MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

terça-feira, 30 de junho de 2015

O papa e a Amazônia

Aos meus amigos
Realmente, esse Papa reza pela cartilha da Teologia da Libertação. As ONGs internacionais devem estar se babando de prazer com essa Encíclica Papal. Estamos bem arranjados! Com um partido como o PT no Executivo, obediente aos ditames do Foro de São Paulo, podem esperar que vem chumbo grosso por aí.
OJBR


O Papa e a Amazônia

DENIS LERRER ROSENFIELD - O ESTADO DE S. PAULO

29 Junho 2015 | 03h 00

A encíclica Laudato Si’, do papa Francisco, dedicada a questões ambientais, também denominada Sobre o Cuidado da Casa Comum, entendida esta como Criação, suscitou enorme reação, sobretudo favorável. Poucas foram as vozes críticas. Isso se deve, principalmente, ao fato de o ambientalismo ser hoje uma nova forma de ideologia, fortemente compartilhada pela opinião pública, em especial nos centros urbanos.

Trata-se de documento muito bem escrito, em torno de 80 páginas, que se dedica ao que chama de “ecologia integral”, unindo questões propriamente ambientais com questões morais, sociais, religiosas e econômicas. Significa que, sob esse nome, o papa tem a pretensão de oferecer toda uma nova concepção de mundo, que, no seu entender, deveria passar a orientar a vida das pessoas em geral, independentemente de credos religiosos.

Sua encíclica, então, não está voltada exclusivamente para os católicos, mas para toda a humanidade, todos os habitantes da Terra. Mais ainda, visa a que se estabeleçam formas internacionais de controle de grandes empresas e países, a partir do fortalecimento de organismos internacionais e de atuação de ONGs ambientalistas e indigenistas.

O papa critica fortemente as grandes empresas internacionais que estariam preocupadas só em saquear os recursos naturais de regiões de grande biodiversidade como a Amazônia, a bacia do Congo e os grandes lençóis freáticos e glaciares. Aliás, são as três únicas regiões do mundo referidas no documento. Nesse sentido, ele seria contra a “internacionalização” política dessas áreas do planeta.

Aparentemente, ele seria contra a internacionalização da Amazônia, entendida como uma forma de dominação de grandes empresas e dos países mais desenvolvidos. A imprensa nacional tomou essa formulação pelo valor de face, ressaltando o fato de o Santo Padre defender a soberania nacional, no caso brasileiro, da Amazônia. Logo, o Brasil não teria com o que se preocupar. Uma leitura atenta do documento, contudo, permite desvelar outra concepção.

A Amazônia, mais especificamente, é considerada um dos grandes pulmões do planeta. É vital para o conjunto da Terra, enquanto Criação divina, e para o futuro da humanidade. Ou seja, ela não pode ficar à mercê dos grandes “interesses econômicos internacionais” – nem, poderíamos acrescentar, da soberania do Brasil, pois ela é, na verdade, um patrimônio internacional, da humanidade, uma obra-mestra da Criação, foi Deus o seu artífice.

Atentar contra a Amazônia significaria atentar contra um pulmão do mundo, talvez o mais importante, e, teologicamente, contra a Criação. Isto é, moral e religiosamente o Brasil se veria destituído de soberania sobre essa porção de seu território.

Em linguagem papal, “torna-se indispensável criar um sistema normativo que inclua limites invioláveis e assegure a protecção dos ecossistemas, antes que as novas formas de poder derivadas do paradigma tecno-económico acabem por arrasá-los não só com a política, mas também com a liberdade e a justiça” (a ortografia é de português de Portugal).

O novo sistema normativo, moralmente fundado, passaria a ser exercido por organismos internacionais e ONGs nacionais e internacionais, ambientalistas e indigenistas, que passariam a ditar o que pode ou não ser feito neste enorme território nacional. A decisão última seria transferida do Estado nacional para elas, contando, internamente, com a participação ativa – e decisiva – da CNBB e de seus órgãos, como a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e a Comissão Missionária Indigenista (Cimi). Ou seja, um país como o Brasil poderia perder “religiosamente”, “moralmente”, “ecologicamente” e “socialmente” a Amazônia, que passaria a ser controlada por essa nova espécie de poder.

