MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Defenda seu filho

Impostura total

http://www.escolasempartido.org/?id=38,1,article,2,329,sid,1,ch

Relato sobre a minha entrevista [Miguel Nagib] com o coordenador de ensino do Colégio “X”, realizada em 21 de maio de 2009.

A reclamação que encaminhei

O professor de geografia do meu filho afirmou que, antigamente, diziam que a dívida externa brasileira era impagável, mas “o Lula foi lá e pagou tudo direitinho”.

Fazer tal afirmação sem contar para os alunos que eram justamente Lula e o PT quem mais defendiam a tese de que a dívida seria impagável significa tirar proveito da pouca idade dos alunos para mostrar-lhes uma versão fraudada da história recente do país. E como o professor tem idade para saber a diferença entre o que Lula e o PT diziam e o que fizeram quando chegaram ao poder, está claro que o professor manipulou a história de forma deliberada.

Respostas à reclamação

1. O coordenador afirmou que os professores não são todos de esquerda. Mencionou um professor do colégio que era de direita e que já tinha feito propaganda para Guilherme Afif Domingos em sala de aula.

Comentário: Essa resposta é mais uma evidência em favor da afixação dos cartazes antidoutrinação nas salas de aula, pois um professor de ensino médio e fundamental não deve fazer propaganda eleitoral para candidato de partido nenhum. Isso contradiz os argumentos usados pelo coordenador para repudiar os cartazes, conforme se verá adiante. E tal incoerência prova que o coordenador, cujas ideias são de esquerda, não se incomoda com a doutrinação por saber que, embora nem todos os professores sejam de esquerda, a grande maioria deles é.

2. O coordenador pôs em dúvida se o professor realmente disse o que meu filho afirmou que ele disse.

Comentário: Por aí já se vê a má vontade com que minha queixa foi recebida, embora o coordenador tenha me tratado de forma perfeitamente polida. Mas o fato é que, pelo conhecimento que tenho sobre o que pensa a maioria dos meus colegas professores, verifico que o relato que meu filho fez é coerente com aquele modo de pensar. Assim, estou certo de que ele não inventou e nem interpretou mal o que foi dito em aula.

3. O coordenador afirmou que o professor não mentiu, pois é verdade que diziam que a dívida era impagável e que é verdade que Lula pagou a dívida externa.

Comentário: Embora polido, ele foi bastante cínico ao se fazer de desentendido. Afinal, eu já havia explicado que muitas mentiras podem ser contadas dizendo apenas a verdade. A manipulação está no fato de o professor dizer essas coisas sem informar que eram justamente Lula e o PT os maiores defensores da tese de que a dívida deveria ser cancelada ou renegociada por ser impagável. Além disso, vê-se que o coordenador ignora o fato de que Lula não pagou a dívida externa, que continua existindo, mas apenas as últimas parcelas da dívida com o FMI. Eu chamei atenção para esse fato durante a entrevista.

Questionamentos que fiz quanto aos conteúdos das aulas de geografia agrária

Reclamei que o professor passa uma informação falsa quando diz que a produtividade agrícola brasileira só aumenta nas culturas de exportação, pois os dados do IBGE provam que culturas como as de arroz, batata e milho, entre outras, têm desempenho excelente em termos de elevação da produtividade, em geral até superior ao de culturas como as de soja, laranja e cana.
O coordenador respondeu que há muitas formas de interpretar a realidade, e que um cientista, por mais abalizada que seja sua análise, pode ser contestado por outro especialista tão respeitável quanto ele.

Comentário: Minha tréplica foi que isso é verdade só até certo ponto, pois, no debate científico, há questões de fato sobre as quais não há dúvidas, já que amplamente demonstradas por observações empíricas. É justamente o caso no que diz respeito à produtividade agrícola: não é questão de opinião e nem de escolher entre esta ou aquela teoria. Por isso os professores e livros didáticos não mostram os dados de produtividade quando fazem afirmações falsas sobre o tema.

Questionei o fato de o professor de geografia usar a expressão “ocupação de terras” em lugar de “invasão de terras”, já que a palavra “invasão” é a mais adequada, semanticamente, para descrever a entrada não autorizada de pessoas numa propriedade.

