MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Brasilistão: Vandalismo de falsos quilombolas na Bahia


Foto 1 e 2 superior: cancelas quebradas da entrada da Unidade de Conservação RPPN da Peninha


Maria das Dores de Jesus Correia, ao final cortando madeiras retiradas da Fazenda Santana, portando machado.


VANDALISMO E INVASÃO OCORRIDO NO DIA DO ENTERRO DE ALTINO DA CRUZ EM SÃO FRANCISCO DO PARAGUAÇU.

Absurdo, vandalismo e marginalidade é que o Jornal A TARDE classifica em suas matérias Jornalísticas como protestos. " Protestos marcam o enterro quilombola e Agricultores temem Fazendeiros, sob a responsabilidade da Jornalista Cristina Pita. Ocorre que, o mais absurdo é que, inobstante todas as inverdades, o Jornal A TARDE, deixou de relatar o que realmente marcou o dia de 19/12/2008 e que, certamente não foi o enterro do Sr. Altino da Cruz, nem perseguição de Fazendeiros a supostos quilombolas da localidade.

Nesse dia, membros do movimento quilombola da região, com o apoio de outros supostos "quilombolas" das comunidades próximas promoveram o terror nas ruas e vielas em São Francisco do Paraguaçu, marcando o que certamente foi um dos capítulos mais tristes dessa história.

No dia em que deveria marcar o enterro do Sr. Altino da Cruz, representantes da Associação dos Remanescente de Quilombo de São Francisco do Paraguaçu, Conselho Pastoral dos Pescadores- CPP, Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese, Associação dos Advogados dos Trabalhadores Rurais- AATR e Movimentos dos Pescadores do Estado da Bahia- MOPEBA, incentivados e liderados por políticos, a exemplo do Deputado Luis Alberto dos Santos do PT e lideranças desses movimentos, saíram as ruas gritando palavras de ordem, a fim de que, de forma intimidatória e agressiva, nós, moradores da região, nos recolhêssemos as nossas casas. Armados de machados, picaretas, foices, estrovengas, e até revólveres os manifestantes dirigiram-se inicialmente a Fazenda de Angela Santana, onde destruíram em pouco tempo, boa parte as cercas e cancelas, ameaçando matar quem se tentasse impedí-los.

Logo em seguida, um outro grupo liderado por "Sumindo", Raimundo Marcos Brandão," CPP" Maria José Honorato Pacheco, "Rabicó", "Damata", "Brahma", "Neu" , Lucinha, Maria das Dores de Jesus Correia, Ana Paula (esposa de Rabicó) Crispim Rabicó e representes do Movimento dos Pescadores do Estado da Bahia – MOPEBA e da AATR , Pedro Teixeira Diamantino e Juliana Barros, saíram em marcha, solicitando a morte de um dos fazendeiros e o corte dos órgãos genitais da liderança da Comunidade, a Sra. Elba Diniz.

Dessa forma, sob os gritos de "Sem sangue não há quilombo", seguiram em direção a propriedade do Sr. Carlos Diniz , a RPPN da Peninha, onde, destruíram as cercas, cancelas, jardins e até o telhado da capela de Nossa Senhora da Pena, juntamente com uma série de objetos religiosos de candomblé, que eram de propriedade da Sra. Elba Diniz. Irresignados e assustados com a violência e brutalidade do "movimento", os membros da comunidade local, passaram a solicitar insistentemente o apoio da Polícia Militar, a fim de interromper a onda de violência promovida pelos "quilombolas".Tais cenas de vandalismo somente tiveram um fim, após a retirada do ônibus com pessoas de fora de Ilha de Maré e da CPP e com a chegada da Policia Militar, que se fez presente durante todo o final de semana para evitar outro episódio trágico a destruição de casas dos moradores e proprietários das fazendas. Essa é, pois a verdade dos fatos. A verdade desprovida de protecionismos, maquiagens ou distorções e que, por motivos desconhecidos, mas bastantes suspeitos não foi relatada nas matérias referidas.

Assim as entidades, Associação dos Amigos de São Francisco do Paraguaçu, entidade representativa dos moradores da Localidade, A Comissão de Moradores de São Francisco do Paraguaçu e a Associação dos Amigos pelo Progresso do Vale do Iguape , neste ato representada pelos seus presidentes, vêm a público manifestar seu repúdio e indignação com o teor das matérias "Agricultores temem fazendeiros" e "protestos marcam enterro de quilombola, de autoria da jornalista Cristina Santos Pinta, publicada no Jornal A Tarde, edição dos dias 30 e 31/12/2008 pois as referidas matérias estão eivadas de calunias que foram criadas para justificar o ato de vandalismo praticado no dia 19/12 data do enterro de Altino da Cruz e mascarar a participação de Maria das Dores de jesus Correia, no crime de invasão de propriedade de destruição de patrimônio histórico, a capela de Nossa Senhora da Pena.

Fotos do crime praticado encontra-se nos endereços eletrônicos:

http://vandalismoquilombola.blogspot.com/

http://falsosquilombos.blogspot.com/

São Francisco do Paraguaçu, 11 de janeiro de 2009.

Elissandra dos Santos Ribeiro
Presidente
Adriano Sanches da silva
Comissão dos Moradores de São Francisco do Paraguaçu
Associação dos Moradores e Amigos de São Francisco do Paraguaçu
Associação para o desenvolvimento pelo Progresso do Vale do Iguape- AAMEN
Movimento pelo Direito de Propriedade dos Pequenos e médios proprietários Rurais de São Francisco do Paraguaçu

Obs.: Texto recebido de Nelson Ramos Barretto, autor da trilogia Reforma Agrária - Mito ou Realidade?, A Revolução Quilombola e Tribalismo Indígena (F. Maier).