A construção da Usina de Belo Monte e outras na Amazônia se tornariam inviáveis. Na perspectiva papal, os interlocutores privilegiados seriam os indígenas e, principalmente, seus porta-vozes de ONGs e movimentos sociais, pois deveria caber essencialmente às “populações aborígines” o cuidado da “Casa Comum”. Não poderia um país decidir o que fazer com o pulmão do mundo, que seria, moralmente e religiosamente, propriedade de todos os membros do planeta, da Obra divina. O Brasil deveria, realmente, abdicar de sua soberania. 

Seguindo a linha dos movimentos sociais, centra sua crítica no agronegócio em geral, principalmente na monocultura e nas empresas proprietárias de grandes extensões de terra. Seu elogio reside no acolhimento da agricultura familiar, da pequena propriedade e das populações aborígines. O “clamor da natureza” se identificaria com o “clamor dos pobres”. Salientem-se igualmente suas constantes investidas contra o “lucro” e o “egoísmo”. Sua concepção está baseada numa relativização da propriedade privada.

Há, portanto, nesse documento uma confluência de questões ambientais, religiosas, morais e sociais, fazendo dos porta-vozes dos pobres e de questões ambientais os verdadeiros representantes de uma nova humanidade a ser construída. As ONGs ambientalistas e indigenistas são, então, erigidas em novo poder mundial – entendido como se fosse uma espécie de poder moral. Elas se estariam tornando uma espécie de novo Evangelho, como se suas concepções pudessem ser, de certa maneira, identificadas como uma nova forma de religiosidade universal. Isso é, elas passariam a ser um tipo de poder supranacional que contaria com o beneplácito da Igreja, que as sustentaria nas críticas que recebem dos países onde operam.

Os movimentos sociais de esquerda e as ONGs ambientalistas e indigenistas nacionais e internacionais seriam, nessa perspectiva, não apenas os representantes dessa nova humanidade, mas os interlocutores privilegiados do mundo político em escala planetária. Teríamos, aqui, uma nova forma de poder político, tido por moral em sua essência, que não poderia ser limitado por nenhuma forma de poder nacional. 

PROFESSOR DE FILOSOFIA NA UFRGS. E-MAIL: DENISROSENFIELD@TERRA.COM.BR
 
--------

Obs.: A Encíclica pode ter sido assinada pelo Papa Francisco, mas o texto parece ter sido feito a 6 mãos, pelos "teólogos da libertação" Dom Pedro Casaldáliga e ex-frei Leonardo Boff, e por João Pedro Stedile, do MST. Com o corretor ortolinguístico da Cúpula do Clima e do Greenpeace. O Papa caiu no conto da "Amazônia, pulmão do mundo", um mito antigo, mas sempre apresentado como prova científica pelos fanáticos/farsantes "warmists" do aquecimento global (F. Maier).

--------

Gostei  do artigo do Professor Rosenfield.
Parece-me que o Papa Francisco está enveredando por caminhos perigosos.
Defender a ecologia é algo que todos nós apoiamos, mas sem os exageros da esquerda, que quer que o homem morra para salvar o sistema ambiente ….
Até onde vai a intenção da Igreja Católica, com esta encíclica, é algo que ainda vamos ter que avaliar.
Abcs
Dominguez

--------
LEÔNIDAS PIRES GONÇALVES

General-de-Exército da Reserva, ex-Ministro do Exército.

