MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Ética e dinheiro

Ética e dinheiro

Publicado por Liberdade Juridica
 
Por Oriovisto Guimarães

“Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro ou do padeiro que podemos esperar nosso jantar, mas da consideração em que eles têm pelo interesse próprio”, escreveu Adam Smith em A Riqueza das Nações, de 1776.
Qualquer política ou exigência moral que se baseie em premissas que contrariam as leis da natureza invariavelmente acaba em vícios, doenças, ladroagens e outros escândalos. Desconhecer a lei da gravidade não ajuda o construtor de aviões. Reprimir em excesso nossos naturais impulsos sexuais acaba, via de regra, em doença psíquica, ensinou Freud.

Não respeitar as leis da natureza é pedir para fracassar. Conhecê-las e respeitar sua implacável validade é sempre necessário para o homem ou a sociedade humana alcançar a felicidade e o progresso. A preocupação com o meio ambiente e com o equilíbrio ecológico, presentes em várias correntes do pensamento, revela que o homem está ficando mais sábio.

Adam Smith, ao explicar a origem da riqueza das nações, tomou por base o conceito de “liberdade natural”, cuja principal característica é a liberdade individual para competir com os semelhantes, com intervenção mínima do Estado. Essa “liberdade natural” não pode e não deve ser sufocada, pois sempre que isso foi feito o resultado foi a miséria do povo e privilégios de ditadores e burocratas, não raro com corrupção generalizada.

Um Estado mínimo que garanta a justiça na competição entre indivíduos livres é fundamental para a existência da civilização e o impedimento da barbárie. Não se trata de ser contra a necessidade do Estado. O que se discute é o tamanho do Estado e até que ponto ele deve interferir na liberdade natural dos indivíduos.

Ditadores, partidos e políticos de viés totalitário tendem sempre a esmagar a liberdade natural. Não admitem a liberdade de imprensa, criam monopólios econômicos estatais (monopólio do petróleo, dos correios, da energia etc.) e ainda julgam deter o monopólio da verdade.

Quanto maior o Estado, menor a liberdade natural dos indivíduos, maior a corrupção e menor o crescimento econômico. Ditadores ou partidos políticos que se julgam iluminados e defensores dos pobres são pessoas comuns (que de iluminados não têm nada); na essência, buscam posição de poder para a defesa de seus próprios interesses. Mentem quando desejam levar o povo a crer que eles não têm interesses egoístas e são anjos que vieram para salvar a pátria.

Aí está o exemplo da desmoralização da Petrobras, que nasceu sob a máxima de Getúlio Vargas “o petróleo é nosso”, e hoje mostra que o petróleo não é do povo, mas dos partidos políticos e dos diretores corruptos nomeados. Eles, associados a empresários igualmente corruptos, fizeram o valor da empresa cair 60% nos últimos dez anos.

Outra grande estatal, a Eletrobras, vítima de uso político indevido pela Medida Provisória n.º 579/2012, acaba de admitir que não tem recursos para pagar os dividendos neste ano. A riqueza e o acúmulo de dinheiro somente são éticos quando fruto da “liberdade natural” do empreendedor, obediente às leis. Nesse caso, toda a sociedade se beneficia com a geração de riquezas, empregos e impostos.

O empreendedor honesto, que trabalha sob normas legais, merece o aplauso e o respeito da nação. Os políticos ou empresários que enriquecem com o dinheiro da corrupção nas atividades em que o Estado, com o dinheiro dos impostos, é o controlador merecem o nosso desprezo e a prisão.

Publicado originalmente na Gazeta do Povo

Perfil destinado à divulgação de artigos relacionados ao direito e à liberdade individual, em suas mais diversas manifestações. Republicamos artigos de sites especializados no assunto e aceitamos contribuições individuais.