MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

O polêmico Projeto Jari: Depoimento de uma testemunha ocular


Uns três ou quatro anos antes do seu sonho de implantar um grande projeto na margem paraense do rio Jari acabar -- o Projeto Jari --, tive a oportunidade de conhecer o multimilionário armador norte-americano Daniel K. Ludwig.

Foi lá pelos idos de 1979/80, quando fui designado para "dar uma opinião" sobre, na época, o tão combatido e controvertido projeto. Eu servia no I Comar, em Belém. Fui num C-47; mas antes de pousar, fiquei sobrevoando uma enorme região numa densa floresta equatorial, que estava sendo desmatada, e sendo reflorestada com mudas de uma espécie vegetal, a gmelina arborea, vindas da Ásia, mas antes aclimatadas na costa atlântica da África. Projetava-se a plantação de árvores para produção de celulose e papel, com corte previsto para uns oito anos, tempo bem menor do que acontecia em outras áreas do planeta de climas temperados, que era de 40 a 50 anos.

Sobrevoei também a moderna cidade criada pelo velho Ludwig, uma incrível cidade, Monte Dourado, equipada com escolas, hospitais, eletricidade, saneamento básico, coisa nunca vista na região. Monte Dourado era a sede do projeto. Construiu-se 600km de estradas principais, e muitas e muitas outras vicinais. Havia a previsão de uma ferrovia com 220 kms, três campos de pouso, além de um grande plantio de arroz, de produção perene, sem interrupções sazonais; pecuária de alta qualidade... Se eu for escrever tudo o que eu vi e aprendi sobre o projeto, daria um romance...

Mas o que eu queria agora dizer, quase trinta anos depois, é alguma coisa sobre aquele homem riquíssimo, de uns 70 anos de idade -- por isso ele tinha muita pressa, me dizia -- com negócios no mundo inteiro; que chegava de seus escritórios em Nova York utilizando-se de simples aviões de carreira da VARIG até Belém, viajando sozinho, e dali num teco -- teco até o Jarí. Onde ele havia conseguido tanta coragem, eu lhe perguntava, para investir uma soma fabulosa, mais de 600 milhões de dólares, numa região talhada com perfeição para demagogia, pois ali se reuniam ao mesmo tempo um enorme latifúndio e capital estrangeiro, um verdadeiro "tacacá no tucupi", com muita pimenta...

Naquela época era a maior moda ser contra o projeto. Era o imperialismo americano chegando à Amazônia, diziam os burros nacionalistas estremados. Lógico que ele, como homem de negócios, visava lucros.

O resultado foi que acabou sendo criada uma mentira, uma ficção, uma lenda envolvendo o governa estadual e o federal, que terminou emperrando aquele grande empreendimento, algo a meu ver, como disse no meu relatório, muito útil para a região, região muito pobre que tinha problemas reais até de sobra para serem resolvidos. Mas preferiram optar pelo desmatamento criminoso, como acontece até hoje em grande parte da Amazônia.

Ludwig retirou-se do projeto, lá deixando muito dinheiro enterrado, decepção, e uma imensa sensação de derrota, para um homem que sempre foi um vitorioso na vida.

Qualquer semelhança com os vinte anos dos militares no "Projeto Brasil", não é mera coincidência...

Coronel Maciel

Obs.: Texto publicado no site Reservaer - 27/01/2009