1. PALAVRAS PRELIMINARES

O tema em pauta é atual, relevante e oportuno. O entendimento que tenho de Segurança e Defesa, no nível de nação, é o externado no documento que o Exército apresentou na voz do General Rui Silveira•. Conceitos estratificados, repetidos, realejados há longo tempo em nossas Escolas (ESG, ECEME/ CPAEx) e no Estado-Maior do Exército. De outra parte, o assunto permite múltiplas abordagens – tanto gerais como pontuais, ancoradas em questões específicas. 
O enfoque escolhido foi objeto de minha preferência porque estão nítidos, nas atuações da política externa do Brasil e das demais nações sul-americanas, a intenção e o projeto da progressiva integração regional. E por conseqüência, a Segurança e Defesa de cada país do bloco, ou da área como um todo. 

2. A SITUAÇÃO REGIONAL NO TOCANTE À DEFESA E À SEGURANÇA

a. O cenário mundial e o panorama sul-americano 

Neste cenário, após a já mencionada Guerra-Fria, há um processo nitidamente em marcha que decorre do fato de que se voltaram a priorizar, como parte integrante de equação política, as questões econômicas, pois o campo ideológico deixou de ser mandatário. Nas relações de poder do ordenamento mundial presente, identificamos Atores e Ditames, estes estabelecidos para disciplinarem a convivência internacional.

b. Os Atores

São muitos: há uma única superpotência – EUA; grandes potências – União Européia, Japão e China; potências regionais – Índia, Brasil e África do Sul; outros – Canadá, Israel, Paquistão, Coréia do Norte e Irã; e demais nações do mundo. Os Ditames São, fundamentalmente, as regras do jogo que foram definidas por parcela da comunidade internacional (sob influência dos EUA), que as ditaram porque têm poder para tanto. Nas relações internacionais, sobretudo, não há como não reconhecer que a “verdade” é filha do Poder. Vejamos o elenco destes Ditames, que julgo tentam ser o que denomino as modernas “Tábuas mosaicas”:

• Universalização da democracia.
• Economia de mercado: livre comércio e livre fluxo de capitais.
• Sistema de segurança coletivo e paz (emprego de força multinacional sob comando do EUA). 
• Interferência na destinação, dimensões e características das Forças Armadas das nações não hegemônicas.
• Controle de tecnologias sensíveis e da proliferação nuclear.
• Controle dos delitos transnacionais:
• Terrorismo (com alta precedência).
• Desrespeito aos Direitos Humanos.
• Agressão ao meio ambiente.
• Narcotráfico.
• Problemas indígenas.

Estes ditames originam-se na cultura ocidental, mas não têm aceitação urbi et orbi. Os “valores universais” pregados não o são, pois cometem o erro de confundir comunidade ocidental com comunidade internacional. Além disso, ressalte-se, desconhecem as aspirações e interesses mesmo de países ocidentais, são injustos e barram seu acesso à grandeza, particularmente dos Emergentes. Em realidade, estes Ditames têm como pano de fundo razões geoestratégicas e econômicas. Quais as ameaças e riscos embutidos? O descumprimento de qualquer dos Ditames, como ocorria nas Tábuas recebidas no Sinai, é passível de punição, com gradação e conseqüências imprevisíveis. Hipótese sem fundamento? Não. Atentem para o panorama mundial dos últimos tempos – não nos dá segurança, mas inquietação e temores.
c. As vulnerabilidades do Brasil e do subcontinente.

As contrapartidas. Não me constrange afirmar que na área sul-americana, considerando os Ditames disciplinadores, há muitas vulnerabilidades efetivas e potenciais. Escolhi colocar a lente sobre uma que considero de altíssima prioridade, não apenas para o Brasil, pois se estende a vários países vizinhos – a Amazônia. É uma região imensa, como imensas são suas riquezas, tão bem conhecidas que não impõem explicitações. A Amazônia, nos dias presentes, é assunto de questionamentos dos grandes do mundo e de preocupações do Brasil (e vizinhos), em virtude das manifestações de cobiça sobre ela. Creio que não se trata de fantasia. Esta cobiça transparece quando identificamos o conflito de interesse existente na área. O conflito de interesse manifesta-se por duas ações: confrontação geopolítica e confrontação estratégica. A confrontação geopolítica (“o que fazer”) é evidente pelas diretrizes geopolíticas que lá se defrontam: nós, desejando que a área permaneça nossa; os grandes do mundo, disponível para seu uso, através da internacionalização. Quais nossas contrapartidas?

