MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

domingo, 15 de março de 2009

O GENERAL CESÁREO

Gen. Bda RI Valmir Fonseca Azevedo Pereira
Recentemente, lemos comentários próximos da inconsequência referidos aos três Oficiais - Generais que haviam elaborado uma avaliação que fora apresentada na última reunião do Alto - Comando do Exército, e considerada negativa à END.
De fato, por detrás de um utópico elenco de melhorias e capacitações militares, tudo imaginado para um futuro nebuloso e incerto, e sem qualquer referência financeira, sinalizava que havia algo de podre no reino do MD.
Realmente, aqueles Oficiais vislumbraram na fatídica END, que o auspicioso presente, era de grego, pois contém perdas irreversíveis para o Estamento Militar, implicando, não apenas na sua subordinação total, mas pior, na sua subserviência inconteste em prol de pretensas autoridades.
Trazidos à baila alguns trechos da END, concordamos que a mesma, extraídas suas pretensões de super potência (eis que faltam recursos até para a alimentação da tropa) é um tiro no pé, e incursiona e solapa a autoridade militar e retira sua capacidade de gerir recursos financeiros, de prever e prover suas necessidades em armamento e equipamento. Ou seja, o documento é cheio de armadilhas, e não trata de capacitação, e sim de subordinação.
Assim, é flagrante que a END sepultará de vez a autoridade dos Comandantes de Força (apesar dos elogios à END do Comandante da Marinha publicados na imprensa, rebatendo as observações dos três Generais), e no Ministério da Defesa, sob sua vigência, o Segmento Militar exercerá um papel coadjuvante ou de "cabo da faxina".
Podemos citar outros argumentos levantados com propriedade pelos Oficiais e, ao final concluímos que eles estão cobertos de razão. Contudo, alguns criticaram a atitude daqueles Chefes Militares, alegando que a adotaram, pois dois estavam passando para a reserva e ao final da carreira teriam criado "coragem".
Hoje, tomamos conhecimento das veementes palavras de despedida do CML do General Cesário. Nelas, entre outras referências, defende com ardor a Contra - Revolução de 31 de Março de 1964, relembrado por ele como um "acontecimento memorável". Presente e entrevistado a respeito, o conciliador Exmo Sr Comandante do Exercito, sentenciou: "Manifestou a participação dele como cadete. É o sentimento que tem. O Movimento de 31 de Março de 1964 pertence à História".
No entanto, para a Comissão de Anistia, para os trêfegos terroristas premiados com polpudas indenizações e para os que combateram à Subversão e à quebra da Ordem Pública, como o perseguido Cel Ustra, esta é uma historia bem atual, e conforme assinalou o escritor Julio Severo, transcrito em artigo recente "Nem Tudo Esta Dominado I" de Geraldo Almendra:
- "O Regime Militar de 64 é a muleta moral dos intelectuais - eles o acusam de todos os crimes para melhor acobertarem os próprios... a esquerda, com o objetivo de demonizar os militares, transformou o falacioso conceito de direitos humanos num dogma divino. Como se vê, a criminalização paranóica dos militares só atende a um objetivo - esconder que os intelectuais de esquerda forjaram um país muito pior que o deles."
Sobre o General Cesário, cumpre recordar que sempre manteve uma atitude firme contra a "esquerdalha" que nos cerca, que sempre defendeu e prestigiou as Forças Armadas, que procurou manter o CML livre da corja que nós conhecemos.
É do domínio militar que teve no seu comando a hombridade de comemorar a Revolução, de relembrar a Intentona Comunista (chegando a exarar importante e histórica Ordem do Dia, em conjunto com o Gen. Castro, então Chefe do DEP), isto para citar apenas os acontecimentos mais transparentes e que chegaram ao nosso conhecimento. Certamente, existem outros, nos quais o General Cesário imprimiu, com muito desassombro, sua postura de chefe e defensor da dignidade e da honra militar.
Finalizando, recordem que o crápula do Governador do RJ, considerou o General Cesário "persona non grata", pois nunca conseguiu subordiná - lo às suas torpes pretensões.
Portanto, após acompanhar a trajetória do ilustre militar, resta - nos em sua despedida do CML cumprimentá - lo e augurar - lhe muitas felicidades, na certeza de que ele lutou um bom combate.

Brasília, DF, 14 de março de 2009