MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Consequências que ninguém comenta

Ana Echevenguá e Rodrigo Moretti (*)

Mesmo com muitos cientistas e pesquisadores maquiando a gravidade da situação em que se encontra o meio ambiente do nosso planeta, a Natureza é dura e não precisa de cerimônia para mandar o seu recado.

O Estado de Santa Catarina é a bola da vez. A seca que se alojou no oeste catarinense está dizimando a agricultura e trazendo várias novas doenças aos animais ali criados. No litoral, o excesso de chuvas traz inundações, deslizamentos de terra e, por conseqüência, a morte.

Não consigo entender por que, mesmo com estas tragédias nos mostrando que tudo está errado, continuamos dando crédito aos órgãos fiscalizadores, licenciadores e legisladores do nosso estado e país.

Na virada do ano, surge o problema do sul do estado: a enchente (já corriqueira) do Araranguá, rio que nasce na Serra Geral e passa por vários outros municípios, que sofrem com as enchentes há muitos anos.

“Em Araranguá, um das cidades mais atingidas, moradores do bairro Barranca estão acostumados a conviver com enchentes toda vez que a chuva faz o nível do rio que leva o mesmo nome da cidade subir além de suas margens”. (**)

Por quê? Porque, há muitos anos, os agricultores desmatam as margens do Araranguá para a cultura do arroz irrigado. Desmatamento e cultivo ilegal porque margem de rio, no Brasil, é área de preservação permanente. Mas a fiscalização faz vista grossa pra esses crimes ambientais.

O Araranguá tem como afluentes os Rios Sangão e Mãe Luzia, que estão quase mortos, poluídos com resíduos da extração do carvão mineral. Com a cheia estes rios transbordaram; e sabem aonde foram parar as águas destes rios? Não somente na BR 101, prejudicando os turistas da temporada de verão. Também dentro das casas dos agricultores, juntamente com o arroz que comem e boa parte do solo contaminado.

“A segunda-feira foi dia de levantamento dos danos causados às lavouras de arroz, que predominam na região. De acordo com uma estimativa preliminar da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), 20 mil hectares entre Criciúma e Araranguá estão submersos. A perspectiva é de até 50% de perda na produção das áreas alagadas”. (**)

Falando de mineração – atividade que destruiu toda a região sul catarinense: se os pátios das mineradoras estão cheios d’água, imaginem como estará o subsolo e as galerias de onde é tirado o carvão... com certeza, alagados, tomados pelas águas contaminadas.

Se antes da enchente os efluentes das minas não eram tratados adequadamente, agora é que isso não ocorrerá mesmo...

Estas notícias não saem nos jornais, redes de televisão, rádio... pois trazem à tona os crimes praticados pelas autoridades ambientais que contribuíram para estes acontecimentos, licenciando e legislando em prejuízo da natureza e da coletividade. E com estas tragédias, muita gente sai lucrando com os decretos de situação de emergência e de calamidade pública pelas benesses que a lei proporciona.

“De acordo com a Defesa Civil Estadual, 2.212 pessoas (639 desabrigados e 1.573 desalojados) tiveram de ser assistidas em abrigos públicos ou casas de familiares” (...) Ontem à tarde, o número de municípios que decretaram situação de emergência chegou a 11”. (**)

E aí? Ainda vamos colocar a culpa na Natureza? Nos ciclones tropicais?


(*) advogada ambientalista e educador ambiental, integrantes da ong Ambiental Acqua Bios e do programa Eco&Ação, website http://www.ecoeacao.com.br/.

(**) - http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2358112.xml&template=3898.dwt&edition=11445&section=1015

Ana Echevenguá - advogada ambientalista - coordenadora do programa Eco&Ação - http://www.ecoeacao.com.br/ - telefone 48 88133380/91343713 - Florianópolis - SC.