O coordenador respondeu que é correto falar em ocupação de terra, ao invés de invasão, se for trabalhada a concepção de que a propriedade deve ter uma “função social”.

Comentário: Como se vê, o coordenador defende que a escolha dos termos a serem utilizados para descrever um fenômeno deve ser pautada por teorias e ideologias que já trazem uma justificativa para as ações sociais empreendidas, ao invés de buscarem-se os termos semanticamente mais adequados para a descrição. Ademais, note-se que, para o coordenador de ensino, quem deve decidir se uma dada propriedade cumpre ou não sua “função social” são os próprios interessados em a tomarem para si, não os poderes constituídos. Um coordenador de ensino que defende o desrespeito ao estado de direito...

O coordenador ainda citou um caso em que assentados de um programa de reforma agrária foram punidos por haverem cortado madeira ilegalmente, embora a empresa que antes ocupava aquela área tenha feito a mesma coisa sem sofrer punição.

Comentário: O coordenador faz de conta que defende o princípio da igualdade de todos perante a lei, mas sua justificativa para as “ocupações” já havia deixado claro que ele concede aos ditos “sem-terra” o direito de agir contra a lei. Todavia, para não fazer o clima pesar, repliquei apenas que há estudos que demonstram que o desmatamento e o desrespeito à legislação ambiental são muito maiores nas áreas invadidas e nos assentamentos de reforma agrária do que nas outras propriedades (ver aqui).

Sobre as propostas do ESP

Mostrei ao coordenador o site do ESP, ao que ele respondeu esquematicamente o seguinte:

1. Não é possível dispensar os livros didáticos no ensino; o colégio já tentou isso e não funcionou.
Comentário: nem eu, nem o ESP defendem que não sejam usados livros didáticos, mas apenas que esses livros deixem de ser unilaterais.

2. O conteúdo é muito grande, não sendo possível acrescentar conteúdos novos para contemplar uma pluralidade de visões.

Comentário: Isso é verdadeiro. Mas é por essa razão que a escola deve privilegiar o ensino de informações fatuais, que não dependem de ideologia ou ponto de vista teórico, como no já citado exemplo da produtividade agrícola. A apresentação de teorias diferentes para a explicação de um fenômeno é necessária para desenvolver a capacidade de reflexão dos alunos, mas deve ser restrita a alguns tópicos para não inflar demais o currículo. E essas teorias não devem ser apresentadas como se uma fosse a verdadeira e as outras todas ideologias mistificadoras a serviço de certos interesses, conforme os professores estão fazendo atualmente.

3. É impossível haver neutralidade e despolitização do ensino.

Comentário: Por mais cuidado que um professor tome para transmitir conteúdos de forma politicamente neutra, sempre é possível dizer que determinada ênfase, o uso desta ou daquela palavra, etc., trai certos valores ou ideologias do professor. Mas isso não exime o professor do dever de assumir um compromisso com a neutralidade e a objetividade.

Ou seja, o professor deve se esforçar para transmitir conteúdos baseados em informações factuais tão objetivas quanto possível e para apresentar pontos de vista divergentes com o máximo de equilíbrio.

Mas o coordenador diz que a neutralidade é impossível exatamente para negar que o professor deva ter qualquer compromisso com a neutralidade. Como um esquerdista típico, ele acredita que, se a neutralidade absoluta é impossível, o negócio é cada professor vender o seu peixe e pronto!

4. O coordenador disse também que os meios de comunicação não são neutros, sendo que a Rede Globo é claramente “de direita”.

Comentário: Embora o coordenador diga ser contra a doutrinação ideológica, deixa implícita a ideia de que, se não existe neutralidade nos meios de comunicação, o professor também não precisa ter nenhum compromisso com a neutralidade. E como se não houvesse nenhuma diferença entre a atividade jornalística e o trabalho de professor.

5. O coordenador afirmou que, no caso das privatizações, é preciso realmente denunciar o que teria acontecido. Segundo ele, não há dúvida de que a Vale do Rio Doce e a Telebrás foram vendidas abaixo do valor. Citou que o governo FHC investiu 23 bilhões de dólares nos dois anos anteriores à privatização da Telebrás e vendeu a empresa por apenas 22 bilhões.

