MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Brasilistão: Base de Alcântara x Quilombolas


Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009

Indigenistas, ambientalismo e quilombolas impedem Brasil aproveitar melhor base de foguetes do mundo

O Brasil tem em Alcântara (MA), um dos melhores locais ‒ se não o melhor do mundo ‒ para lançamento de foguetes.

O Programa Espacial nacional precisa construir uma nova base para esse efeito. Mas, artifícios de cunho indigenista ou quilombola apoiados pelo governo petista parecem mandados fazer para sabotar esse grande progresso.

Por um lado, para constuir a nova base, a Funai exige um estudo de impacto ambiental e um levantamento socioeconômico. Por outro, grupos teleguiados de “quilombolas” impedem que esse seja realizado.

É uma dança que parece combina para o Brasil sair perdendo. Seguindo o velho esquema de militantes de ONGs como a CPT, o MST, ou o CIMI para revolucionar o País - os famigerados “movimentos sociais” -, um Movimento dos Atingidos pela Base de Alcântara impede qualquer arranjo.

O líder do grupelho, entretanto, foi ao Fórum Social Mundial de Belém a vitoriar a Hugo Chávez, Lula y hermanos. Os quilombolas querem plantar mandioca, milho e feijão no terreno ideal para foguetes.

Como se nos 329.555 km2 de superfície do Maranhão não houvesse terra suficiente para esses plantios.

Parece brincadeira, mas não é. Se não se considera o intuito ideológico que anima essa confusão para inviabilizar o País, não se entende nada.

Fonte: http://esta-acontecendo.blogspot.com/2009/02/indigenistas-ambientalismo-e.html

***

Ministro critica 'intransigência' de quilombolas

Rezende diz que o movimento quilombola está sendo inflado por líderes que são movidos por 'outros interesses'

Eduardo Kattah - de O Estado de S.Paulo

BELO HORIZONTE - O ministro da Ciência e Tecnologia (MCT), Sérgio Rezende, disse nesta terça-feira, 17, que está havendo "intransigência" por parte de movimentos sociais envolvidos na demarcação de terras de remanescentes de quilombos na região de Alcântara, no Maranhão. Rezende afirmou que o movimento quilombola está sendo inflado por líderes que são movidos por "outros interesses". "Está havendo uma certa intransigência", disse. Ele manifestou preocupação com a situação, observando que o movimento "tem impedido ou dificultado a evolução do programa espacial".

"Temos de ter um diálogo. Nesse momento eles estão impedindo o trabalho que nós estamos procurando fazer", afirmou o ministro, que esteve em Belo Horizonte, onde assinou convênios com o governo de Minas Gerais. "Muitos desses movimentos sociais são liderados por pessoas que até têm outros interesses", disse, sem citar quais seriam essas pretensões.

O trabalho de demarcação realizado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) destinou 78,1 mil hectares aos quilombolas e 8,7 mil para o programa de lançamentos de foguetes. Rezende disse que tem discutido internamente a questão junto ao Ministério da Igualdade Racial, ao Incra e ao Ministério do Meio Ambiente.

Segundo Rezende, a estratégia é convencer os movimentos quilombolas de que as comunidades locais poderão ser beneficiadas com a expansão do programa espacial. Logo após o Carnaval, uma equipe do MCT deverá visitar a região.

Fonte: O Estado de S. Paulo - 18/02/2009