MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

General Paulo Chagas é demitido do Departamento-Geral do Pessoal

Minha resposta ao “recado” do Sr Ministro Jaques Wagner
Caros amigos
Há um mês atrás, dei-lhes conhecimento de um texto/mensagem que eu havia endereçado a S Exa o Ministro Jaques Wagner, da Defesa, no qual, como introdução, referi-me aos valores que fazem das Forças Armadas um organismo único, permanente, visceralmente vinculado a seu passado, à sua história e indivisível no tempo, ontem e hoje, como querem negar seus camaradas do Foro de São Paulo.
Na mesma mensagem, postada no site do Ministério da Defesa, coloquei dois questionamentos.
Solicitei ao Sr Ministro uma explicação sobre os critérios que o levaram à imperdoável substituição do nome de um General pelo de um terrorista em uma escola do estado da Bahia e uma justificativa para o seu suposto “voluntariado” para ser Ministro da Defesa, vis-a-vis de seu aparente desprezo pelos militares.
Ainda não recebi a resposta do Sr Ministro, mas, com muita honra, recebi seu “recado”, dando-me conta de que recebeu minha mensagem.
Mais me honrou a escolha do Mensageiro Especial, Sua Excelência o Gen Ex Enzo Martins Peri, desde ontem, ex-comandante do Exército, que, obviamente, por improcedente constrangimento, delegou a outro a transmissão do “comunicado ministerial”, determinando minha dispensa da tarefa que, a convite, exercia, por tempo certo, no Departamento Geral do Pessoal (DGP).
Minha exoneração, embora antecipada por alguns dias, não contrariou a cláusula do “tempo certo”, pois meu compromisso estava condicionado à permanência do Chefe do DGP em sua função, o que, antes disso, eu já sabia que não ocorreria.
Não sei se o Sr Ministro pretendia punir-me com sua determinação ao então Comandante do Exército, a quem sempre prezei e respeitei, mas, se assim foi, deu um “tiro na água”!
Não tenho nada de especial a pensar sobre a atitude ou a pessoa do Sr Jaques Wagner, já que, para mim, como já expressei em outro texto, ele é apenas um petista, com toda a insignificância que o título encerra. Trata-se meramente de um político em função de ministro, cujo trânsito nos poderes executivo e legislativo deve ser explorado, com prudência. O fato, por conseguinte, penso de uma foto de conhecimento pdantes de Forças para incrementar o Poder Militar brasilê,  pelos Comandantes para incrementar o poder dissuasório das Forças Armadas. Ressalto a prudência baseado no que a mídia nos tem mostrado a respeito da operação “Lava-Jato” e da participação do seu partido nas negociatas do chamado “PTrolão”.
Tanto não tenho interesse em desqualificar a pessoa do Sr JW que nunca me permiti explorar junto a meus amigos ou fazer comentários sobre uma fotografia, de conhecimento público, em que Sua Excelência aparece intermediando um beijo entre duas senhoras. Desconheço as circunstâncias do flagrante e tampouco tenho, ou pretendo ter, com ele a intimidade que, parece, têm as senhoras que o protagonizam.
Por outro lado, minha dispensa persecutória da tarefa para a qual havia sido convidado muito valoriza meu currículo, dado que me equipara, por baixo, com muita honra, ao Gen Ex Maynard Marques de Santa Rosa que, por razões mais importantes, desagradou outro Ministro da Defesa e, por intermédio do mesmo Mensageiro Especial, foi exonerado persecutoriamente da Chefia do Departamento Geral do Pessoal!
Finalizo este texto/resposta, que pretendo postar à Ouvidoria do MD, dizendo que não quero ser uma “pedra no sapato” do Sr Jaques Wagner, não tenho humildade para chegar tão baixo, mas, como brasileiro, soldado e patriota, acuso o recebimento do “recado”, reafirmando minha cada vez mais firme disposição para conhecer as respostas aos questionamentos que o levaram a chamar à sua presença o Comandante do Exército e a fazê-lo mensageiro de seu desconforto.
Acrescento, por oportuno, que tenho a mesma determinação em relação à Ação Popular que movo, representando o Grupo TERNUMA, contra a Presidência da República, face ao decreto que institui os “sovietes do pt”, e em relação à Ação Ordinária que, junto com meus irmãos e por intermédio do Dr Amadeu de Almeida Weinmann, movemos contra a dita Comissão Nacional da Verdade, em resgate da memória de nosso pai.
Gen Bda Paulo Chagas

Obs.: O general Paulo Chagas, presidente do Ternuma (http://www.ternuma.com.br/), trabalhava no Departamento-Geral do Pessoal, como prestador de tarefa por tempo certo. Para quem ainda não sabe, Jaques Wagner é aquele barbudinho que descerrou placa alusiva à mudança de nome de escola na Bahia, de Presidente Médici, para a do terrorista Carlos Marighella, ídolo dele. O antigo ministro da Defesa, Nelson Jobim, demitiu o general Santa Rosa, por este ter circulado um e-mail, em que classificava a Comissão Nacional da Verdade de "Comissão da Calúnia" - cfr. o texto do general Santa Rosa em

(F. Maier).