No ambiente plurinacional, o Pacto Amazônico; no plano nacional, com nossas manobras geopolíticas internas de integração, que viemos e vimos realizando, com ênfase, desde a década de 40. A confrontação estratégica (“o como fazer”) ficou clara pelas ações alienígenas que, a partir da década de 80, se manifestaram. Não houve, nem se espera, ainda, nenhuma ameaça de invasão; mas está bem nítida a manobra estratégica indireta de conservar a região para um futuro propício a interesses que não são nossos. No que consistem?

Básicamente acusam-nos de não saber bem cuidar da Amazônia. Com os mesmos argumentos de sempre: pulmão do mundo, efeito estufa (queimadas), alteração do clima, desertificação, questões indígenas, hidroelétricas e delitos transfronteiriços (drogas e terrorismo) – alguns, reais; a maioria, mitos ou falácias. Exigências foram feitas ao governo brasileiro para adotar medidas de conservação (intocabilidade), em vez da preservação (utilização adequada). Primordialmente, com o propósito de enfraquecer nosso direito de posse e transformar a região em um grande contencioso internacional. É um exagero? Temos indicações? Temos. Vêm de todos os quadrantes e de grandes países, nas vozes de líderes mundiais já muito citadas – Al Gore, Major, Mitterrand, Gorbachev, Kissinger e outros, entre os anos de 1981 e 1994. Teriam sido imprudências verbais? Não! São mais intenções explicitadas. Considerando-se as datas das manifestações, vê-se que elas não são recentes. É fácil concluir o porquê: problemas maiores e mais prementes estão a preocupar os grandes do mundo, dando-nos uma trégua. Temos de aproveitá-la.

Quais as contrapartidas em nível nacional e do subcontinente que busca a integração regional? Sou convicto de que a Segurança e Defesa, nos níveis em foco, são obtidas, realizadas e esteadas em quatro instrumentos fundamentais:

• Desenvolvimento econômico e social
• Atuação da Diplomacia
• Ação das Forças Armadas
• Postura da sociedade (Opinião Pública)

Estes instrumentos deverão estar: integrados, no Desenvolvimento; concertados, nas Ações Diplomáticas; coordenados, nas Forças Armadas; e, sintonizados, nas Opiniões Públicas. 

d. Estratégia Militar vislumbrada

Há necessidade de estabelecermos uma estratégia militar para Segurança e Defesa tanto para o Brasil como para a América do Sul? Por que não, neste mundo confuso, instável e imprevisível? Vejo a estratégia ser defensiva, apoiada precipuamente na Dissuasão. A Dissuasão, como sabemos, foi termo difundido pelo General Beaufre, francês, durante o período do governo De Gaulle. Nada mais é do que a versão modernizada do milenar e sábio aforismo latino: Si vis pacem para bellum! Em outras palavras – como sabemos – Dissuasão é a contrapartida com que se ameaça o inimigo que, embora não nos dê a vitória, é capaz de conscientizá-lo de que sua possível vitória não seria compensadora. A dissuasão pode ser convencional ou nuclear. A convencional tem possibilidades limitadas; a nuclear, pelo “igualador atômico”, ou a “arma da paz”, é que tem real validade. É tema que nos tempos atuais devemos abordar com muito cuidado, pois é de trato difícil, servindo para interpretações não desejadas. Há que considerá-lo com enfoque realista, mas prudente. A área nuclear é disciplinada pelo Tratado sobre Não-Proliferação Nuclear (TNP), pelo Acordo para Proibição completa dos Testes Nucleares (CTBT), pela Conferência de março de 1975 que prorrogou indefinidamente a vigência do TNP, pela Constituição brasileira que proíbe a utilização da energia nuclear para fins outros que não pacíficos e, também, pela Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle (ABACC).

