MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

O MST no papel de quinta-coluna

O Estado de S. Paulo, Sábado, 10 de Janeiro de 2009

OPINIÃO

O MST no papel de quinta-coluna

O novo governo paraguaio do ex-bispo progressista Fernando Lugo, empossado em agosto último e eleito sob a bandeira da reforma do Tratado de Itaipu, encontrou no Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) aliado pronto a encampar a sua causa no Brasil. Ao aceitar pressurosamente o papel de quinta-coluna que foi instado a assumir por seus interlocutores em Assunção, com os quais mantém estreitos vínculos ideológicos, centrados na Teologia da Libertação, a incendiária organização se coloca em rota de colisão com o governo brasileiro - que o sustenta generosamente. Na defesa do interesse estratégico nacional, o presidente Lula está firmemente decidido a manter a integridade do acordo firmado pelos dois países em 1973.

O Planalto não objeta a que o Paraguai faça uma auditoria da sua dívida de US$ 19 bilhões originária da construção da usina binacional. Mas se opõe à pretensão de Lugo de obter uma elevação significativa do preço que o Brasil paga ao seu país pela energia de Itaipu (US$ 45,31 brutos por megawatt). O governo brasileiro tampouco aceita a reivindicação paraguaia de vender a outros países, e não apenas ao Brasil, como estipula o tratado, a parte que lhe pertence da geração da usina. (O Paraguai consome não mais de 5% do fornecimento de Itaipu.) O objetivo imediato de Lugo é duplo: de um lado, ampliar a pauta de conversações com Brasília - o que, em si, é legítimo; e, de outro, dar curso a uma estratégia de "guerrilha", como revelou ao jornal Valor um negociador paraguaio que não quis se identificar.

Trata-se da decisão temerária de angariar apoios no Brasil para a batalha de opinião pública que o governo paraguaio quer ver desencadeada para furar o alegado bloqueio brasileiro de informações oficiais sobre as tratativas entre as partes. É onde entra o MST, com o acendrado internacionalismo que levou o seu líder supremo, João Pedro Stedile, em maio de 2006, a oferecer ao presidente da Bolívia, Evo Morales, as suas brigadas para expulsar os "latifundiários brasileiros" do vizinho país. (Nesse mesmo ano, ele anunciou a solidariedade do "povo brasileiro" à nacionalização da indústria de gás boliviana, com a ocupação de duas refinarias da Petrobrás.) Prudentemente, Morales dispensou a colaboração da turba paramilitar emeessetista. Agora, a organização é que foi procurada, na certeza de pronto e fraternal atendimento.

Para preparar o espírito da militância, material de propaganda sobre as demandas paraguaias já circula entre os seus acampados e assentados, sustentados pelo governo brasileiro, que paga as cestas básicas que lhes são destinadas, com o dinheiro do contribuinte. O pretexto para a mobilização é "a defesa do princípio da soberania nacional e popular sobre os recursos naturais", diz um dos principais dirigentes do MST, Roberto Baggio, convenientemente esquecido de que, no caso de Itaipu, esses recursos permaneceriam inexplorados não fosse a associação com o Brasil. Para o governo Lula, tanto o presidente Lugo como os seus agentes do lado de cá da fronteira estão querendo politizar uma questão técnica e pôr sob suspeita um acordo legítimo no âmbito das relações bilaterais.

Mas isso e nada é a mesma coisa para o projeto insurrecional de Stedile. "Se for necessário faremos no futuro manifestações de solidariedade ao povo do Paraguai", anuncia ele. Sabendo-se de longa data no que consistem tais manifestações, as suas palavras representam antes uma ameaça do que uma promessa. O MST conta com forte estrutura nos Estados do Sul, como o Paraná, nas proximidades da área de Itaipu. Além disso, por intermédio da Via Campesina, de que faz parte, o MST se articula com o seu equivalente paraguaio, a Mesa de Coordenação Nacional das Organizações Campesinas, que ajudou a formar. Igualmente ominosa é a perspectiva de que a "solidariedade ao povo do Paraguai" seja incluída na exacerbada agenda revolucionária da passagem dos 25 anos do MST, a ser "festejada", como de costume, com manifestações de protesto, ocupações de propriedades e marchas por todo o País.

Noticia-se que, por determinação do Planalto, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) irá monitorar a aliança antinacional em que embarcou o MST. Não poderia ser de outra forma. Com toda a probabilidade, porém, o governo terá de ir além disso.