MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

PAC desvia R$ 70,5 milhões para os Irmãos Petralhas


Empreiteiras com obras irregulares do PAC deram R$ 70,5 milhões ao PT

Partido foi o maior beneficiado por essas empresas, que doaram R$ 240,5 milhões para campanhas no 1º turno das eleições deste ano


13 de novembro de 2010 14h 42


Alfredo Junqueira - O Estado de S.Paulo


Empresas responsáveis por obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) consideradas irregulares pelo Tribunal de Contas da União (TCU) doaram R$ 240,5 milhões para campanhas políticas ao longo do primeiro turno das eleições deste ano. O partido mais beneficiado pelas contribuições dessas empreiteiras foi o PT, cujas campanhas receberam R$ 70,5 milhões. Somente a direção nacional da legenda foi agraciada com R$ 18,7 milhões.
Com base em processos disponíveis no site do TCU, o Estado identificou empresas responsáveis ou integrantes de consórcios de 9 das 18 obras do PAC que apresentaram irregularidades graves e que, portanto, terão de ser paralisadas. Entram nesse grupo a Camargo Corrêa, integrante do consórcio contratado para realizar melhoramentos no Aeroporto de Vitória (ES). Foi a empreiteira que mais doou no primeiro turno: R$ 91,7 milhões.
Em seguida, vem a Construtora Queiroz Galvão. A empresa é responsável pela construção do Canal do Sertão, em Alagoas, da Adutora Pirapama, em Pernambuco, e faz parte do pool de empreiteiras que deveria reformar e ampliar o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. A construtora contribuiu com R$ 58,2 milhões.
Ainda integram o grupo as construtoras OAS (R$ 41,2 milhões), Egesa (12,3 milhões), Mendes Júnior (R$ 12,2 milhões), Constran (R$ 3,8 milhões), EIT - Empresa Industrial Técnica (R$ 9,7 milhões), Serveng (R$ 9,3 milhões) e Odebrecht (R$ 2,1 milhões). Todos esses montantes deverão ainda ser reajustados.
O prazo para a prestação de contas dos candidatos que participaram do segundo turno - inclusive da presidente eleita, Dilma Rousseff (PT), e do candidato derrotado José Serra (PSDB) - termina no próximo dia 30.
Depois do PT, a legenda que mais recebeu recursos das empreiteiras das obras irregulares do PAC foi o PMDB, com R$ 38,4 milhões. Logo atrás aparece o PSDB, com R$ 38,1 milhões. O crescimento do PSB nas urnas se refletiu nas doações às campanhas do partido. Os socialistas, que passam a governar seis Estados a partir do dia 1.º de janeiro, ficaram em quarto lugar, com R$ 25,3 milhões - superando até o DEM, que recebeu R$ 16,5 milhões.
O PV, da candidata derrotada à Presidência, Marina Silva, aparece apenas na nona posição, com R$ 4,2 milhões em doações. A campanha dela recebeu duas contribuições diretas por parte da Camargo Corrêa, totalizando R$ 1 milhão.
No ranking das doações individuais, os oito beneficiários com maior volume de recursos são integrantes do PT ou de partidos aliados. O líder é Aloizio Mercadante, candidato petista derrotado ao governo de São Paulo, que recebeu R$ 5,5 milhões dessas construtoras. Também derrotado ao governo do Paraná, Osmar Dias (PDT) vem em segundo, com R$ 5 milhões. O governador reeleito do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), é o terceiro, com R$ 3,3 milhões.
Os cinco candidatos seguintes são do PT: Fernando Pimentel (R$ 3 milhões), Jaques Wagner (R$ 3 milhões), Marta Suplicy (R$ 2,7 milhões), Tarso Genro (R$ 2 milhões) e Gleisi Hoffman (R$ 1,8 milhão).
Governador reeleito de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB) é o primeiro integrante de um partido de oposição a figurar entre os principais beneficiários das doações das empreiteiras das obras irregulares do PAC. Ele aparece em nono lugar, com R$ 1,7 milhão. Logo depois vem outro oposicionista: Beto Richa (PSDB), que se elegeu governador do Paraná e recebeu R$ 1,5 milhão.
Os tucanos, no entanto, não têm muito do que reclamar. Apesar das construtoras não terem registrado nenhuma doação para a direção nacional do partido no primeiro turno, os comitês financeiros e a direção estadual da legenda em São Paulo - principal área de atuação tucana - receberam R$ 12,2 milhões.
A relação de 231 obras fiscalizadas pelo TCU foi entregue na terça-feira aos presidentes da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), que se elegeu vice na chapa liderada por Dilma, e do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Além das 18 obras do PAC, foram encontrados indícios graves em outras 14 iniciativas que contam com recursos federais. A maior parte das irregularidades encontradas pelas auditorias do TCU refere-se a sobrepreço e superfaturamento. Também foram identificados problemas como falhas de projetos e irregularidades ambientais.