A tradição de nossa política internacional impõe que Acordos assinados sejam cumpridos e assim têm sido através dos tempos. Confesso, entretanto, como soldado profissional, que tenho preocupação com o que venha a ocorrer com o TNP. Isto porque vejo, com pragmatismo e olhar prospectivo (um futuro que alcance três a quatro décadas), duas alternativas para a vigência deste Tratado: ou o TNP eterniza-se com as características atuais, onde não se vêem intenções reais de acabar com os Arsenais Atômicos; ou caduca (embora não tenha cláusula de denúncia), como ocorreu com outros tantos Tratados Internacionais. Na primeira hipótese, configura-se um instrumento injusto, pois congela um quadro internacional hegemônico sem limite de tempo, fato que fica confirmado, por exemplo, com o pronunciamento do Presidente Jacques Chirac, realizado no Instituto de Altos Estudos de Defesa Nacional, da França, em 8 de junho de 2001. Se caducar, teremos de dispor de condições científico¬tecnológicas para aproveitar, em tempo hábil, a liberdade que estará oferecida para Dissuasão nuclear. Creio que estes problemas serão manifestos no tempo à frente, quando o Brasil e a integração sul-americana tiverem atingido patamar de tamanha grandeza e poder que se atribuam o direito de considerar, seriamente, rever os compromissos através de negociações políticas na área internacional (a relação entre nações é de Poder, diz sabiamente Raymond Aron). Antes disto, devem ser destacadas preocupações do presente que nos levem a adotar medidas que permitam acompanhar de perto a evolução do conhecimento científico-tecnológico, de ponta– nucleares e outros – sem desobedecer aos preceitos estabelecidos nos Tratados de que participamos. 

3. PALAVRAS FINAIS.

Todas as considerações apresentadas não podem esquecer e se desvincular dos históricos compromissos internacional (ONU) e continental (OEA). E que fique claro que a Integração Regional não tem a intenção de romper, obviamente, com esses compromissos; ao contrário, visa a vitalizá-los.

---------

De onde vem o oxigênio que respiramos?

http://mundoestranho.abril.com.br/materia/de-onde-vem-o-oxigenio-que-respiramos

A Amazônia recebeu o título de "pulmão do mundo" injustamente. Somadas, as espécies de algas marinhas e de água doce produzem 55% do oxigênio do planeta. É claro que as florestas dão uma grande ajuda, mas boa parte do gás é consumida por lá mesmo, na respiração e na decomposição de animais e plantas. 

Já as algas, para nossa sorte, fabricam muito mais oxigênio do que precisam. "O excesso de gás liberado na água passa para a atmosfera e fica disponível para os outros seres vivos", afirma a bióloga Mutue Toyota Fujii, do Instituto de Botânica de São Paulo. As algas ainda levam a vantagem de ocupar uma área bem maior que as árvores. "Afinal, 70% do planeta é coberto de água e todos os oceanos são habitados por algas microscópicas produtoras de oxigênio", diz outra bióloga, Estela Maria Plastino, da Universidade de São Paulo (USP).

A verdade é que o ser humano tem uma dívida grande com esses vegetais aquáticos. "As espécies mais simples, as algas azuis, lançaram oxigênio na atmosfera primitiva da Terra há 3,5 bilhões de anos. Se isso não tivesse acontecido, plantas e animais nunca teriam surgido", afirma Estela.

Fábricas de ar Só as algas marinhas produzem mais da metade do gás vital
 
Origem - Bosques e florestas
% Produzida - 24,9%
Origem - Estepes, campos e pastos
% Produzida - 9,1%
Origem - Áreas cultivadas
% Produzida - 8,0%
Origem - Regiões desérticas
% Produzida - 3,0%
Origem - Árvores (total)
% Produzida - 45%
Origem - Algas marinhas
% Produzida - 54,7%
Origem - Algas de água doce
% Produzida - 0,3%
Origem - Algas (total)
% Produzida - 55%

Fonte: Ecologia, de Ramón Margalef












Leia as últimas postagens de Félix Maier: