MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sábado, 24 de janeiro de 2009

Evo Cocales ataca cardeal Terrazas


Igreja preocupada com ataques de Evo Morales ao cardeal Terrazas

LA PAZ, sexta-feira, 23 de janeiro de 2009 (ZENIT.org).- Os bispos da Bolívia manifestaram nessa quinta-feira sua profunda preocupação ao escutar os ataques do presidente Evo Morales ao cardeal Julio Terrazas.

Na quarta-feira, o mandatário acusou o arcebispo de Santa Cruz de la Sierra de ter participado da redação do projeto de nova Constituição que a Bolívia votará no domingo, texto que o próprio cardeal e os bispos criticaram em alguns pontos importantes.

As declarações do presidente têm lugar depois que a Conferência Episcopal publicou um documento em que pede um voto «consciente, livre e responsável», e analisa tanto aspectos negativos como positivos da proposta constitucional.

A Igreja Católica foi a única que sublinhou elementos negativos do texto que abre as portas ao aborto e ao casamento homossexual. Também o fizeram as Igrejas Evangélicas Unidas (IEU).

No comunicado emitido nessa quinta-feira por seu departamento de comunicação, a Conferência Episcopal Boliviana expressa «sua preocupação pelos persistentes ataques e desqualificações que a primeira autoridade do país realiza contra a pessoa do nosso cardeal Julio Terrazas».

«Trata-se de alusões e insultos que não condizem com sua alta investidura e que tentam menosprezar a autoridade moral do representante da Igreja Católica».

«A respeito das alusões que o presidente da República faz, assinalando que o senhor cardeal e os bispos seriam co-autores de alguns artigos do texto constitucional proposto, a Igreja Católica recorda que sua participação ao longo do processo constitucional foi sempre de conhecimento público, através de documentos, reflexões e exortações oportunas».

«Precisamente em seu último documento, começa assinalando 10 aspectos positivos do texto constitucional que as autoridades de governo não levam em conta na hora de questionar.»

A Conferência Episcopal «vê com preocupação que enquanto a Igreja Católica contribui com análises serenas, objetivas e respeitosas a um clima eleitoral pacífico, crítico e responsável, algumas autoridades de governo apelam ao insulto e à desqualificação».

«Frente a estas agressões, pedimos não utilizar a Igreja nem suas autoridades como recurso de propaganda política pré-eleitoral.»

«Ao tempo em que reiteramos o chamado a que a cidadania exerça seu voto de maneira consciente, livre e responsável, reafirmamos nossa proximidade e solidariedade com o presidente da Conferência Episcopal Boliviana e esperamos da parte das autoridades de governo um tratamento justo e respeitoso.»

«Em dias decisivos para nosso futuro, pedimos ao povo fiel que encomende em suas orações o bem comum e a unidade de todos os bolivianos», conclui o comunicado.

Fonte: http://www.zenit.org/article-20618?l=portuguese