MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Assim não, ministra! Dimitri Medvedev de batom e o Putin de Garanhuns.


ASSIM NÃO, MINISTRA!

Reinaldo Azevedo

A ministra Dilma Rousseff não tem a mesma tarimba de Lula e também não goza da licença especial que seu chefe tem para dizer batatadas como quem formula pensamentos profundos. Ao negar que esteja em campanha antecipada e acusar as oposições de querer “interditar o governo” (ver post abaixo), afirmou: “Eu acho absolutamente incorreta essa versão de que estamos fazendo campanha. Nós estamos governando. O que eu fiz hoje aqui foi uma explicação [do Programa de Aceleração do Crescimento], eu devo explicação, e temos feito isso sistematicamente". Nem diga!

Até agora, ministra, ninguém ainda entende o PAC, né? É mesmo preciso que a excelência saia Brasil afora, com o seu batonzinho financiado pelos cofres públicos (ao menos segundo sugeriu seu chefe), para dar aulas sobre o programa...

Quando Dilma não está dedicada a essa tarefa do esclarecimento, nós a vemos inaugurando intenções e, como tenho apontado aqui há meses, expropriando, em nome do PAC, obras que nada têm a ver com o governo federal — inclusive aquelas tocadas pela iniciativa privada, algumas sem um tostão de dinheiro público, nem mesmo financiamento do BNDES.

Reitero: o TSE tem um belo exemplo a dar nos próximos dias — ou meses (espero que não sejam anos): DE NOVO: O TRIBUNAL QUE PUNE CÁSSIO TEM CORAGEM DE PUNIR CESAR?

http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo/


***

Ainda Tio Rei sobre Dilma:

Por Reinaldo Azevedo

Dilma Rousseff, convenham, ainda é ruim de cintura. É mais fácil fazer plástica na cara do que no temperamento ou na biografia. O presidente Lula ainda não tem um nome à sua sucessão, ainda não tem propriamente uma candidatura. Dilma está em construção. Os plásticos do Planalto e do PT estão em ação: puxa aqui, estica ali, corta este excesso, lixa acolá... Lula, o Velho, por enquanto, age como Lulinha, o Moço, nos tempos em que era monitor de Jardim Zoológico — sua impressionante prosperidade empresarial começa em 2003.

O presidente apresenta o povo a seu projeto de candidata mais ou menos como Lulinha devia mostrar aos visitantes onde ficavam a zebra, a girafa, a anta... A filósofa Marilena Chaui, num esforço brutal de pensamento, disse certa feita que, quando Lula fala, tudo se ilumina, tudo se esclarece. Nem diga! Dia desses, num comício (!?) em Salgueiro, em Pernambuco, o Apedeuta apresentou o sertanejo, esse tipo exótico, à sua candidata: “Dilma, olhe na cara desta gente. Você vai perceber que o sertanejo é diferente, ele é diferente do povo de outros Estados brasileiros. Você percebe a cara desta gente, o sofrimento, a expectativa". E Dilma — que já pegou em armas para fazer uma revolução que iria salvar justamente o povo —, conheceu, finalmente, o objeto de seu esforço caridoso: “Ah, então é isso...”

A verdadeira candidata de Lula, por enquanto, não é Dilma Rousseff, mas a leniência — que beira a conivência — das instituições e das vozes da sociedade civil com os óbvios desmandos eleitorais do Planalto e sua máquina de propaganda.

- Lula não tem uma candidata, não! Lula tem é a incapacidade de a oposição fazer oposição.
- Lula não tem uma candidata, não! Lula tem é a impressionante disposição de amplos setores da imprensa de não confrontar sua fala com a realidade.
- Lula não tem uma candidata, não! Lula tem é o marasmo da Justiça Eleitoral — É DILMA QUEM CONFESSA QUE ESTÁ NO PALANQUE HÁ DOIS ANOS
- Lula não tem uma candidata, não! Lula tem é uma sem-cerimônia para usar a máquina em favor de sua candidata como nunca se viu nestepaiz.

E por que digo isso? Até a última rodada de pesquisas, a ministra estava aí na casa dos 13% nas intenções de voto (certamente obterá índices melhores no próximo levantamento). Ninguém é candidato viável nesse patamar. Ele indica um nome a ser construído. E Lula o está construindo, usando como instrumentos a incapacidade da oposição de confrontar o governo, a tolerância da imprensa com a mentira e os desmandos e a conivência da Justiça Eleitoral com a ilegalidade.

Esses elementos, sim, compõem cabeça, tronco e membros da candidatura petista. Com eles, Lula poderia fabricar qualquer candidato. Preferiu Dilma porque ela ainda é uma agregada do PT e, se vitoriosa, pretende ser o Dimitri Medvedev de batom do Putin de Garanhuns.