MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sábado, 10 de janeiro de 2009

Hamas e seu tribunal revolucionário

Hamas executa "colaboradores" de Israel, diz "Haaretz"

da Folha Online - 8/1/2009

O jornal israelense "Haaretz" informou nesta quinta-feira que, desde o início da grande ação militar de Israel na faixa de Gaza -- que matou mais de 700 palestinos --, o movimento radical islâmico Hamas tem executado pessoas suspeitas de colocar em risco a resistência palestina e o domínio do grupo sobre aquele território ou a "moral pública".

De acordo com o jornal, os alvos do Hamas são os membros do grupo rival, o secular Fatah -- ao qual pertence o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas--; pessoas condenadas ou suspeitas de colaborar com Israel e outros criminosos "comuns".

O jornal cita uma estimativa de que o número de suspeitos executados varie entre 40 e 80, mas ressalta que, com "o medo de andar nas ruas e a ausência da mídia", é "virtualmente impossível verificar os números ou identidades dos mortos".

Um ativista político não-identificado ouvido pelo "Haaretz" que, ainda de acordo com o jornal, não apoiaria nem Hamas nem Fatah, afirmou acreditar que, no ambiente hostil ocasionado pela ofensiva, é provável que o Hamas esteja tentando evitar que os efetivos colaboradores de Israel mantenham suas atividades.

O "Haaretz", mais uma vez baseado em fontes não-identificadas, afirma que "integrantes do Hamas" confirmaram que houve execuções e contaram que ao menos algumas das vítimas admitiram ter passado informações ao Shin Bet (o serviço de segurança interna israelense) que teriam ocasionado o assassinato de palestinos.

Conforme o jornal, mesmo sob ataque, o Hamas continua prendendo suspeitos de crimes e de integrar o Fatah --muitos deles foram libertados com os bombardeios às prisões. "Fontes independentes e gente ligada ao Fatah dizem que entre as práticas do Hamas estão confisco de celulares, espancamentos, prisões domiciliares e incêndio das pernas dos prisioneiros."

Oficiais do Hamas disseram na quinta-feira passada (1º), oficiais do Fatah enviaram alertas aos integrantes da organização que são das forças de segurança pública sugerindo que eles ficassem confinados em casa pelas próximas 48 horas --as forças de segurança estão sob o comando do ministro do Interior, Said Siyam, do Hamas.