MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

O Iraque é aqui!

Avisem aos socialistas que o “Iraque” é aqui e os inimigos são eles mesmos.

Gerhard Erich Boehme

Resumo: Por conta de uma ideologia superada pelo tempo e pelos resultados que produz e produziu, agora posta em prática no Brasil, subjugada aos ditames de um Foro São Paulo, aliada e parceira de um velho inimigo dos brasileiros – o clientelismo político, vemos e vivemos a violência se alastrando no Brasil, consome mais de 10% de nosso PIB e causa mais mortes que conflitos como a Guerra no Iraque e retira dos brasileirinhos o seu potencial para o futuro e de nosso país a soberania. Pior é que se reforça aqui no Brasil a teoria da vitimização. É como querermos apagar um incêndio com gasolina. Aos católicos, ou melhor, aos da CNBB, lhes apresento alguns subsídios para a Campanha da Fraternidade deste ano.

"Não temos o direito de consumir felicidade sem produzi-la, assim não temos o direito de consumir riqueza sem produzi-la". (George Bernard Shaw 1856-1950, escritor irlandês)

"Somos pobres porque acreditamos na distribuição e não na produção de renda, esta resultado do empenho de todos quando se observa o esforço em poder trabalhar, competir, empreender, criar e inovar com liberdade e dignidade observando a responsabilidade individual, a filosofia da liberdade, o estado de direito, o princípio da subsidiariedade e combatendo o clientelismo político - que produz a corrupção - com seu capitalismo de comparsas e socialismo de privilegiados". (Gerhard Erich Boehme)

"Não se conhece nação que tenha prosperado na ausência de regras claras de garantias ao direito de propriedade, do estado de direito e da economia de mercado." (Prof. Ubiratan Iorio de Souza)

"Quando a propriedade legal de uma pessoa é tomada por um indivíduo, chamamos de roubo. Quando é feito pelo governo, utilizamos eufemismos: transferência ou redistribuição de renda." (Dr. Walter E. Williams é professor de economia na Universidade George Mason em Fairfax, Va, EUA.)

Com estas quatro frases chamo à reflexão. Vivemos e privilegiamos a Cultura da Lombada, mas exigir que se atue na causa fundamental de nossos problemas, nem pensar.

Este é o ponto principal de toda uma falácia socialista, seja a pregada pelo PT – Partido dos Trabalhadores, com seus corruPTos e PTralhas, com sua subjugação aos ditames de um Foro São Paulo, seja a pregada por toda uma infinidade de pessoas que hoje se posicionam como ideologicamente estressados e participam entusiasticamente em manifestações públicas, no melhor estilo de uma oclocracia, em defesa de “vítimas”, agora em Gaza. E as vítimas no Brasil?

Com referência à Guerra no Iraque, escutamos deles: Abaixo os imperialistas! Desconsideram, a título de exemplo, a limpeza étnica que se fazia regularmente por lá, onde em algumas décadas mais de 300 mil curdos foram exterminados, somente em 1988 Saddam e os membros de seu governo promoveram boa parte deste genocídio na campanha militar de Anfa, muitos deles em ataques com bombas de gás. Não há menção de defesa deste povo, nenhuma defesa de uma “Nação sem pátria”, sim, sem pátria, pois, ao longo de sua história, viveram nas montanhas do Iraque, do Irã, da Turquia, Armênia, Azerbaijão e da Síria. Isso só para se ater a um dos resultados produzidos por Saddam, sem contar a rivalidade entre sunitas e xiitas.

Com referência ao radicalismo do Hamas e a resposta desproporcional por parte de Israel, somente observamos o apoio aos que sofrem os efeitos: Abaixo Israel! Não mencionam que os radicais do Hamas agem no melhor estilo de nossos narcotraficantes ou das milícias que atuam nos morros cariocas ou nas favelas de São Paulo e do Espírito Santo. Mas lá não se teve a atuação da uma “Justiça Eleitoral” impedindo que colocassem em prática todo tipo de coação, o que aqui exigiu que as Forças Armadas fossem às ruas em véspera de eleições. Veja: http://www.youtube.com/watch?v=-xb9zUkOgpM

Leia o texto completo em http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=10072&cat=Ensaios