MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

terça-feira, 31 de março de 2015

Comemorar os 51 anos do Movimento de 1964, uma boa ideia!

Prezado(a)s:

No dia 31 de Março do corrente ano, as 17:00h, na Praça do Ferreira, haverá um movimento cívico em homenagem ao 51º aniversário da contrarrevolução democrática de 31 de Março de 1964, pelo que convidamos a todos a se fazerem presentes.

O prefixo de contrarrevolução é aqui utilizado, porque foi um movimento de reação à revolução esquerdista na época protagonizada por Cuba e pela União Soviética e que nos dias atuais tenta se instalar novamente, sob a batuta de Cuba usando agora o PT composto pelo mesmo pessoal de 1964.

Temos muito o que comemorar, pois foram realizações dessa contrarrevolução democrática:

1.    O Brasil voltou ao clima de ordem social e de respeito às autoridades constituídas;
2.    Permaneceram abertos e em plena atividade todos os tribunais de justiça, no plano federal e no plano estadual, inclusive os da Justiça Militar – que, como os demais, sempre funcionou de maneira autônoma e independente;
3.    Fomos, na época, a maior democracia da América do Sul. Muitos falam, principalmente os da esquerda, que vivíamos numa ditadura. Nunca um cidadão de bem, foi impedido de ir e vir a qualquer lugar, ou ser molestado pelos militares, a não ser aqueles que pegaram nas armas na tentativa de nos implantar a ditadura de esquerda. Qualquer cidadão tinha o direito, de com os seus próprios esforços estudar, trabalhar e progredir;
4.    Promovida a anistia de forma ampla, geral e irrestrita aos exilados no exterior, mesmo para aqueles que roubaram, sequestraram e mataram, muitos deles atualmente no poder;
5.    Fomos a 8ª economia do mundo;
6.    O País registrou os mais baixos índices de inflação e os mais elevados índices de crescimento do PIB nacional de sua história (14%);
7.    A criação de 13 milhões de empregos para uma população de 90 milhões de brasileiros;
8.    A PETROBRÁS aumentou a produção de 75 mil para 750 mil barris/dia de petróleo;
9.    A construção de 4 (quatro) portos e a recuperação de outros 20 (vinte);
10. A criação da ELETROBRÁS
11. A criação da EMBRATEL;
12. A criação da TELEBRÁS;
13. A criação da EMBRATER;
14. A criação da EMBRAPA;
15. A criação da PORTOBRAS;
16. A construção das maiores hidrelétricas do mundo: Tucuruí, Ilha Solteira, Jupiá e Itaipu;
17. A ampliação da Rede de rodovias asfaltadas, que passou de 3 mil para 45 mil quilômetros;
18. A criação da INFRAERO;
19. A implementação dos Polos Petroquímicos de Cubatão e Camaçari;
20. A criação do BANCO CENTRAL;
21. A Rede Ferroviária ampliada de 3 mil para 11 mil Km;
22. O aumento da Frota Mercante de 1 para 4 milhões de Toneladas;
23. A construção da Ponte Rio-Niterói;
24. A construção de 4 milhões de moradias;
25. A criação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS;
26. A criação do PIS;
27. A criação do PASEP;
28. A criação do FUNRURAL (a previdência para os homens do campo);
29. A criação do BNH (Banco Nacional de Habitação);
30. A criação da Lei do Inquilinato;
31. A criação do Projeto Minerva;
32. A criação do Projeto Rondon;
33. A criação do Proterra – Programa de aquisição de terras;
34. A criação do VLS – Veículo Lançador de Satélites;
35. A criação do Mobral – Movimento Brasileiro de Alfabetização;
36. A criação da NUCLEBRAS;
37. A criação do cunho social (1982) ao BNDES (criado em 1952 como BNDE);
38. A criação do GETAT – Grupo Especial de Terras do Alto Araguaia e Tocantins;
30. A criação do Estatuto da Terra (na época, muito criticado pela esquerda, mas que quando essa assumiu o poder executivo, passou a elogiá-lo, inclusive, ainda permanece em validade e uso, como um instrumento de justiça social);
31. A implantação dos grandes, até hoje, projetos de mineração, tais como: o da Mineração Rio do Norte (exploração de bauxita metalúrgica), o da Albrás, o da Alunorte (produção de alumínio e alumina, respectivamente), o do Projeto de Ferro Carajás, etc;
32. A construção da rodovia Transamazônica, como forma de integrar a região amazônica ao restante do País. Hoje, em muitos locais dessa região, para um brasileiro ter acesso, tem que negociar e se explicar a ONG’s internacionais que nela estão presentes, pelo que inclusive, algumas delas, recebem dinheiro do governo. Essa obra foi uma resposta ao clamor de internacionalização da Amazônia brasileira. Essa rodovia não foi concluída, nem mantida pelos governos que se sucederam ao da contra revolução de 1964, principalmente pelos de esquerda, como os de Fernando Henrique (esquerdista nato), de Lula e de Dilma. Simplesmente foi abandonada, como também assim o foi o projeto de colonização do entorno dessa rodovia, pelo que se tivessem acontecido como planejados, escoaria a produção extrativista e sustentável desses assentamentos. A grande maioria desses tipos de projetos da atualidade, em que pese recebeu a ajuda assistencialista do governo ao MST, são improdutivos, não respeitam a legislação ambiental e os colonos iniciais não são mais os mesmos;
33. O poder da nação foi entregue aos civis de forma lenta, gradual e de forma pacífica e responsável;
34. Todos os Presidentes da República dessa era morreram dependendo tão somente dos seus soldos, ou seja, sem riqueza. Nenhum dos seus filhos se beneficiou do Governo da época. No final de sua vida, o ex Presidente Figueiredo teve que contar com a ajuda de parentes e amigos.

ESPALHE ENTRE A POPULAÇÃO, POIS TUDO O QUE FOI FEITO PELA CONTRA REVOLUÇÃO DE 1964 FOI DETURPADO PELA ESQUERDA AO LONGO DOS ANOS, COMO POR EXEMPLO, “BOTARAM NA CABEÇA DOS INCAUTOS” QUE DILMA, GENOINO, DIRCEU, MARIGHELA, E OUTROS, LUTARAM PELA “DEMOCRACIA”.