou constrangida exclamação: "No está bien eso". Os vídeos que registram o episódio mostram Evo Morales com um sorriso irônico que não se desfaz nem mesmo diante da observação do Papa. Na sequência, sempre sorrindo, explicou que o presente era uma réplica de outro, esculpido por Lucho Espinal, um padre militante contra a ditadura de García Meza, sob cujo governo acabou sendo assassinado. A menção ao colega jesuíta, que o Pontífice homenageara horas antes em Las Nieves, aparentemente desfez o mal-estar que se criara.
Pois amanhã, dia 19, o Papa desembarcará em Havana, no aeroporto José Martí, que está sendo ampliado pela Odebrecht, claro. Com financiamento a juros privilegiados, claro. Concedido pelo BNDES, claro (mas a ideia original é que fosse tudo secreto, claro). A questão que me vem à mente é se, diante de um regime abertamente ditatorial, marxista-leninista, que submete o povo da ilha à servidão e que não admite quaisquer mudanças nas estruturas totalitárias do poder, o papa igualmente afirmará, como deveria: "No está bien eso!"
Não, não está bem. Armando Valladares, escritor cubano exilado, que cumpriu 22 anos nas masmorras do regime, em artigo do dia 12 de maio deste ano, refere o tom de sentido escândalo com que o então arcebispo de Santiago de Cuba, D. Pedro Meurice, se referiu ao processo de adaptação ao comunismo e suas metas adotado por seus irmãos do episcopado, desde 1986: "Nos consideravam uma Igreja de mártires e, agora, dizem que somos uma Igreja de traidores". Valladares se pergunta, no referido artigo: "quais as intenções de fundo da ostpolitik vaticana com relação ao comunismo cubano, seus objetivos e suas metas? (...) Quais as consequências para a fé e a doutrina católica dessas atitudes tão diferentes do ensino tradicional da Igreja sobre o comunismo 'satânico' e 'intrinsecamente perverso?'".
Muito pior do que um crucifixo em forma de foice e martelo é um povo inteiro sujeito às perversidades e crimes do regime que esse símbolo representa. A cruz de Cristo foi tisnada com Seu sacratíssimo sangue. Os regimes da foice e do martelo fizeram sangrar milhões de mártires. Muitos na prisão de La Cabaña, exclamando "Viva Cristo Rey!".