MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Comissão da Calúnia: Dilma tiririca da vida com as críticas do Exército

No dia 21 de dezembro de 2009, o ato de lançamento do PNDH-3
(Foto: Roosewelt Pinheiro/Agência Brasil)

Dilma cobra explicação de Jobim sobre documento

Presidente desaprova vazamento de críticas do Comando do Exército à Comissão da Verdade

Gerson Camarotti

BRASÍLIA. Contrariada com um documento do Comando do Exército com críticas à criação da Comissão da Verdade, a presidente Dilma Rousseff cobrou ontem explicações do ministro da Defesa, Nelson Jobim. O documento, revelado esta semana pelo GLOBO, foi enviado ao Ministério da Defesa e sustenta que a Comissão da Verdade poderá "provocar tensões e sérias desavenças ao trazer fatos superados à nova discussão".

Em reunião no Palácio do Planalto ontem à tarde, Dilma quis saber de Jobim em quais circunstâncias o documento foi produzido e as providências tomadas pelo Ministério da Defesa. Na audiência, que terminou no início da noite, Jobim sustentou que o documento não foi redigido no atual governo, mas sim em setembro de 2010. Mas o texto a que O GLOBO teve acesso tem data de fevereiro deste ano.

O ministro explicou que o texto do Exército, endossado pelas demais forças, foi uma resposta à solicitação feita pela assessoria parlamentar do ministério aos comandos, para que se posicionassem sobre a proposta legislativa enviada ao Congresso para a criação da Comissão da Verdade. Segundo relatos de assessores do governo, Jobim disse a Dilma que divulgou uma nota com esses esclarecimentos e acrescentou que a situação interna estava superada.

A nota divulgada esta semana pelo Ministério da Defesa afirma que "a manifestação do Exército foi superada, ainda no ano de 2010, em face da posição inequívoca do ministro da Defesa a favor" da criação da comissão. De forma reservada, assessores palacianos classificaram como "constrangedor" o documento do Exército. Segundo relatos, a própria Dilma desaprovou com veemência o conteúdo do texto produzido internamente pelo Comando do Exército.

No Palácio do Planalto, o vazamento do documento foi visto como uma forma de insubordinação de setores do Exército e de demonstração clara de insatisfação com a criação da Comissão da Verdade. A comissão foi proposta pelo Executivo ao Congresso para reconstituir a história da época da ditadura militar. O projeto que cria a comissão está em tramitação, e a previsão é que a matéria seja votada este ano. Dilma tem posição claramente favorável à proposta.

Segundo o texto obtido pelo GLOBO, o Comando do Exército afirma que comissões desse tipo "costumam ser criadas em um contexto de transição política, o que não é o caso".