.ExternalClass .ecxbuol
{font-size:10px;width:97em;}
.ExternalClass .ecxbuol.auto
{width:auto;}
.ExternalClass .ecxbuol .ecxbuolbg
{height:2.4em;overflow:hidden;}
.ExternalClass .ecxbuol .ecxbuolbg img
{width:100%;height:15.9em;}
.ExternalClass .ecxbuol .ecxico
{overflow:hidden;top:0;left:0.3em;z-index:2;width:2em;}
.ExternalClass .ecxbuoli li a.ecxico, .ExternalClass .ecxbuoli li a.ecxico:visited
{padding:0;}
.ExternalClass .ecxbuol .ecxico img
{width:5.1em;height:15.9em;border:0;}
.ExternalClass .ecxbuoli
{height:2.4em;width:98.8em;overflow:hidden;font:normal 1em arial,sans-serif;color:#fff;top:0;left:0;z-index:1;}
.ExternalClass .ecxbuol.auto .ecxbuoli
{left:50%;margin-left:-49.4em;}
.ExternalClass .ecxbuoli form
{display:inline;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxindice select
{font:normal 1em arial,sans-serif;}
.ExternalClass .ecxbuoli ul
{padding:0;list-style:none;width:98.8em;}
.ExternalClass .ecxbuoli ul li
{padding:0;float:left;padding:0;border-right:0.1em solid #02264b;border-left:0.1em solid #486d92;height:2.4em;}
.ExternalClass .ecxbuoli a, .ExternalClass .ecxbuoli a:visited
{color:#fff !important;text-decoration:none;display:block;padding:0.5em 1.0em 0.6em 0.4em;height:2.4em;float:left;}
.ExternalClass .ecxbuoli a:hover
{text-decoration:underline;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxp
{border-left:none;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxu
{border-right:none;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxlogo
{width:6.1em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxassine
{width:13em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxassine a
{text-align:center;width:12em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxlogo a
{padding:2.5em 0 0 0;width:6.1em;top:0;left:0;z-index:3;background-color:#fff;filter:alpha(opacity=0);}
.ExternalClass .ecxbuol .ecxbuoli .ecxlogo .ecxico
{width:5.5em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxlogo .ecxico
{left:0.4em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxlogo .ecxico img
{top:-2.4em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxmessenger .ecxt, .ExternalClass .ecxbuoli .ecxmessenger .ecxt:visited
{padding-left:2.3em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxmessenger .ecxico img
{;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxvoip .ecxt, .ExternalClass .ecxbuoli .ecxvoip .ecxt:visited
{padding-left:2.2em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxvoip .ecxico img
{;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxemail .ecxt, .ExternalClass .ecxbuoli .ecxemail .ecxt:visited
{padding-left:2.1em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxemail .ecxico img
{;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxshop .ecxt, .ExternalClass .ecxbuoli .ecxshop .ecxt:visited
{padding-left:3.2em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxshop .ecxico
{width:2.7em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxshop .ecxico img
{;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxindice
{height:2.4em;}
.ExternalClass .ecxbuoli .ecxindice select
{background-color:#50728e;color:#fff;border:0.1em solid #7f9db9;height:1.7em;width:13.8em;overflow:hidden;}
Acompanhe a Folha.com no Twitter
14/11/2010 - 08h53
Petrobras tem 43 contratos com marido de ministeriável
DE SÃO PAULO
A empresa do marido de Maria das Graças Foster, nome forte para o primeiro escalão do governo Dilma Rousseff, multiplicou os contratos com a Petrobras a partir de 2007, ano em que a engenheira ganhou cargo de direção na estatal, informa a reportagem de Fernanda Odilla, publicada na edição deste domingo da Folha e disponível na íntegra para assinante do jornal e do UOL.
Acompanhe a Folha Poder no TwitterComente reportagens em nossa página no Facebook
Nos últimos três anos, a C.Foster, de propriedade de Colin Vaughan Foster, assinou 42 contratos, sendo 20 sem licitação, para fornecer componentes eletrônicos para áreas de tecnologia, exploração e produção a diferentes unidades da estatal.
Entre 2005 e 2007, apenas um processo de compra (sem licitação) havia sido feito com a empresa do marido de Graça, segundo a Petrobras.
A C.Foster, que já vendeu R$ 614 mil em equipamentos para a Petrobras, começou na década de 1980 com foco no setor de óleo e gás, área hoje sob a responsabilidade de Graça Foster.
Funcionária de carreira da Petrobras, Graça é cotada para um cargo no primeiro escalão do governo dilmista, como a presidência da Petrobras, a Casa Civil, a Secretaria-Geral da Presidência ou outro posto próximo da presidente eleita, de quem ganhou confiança.
Leia a reportagem completa na Folha deste domingo, que já está nas bancas.