Comentário: Vemos aí um discurso totalmente contraditório, para não dizer hipócrita.

Realmente, após afirmar que uma avaliação da agricultura baseada em indicadores estatísticos é só uma visão entre outras, o coordenador fala como se a sua visão das privatizações fosse inquestionável em virtude dos números que citou.

Além disso, o coordenador mostrou-se profundamente ignorante dos números. Eu lhe perguntei qual foi o percentual de ações da Telebrás vendidas no processo de privatização e ele respondeu que o governo “vendeu tudo”. Eu repliquei que, na verdade, foram vendidas apenas 22% das ações da Telebrás, que era o suficiente para transferir o controle acionário da empresa. Desse modo, não faz o menor sentido comparar o preço de venda desse percentual das ações com os investimentos feitos antes da privatização, já que tais investimentos valorizaram tanto as ações vendidas como aquelas que continuaram em poder do governo após a venda.

Sobre o cartaz antidoutrinação

1. Ele afirmou que o cartaz em si já é uma doutrina, pois qualquer conjunto de regras a ser aplicado é uma doutrina.
Comentário: Como se vê, o coordenador muda o sentido dado pelo ESP à palavra “doutrinação” para acusar uma incoerência onde ela não existe.

2. Ele disse que não afixaria o cartaz por entender que é preciso confiar nas pessoas que trabalham na escola.
Comentário: Esse é outro argumento hipócrita. Se tudo fosse questão de confiança, as escolas não precisariam ter coordenadores pedagógicos ou de ensino, cujas funções incluem avaliar o desempenho dos docentes em termos metodológicos e também quanto à capacidade de garantir a disciplina em aula. Nas escolas públicas, quando um coordenador considera que um professor está falhando, registra em ata suas censuras ao trabalho dele, e esse registro pode ser usado para impedir a progressão do professor na carreira. E os alunos têm o direito de encaminhar reclamações sobre o professor ao coordenador pedagógico ou de ensino quando se julgam prejudicados em seu aprendizado ou injustiçados por medidas punitivas. Nesse sentido, o cartaz é apenas um instrumento que visa informar aos alunos que eles devem avaliar os professores também do ponto de vista do compromisso que estes devem manter com a neutralidade.

3. O cartaz iria distrair os alunos.
Comentário: No primeiro dia, é possível que sim. Depois que virasse parte da paisagem, seu texto só seria lembrado quando o professor agisse de forma explicitamente doutrinadora. Justamente essa é a função do cartaz.

4. O item que fala em não incentivar a participação política dos alunos é questionável, pois essa interdição só deve valer para propaganda partidária.
Comentário: A participação política em campanhas sobre temas específicos possui conteúdo partidário tanto quanto a propaganda eleitoral explícita. Que o digam os professores que, em 2001, colocaram urnas nas escolas para que as pessoas votassem no plebiscito organizado por MST, CUT e outras entidades em favor do não pagamento da dívida externa...

5. Os alunos iriam usar o cartaz para polemizar nas aulas, de maneira a evitar que o conteúdo fosse dado, estratégia essa que eles já utilizam.
Comentário: Se essa estratégia já é usada sem o cartaz, cabe às escolas desenvolveram contra-estratégias, caso elas não existam ainda. Essa só seria uma objeção válida se o cartaz fosse o único meio de “matar aula” criando polêmicas, mas o próprio coordenador reconhece que o problema já existe.

CONCLUSÃO

Os grandes obstáculos à campanha em prol do cartaz antidoutrinação são o dogmatismo ideológico, a ignorância e o militantismo dos professores. Assim, fica difícil saber se a melhor estratégia é trabalhar o problema com os professores para mudar suas concepções e atitudes educacionais, de modo a favorecer a aceitação voluntária dos cartazes, ou seguir pelo caminho das representações e outros instrumentos jurídicos. O jeito é investir nas duas frentes ao mesmo tempo.

– visite e divulgue o http://www.escolasempartido.org/