MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Floresta Amazônica pode ficar mais seca, mas sobreviverá ao aquecimento


12/02/2009 - 09h02

Floresta Amazônica pode ficar mais seca, mas sobreviverá ao aquecimento

Por Alister Doyle*

A floresta Amazônica pode ser menos vulnerável ao aquecimento global do que se temia, pois muitas projeções subestimam a precipitação, mostrou um estudo.

O relatório produzido por cientistas britânicos também disse que o Brasil e outros países da região terão que agir para reverter a morte irreversível do leste da Amazônia, a parte que corre mais riscos com as mudanças climáticas, desmatamento e incêndios.

“O regime de chuvas no leste da Amazônia deve mudar ao longo do século XXI em uma direção mais favorável a florestas sazonais do que savanas”, escreveram no periódico norte-americano Proceedings of the National Academy of Sciences desta semana.

As florestas sazonais possuem tempo seco e úmido ao invés das atuais características da floresta tropical, que é permanentemente úmida. Esta mudança pode favorecer novas espécies de árvores, plantas e animais.

As conclusões contrastam com projeções anteriores que diziam que a Amazônia poderia morrer e ser substituída por uma savana.

Um relatório de 2007 do Painel Climático da ONU, que reúne os principais climatologistas do mundo, dizia que “até a metade do século, aumentos na temperatura e a redução associada da água no solo devem levar a uma substituição gradual da floresta tropical por savana no leste da Amazônia”.

O novo estudo demonstra que todos os 19 modelos climáticos globais subestimam a precipitação na maior floresta tropical do mundo após compará-los com observações do clima durante o século XX.

A media anual de chuvas nas florestas baixas da Amazônia é de 2.400 milímetros e, por isso, mesmo com as projeções de redução das chuvas, a região ainda seria úmida o suficiente para sustentar uma floresta. Os especialistas também examinaram estudos de campo sobre como seria a reação da Amazônia à seca. A conclusão foi que as florestas sazonais seriam mais resistentes a secas ocasionais, mas mais vulneráveis aos incêndios do que a atual floresta.

“A maneira fundamental para minimizar o risco de morte da Amazônia é controlar as emissões globais de gases do efeito estufa, especialmente resultantes (do uso) de combustíveis fósseis nos países desenvolvidos e na Ásia”, comentou o principal autor do estudo Yadvinder Malhi, da Universidade de Oxford.

Mas ele argumenta que os governos liderados pelo Brasil também precisam gerenciar melhor as florestas. “O aquecimento global é acompanhado de uma pressão sem precedentes sobre a floreta tropical através da exploração da madeira, desmatamento, fragmentação e uso do fogo”, escreveu o cientista.

Os incêndios, incluindo os causados por relâmpagos, devem causar mais danos às florestas já fragmentadas pelas estradas ou por fazendeiros abrindo espaço para cultivos, como a soja.

* Fonte: Reuters. Traduzido por Fernanda B Muller, CarbonoBrasil.

(Envolverde/CarbonoBrasil)

© Copyleft - É livre a reprodução exclusivamente para fins não comerciais, desde que o autor e a fonte sejam citados e esta nota seja incluída.

Fonte: http://envolverde.ig.com.br/